ÚLTIMA CARTADA: Ministro vem a Cuiabá na tentativa de convencer Taques

DO DIÁRIO DE CUIABÁ

Governador Pedro Taques ainda não
 anunciou oficialmente sua saída do PDT
Está previsto para amanhã a presença do ministro do Trabalho Manoel Dias em Mato Grosso para cumprir agenda oficial, mas que também deverá desaguar nas tratativas que seu partido, o PDT, faz para evitar que o governador Pedro Taques deixe a sigla sob alegação de desconforto quanto à postura nacional de apoio ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

Sem uma decisão tomada em definitivo, mas sinalizando que dificilmente permanecerá no PDT, o governador Pedro Taques recuou quanto ao seu endurecimento partidário por interesses diversos, como a real possibilidade do PDT desembarcar do governo federal.

O próprio presidente nacional do PDT, Carlos Luppi, que esteve há 60 dias reunido com o governador Pedro Taques em Mato Grosso já teria sinalizado em relação ao descontentamento do partido com o governo federal e a possibilidade do partido inclusive disputar a sucessão presidencial em 2018, quando a presidente Dilma Rousseff não poderá mais disputar já que foi reeleita em 2014.

O provável desembarque do PDT do governo federal até estimulou o governador Pedro Taques a permanecer na sigla, mas injunções do próprio PSDB que está dividido entre os que querem a filiação de Taques ao ninho tucano e aqueles que preferem mantê-lo no PDT com o compromisso de trabalhar para que a sigla apoie um novo projeto de governo para o Brasil, fizeram com que o chefe do Executivo de Mato Grosso, refluísse em sua posição inicial de deixar a agremiação.

Pedro Taques passou a ser assediado também por outras agremiações que lhe agradam, como o PSB, que após o baque da morte prematura de Eduardo Campos, começa a se reestruturar e novamente se impor como sigla que tem condições de assumir disputas nacionais e regionais arregimentando outras siglas e construindo novos projetos.

O PSB recentemente chegou a discutir uma possível fusão com o PPS que ampliaria ainda mais o poder político da nova sigla em termos de fundo partidário e de tempo de rádio e televisão no Horário Eleitoral Gratuito que se tornou fundamental principalmente nas eleições majoritárias.

Pedro Taques esteve reunido tanto com os tucanos do PSDB que chegaram a ter a preferência do então procurador da República quando este deixou o cargo para entrar na vida político-partidária, mas optou pelo PDT. Também esteve reunido com a alta cúpula do PSB, que hoje tem o vice-governador do Estado de São Paulo, Márcio França, que sempre foi homem de confiança de Eduardo Campos e deverá suceder o governador Geraldo Alckmin na disputa pelo governo do Estado de São Paulo, administrado nos últimos 20 anos pelo PSDB.


Aliás, no último final de semana passado, durante a realização da convenção do PSDB de São Paulo, Geraldo Alckmin teve seu nome lançado como candidato a presidente da República em 2018, tentando por fim nos quatro mandatos consecutivos do PT frente ao governo do Brasil. Pedro Taques e Geraldo Alckmin viajaram recentemente aos Estados Unidos para discutirem linhas de financiamentos e para participarem da homenagem ao ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, o que gerou maior especulação a respeito do destino partidário do governador de Mato Grosso.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os cinco traficantes presos neste domingo pela Polícia Federal em Tangará da Serra

Sábado com acidente fatal na BR 364 próximo a Diamantino

Cecilia Gabriella,15 anos, é morta com 22 facadas em Campo Novo do Parecis