Igreja transforma vida de gays em “inferno”, diz padre homossexual

padre_gayO padre polonês que se revelou gay no início deste mês, às vésperas do Sínodo do Vaticano, revelou à rede britânica BBC uma cópia da carta de renúncia que entregou ao papa Francisco. Na carta, Krzysztof Charamsa acusa a Igreja Católica de transformar a vida de milhares de gays católicos em um “inferno”.
Diz ainda que a igreja é hipócrita ao não permitir padres gays já que clero é “cheio de homossexuais”.
Charamsa fazia parte da Congregação para a Doutrina da Fé, quando fez sua revelação bombástica, perdendo imediatamente o cargo. Em uma coletiva em um restaurante em Roma, o monsenhor declarou que era gay e que tinha um companheiro.
O Vaticano afirmou que a declaração do padre havia sido “irresponsável, já que visava colocar pressão da mídia sobre o Sínodo”. Além disso, Charamsa foi demitido das duas universidades católicas em que dava aulas, em Roma, e suspenso das funções de padre pelo bispado da Polônia. Com isso, não poderá celebrar a Santa Missa, administrar os sacramentos ou usar a batina.
Segundo a BBC, o papa Francisco ainda não respondeu à carta de renúncia de Charamsa. Esta não foi a primeira vez que o polonês teceu críticas duras à Igreja Católica depois de ter, como ele disse, “saído do armário”. Em entrevista à BBC Brasil, ele afirmou que a igreja é “homofóbica, cheia de medo e de ódio”. Na ocasião, ele tornou público seu “Manifesto de liberação gay”, no qual pede o fim da discriminação de pessoas homossexuais por parte da Igreja Católica.

UOL

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os cinco traficantes presos neste domingo pela Polícia Federal em Tangará da Serra

Sábado com acidente fatal na BR 364 próximo a Diamantino

Cecilia Gabriella,15 anos, é morta com 22 facadas em Campo Novo do Parecis