Transposição do Rio São Francisco está com futuro comprometido

Durante o XVII encontro nacional de comitês de bacia hidrográficas, realizado em Caldas Novas/GO, no período de 04 a 09 de outubro, foi apresentada a situação caótica que se encontra o Rio São Francisco. Sua vazão regularizada de 1800 m³/segundo está atualmente com apenas 900 m³/s. Este quadro de criticidade hídrica levou a barragem de Sobradinho, que tem uma capacidade de 34 bilhões de m³, a ficar apenas 8% de sua capacidade.   Já estão prejudicadas, a pesca, a produção de energia e a irrigação de vários projetos ao longo do rio.
“Neste momento o Rio São Francisco deveria esta recebendo água de seus rios tributários, porém, isso não está acontecendo. As previsões não são nada animadoras diante da destruição que o agrohidronegócio vem fazendo nas nascentes do velho Chico e das previsões meteorológicas para 2016, além das mudanças climáticas que prevê redução de chuvas para o Nordeste nos próximos 100 anos de em torno de 30%”, disse o presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Piancó/Piranhas/Assú.
O próprio ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, reconhece que se nada for feito em termo de recuperação das nascentes e matas ciliares dos rios que compõe a região hidrográfica da bacia do São Francisco e sua própria revitalização, não haverá água num futuro próximo para alimentar os canais da transposição. A opinião de agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais e pesquisadores presentes no evento, o Rio São Francisco não suportará as transposições que estão sendo feito para diversos usos, inclusive, para os estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os cinco traficantes presos neste domingo pela Polícia Federal em Tangará da Serra

Sábado com acidente fatal na BR 364 próximo a Diamantino

Cecilia Gabriella,15 anos, é morta com 22 facadas em Campo Novo do Parecis