Um ano após 1º turno, Dilma contraria discurso, corta programas sociais e penaliza trabalhador

Há um ano, no dia 5 de outubro de 2014, a presidente Dilma Rousseff vencia o primeiro turno da eleição presidencial depois de uma dura campanha contra seus adversários, a quem imputava a vontade de governar para os bancos e mexer em programas sociais. Hoje, o eleitor vê o governo federal reduzir direitos, cortar programas sociais e aumentar juros, sem conseguir controlar a inflação.
“A rejeição recorde da presidente prova que a população não aceita tamanho estelionato eleitoral. Durante a campanha, a presidente acusou a oposição de planejar medidas antipopulares e agora é ela quem as coloca em prática”, critica o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira.
Depois de negar à exaustão a existência de uma grave crise econômica no Brasil, Dilma chamou para sua equipe Joaquim Levy, um economista do Bradesco. Poucos meses depois da eleição, o governo federal propôs alterar regras do seguro-desemprego e da pensão por morte com objetivo de cortar gastos. “A população paga a conta por uma crise provocada pela incompetência da presidente”, disse Siqueira.
Na campanha eleitoral, Dilma também se gabava do tamanho de sua base aliada e colocava em dúvida a capacidade da então candidata do PSB, Marina Silva, de conseguir apoio no Congresso em um eventual governo. “Hoje, a população vê a presidente entregar ministérios importantes em um toma-lá-da-cá para garantir apoio à aprovação de impostos e evitar o risco do impeachment”, afirma.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os cinco traficantes presos neste domingo pela Polícia Federal em Tangará da Serra

Sábado com acidente fatal na BR 364 próximo a Diamantino

Cecilia Gabriella,15 anos, é morta com 22 facadas em Campo Novo do Parecis