Acampado no gramado do Congresso há um mês, grupo cobra impeachment

grupo
Acampados há quase um mês no gramado em frente ao Congresso –com autorização do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), um grupo pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff diz sobreviver de doações. Vivendo à base de churrasco, arroz com carne moída e linguiça e muito pão com mortadela, os acampados articulam mobilizações pelo país e programam para este domingo (15) mais um ato.
O acampamento, que começou com nove pessoas do MBL (Movimento Brasil Livre) em 21 de outubro, ganhou adeptos e saltou para mais de 70 barracas. Algumas ficam desocupadas, ou vazias. Segundo os participantes disseram à Folha, as barracas ficam vazias porque o grupo faz revezamento. “Muitas pessoas de Brasília nos apoiam e dão suporte. Então há um constante vai e vem, para ir na casa dessas pessoas para tomar banho, já que aqui não existe local para isso”, disse Igor Iuan, 28 anos, músico de Curitiba.

Postagens mais visitadas deste blog

CHACINA: Policial militar é acusado de executar quatro pessoas em cabaré da cidade de Brasnorte

Saúde tem hoje Dia D de vacinação contra H1N1 em Tangará da Serra