ARTIGO: Reflexo da má qualidade da educação básica na formação de novos profissionais graduados

Por Andressa Bertoldi

É possível perceber que os números de novos profissionais graduados vêm crescendo a cada ano graças as diversas oportunidades e auxílios que o governo federal disponibiliza, mas esse auxilio por vezes não vem sendo utilizado por estudantes dedicados, o que acaba por formar profissionais menos eficientes em sua área de trabalho.

Quando encontramos um graduando com sérios problemas de aprendizagem em sua área de ensino, observamos o quanto à qualidade da educação básica vem diminuindo, planos e projetos educacionais são vinculados as redes de educação, porem, a qualidade vem caindo mais com abandono escolar, a não alfabetização, falta de concentração dos alunos, desinteresse, violência e indisciplina que corroboram com a cronicidade dos problemas de aprendizagem.

A fim de entender a possível causa do aparecimento de novos profissionais com qualificações, por vezes, inferior aos antigos, este trabalho vem pesquisar o interesse de alunos de anos finais do ensino fundamental e seus interesses para o futuro, para analisar se há relação entre a educação básica inicial fraca e a formação de profissionais de mesmo nível.

O trabalho foi realizado em adolescentes de 13 a 16 anos de series finais do fundamental, a fim de abordar este problema de forma publica para haja maior dedicação dos órgãos públicos com as séries iniciais.

O que preocupa os professores é pensar em que forma esses jovens chegaram a séries avançadas e a graduação sem saber ler e escrever, ou fazendo isso ineficientemente.

Para compreender o que os jovens da educação básica esperam de seus futuros profissionais realizou-se um questionário com alunos de séries finais do ensino fundamental de uma escola municipal de bairro mais carente da cidade de Sorriso- MT.

O questionário aborda de forma subliminar se aluno saber ler, escrever e interpretar, as perguntas são referentes à profissão que pretendem seguir quando adultos e os caminhos que pretender tomar para alcancem esse desejo.

Analisando os questionários foi possível notar o índice de jovens com grandes dificuldades na escrita, sendo 47%, um valor alarmante se tratando de jovens prestes a ingressar no ensino médio.

Dos 53% restantes, os quais estavam respondidos e que existia coerência nas respostas, observou-se que os alunos entendem a importância da escola para seu futuro, sabem da função de lhes ensinarem o básico para entrarem no mercado de trabalho e então em uma universidade, e destes 78%, pretendem cursar o ensino superior.

O que preocupa os professores que estão em sala é que parte desses alunos que pretendem cursar uma universidade não estarão aptos a compreender com qualidade o que se é trabalhado em um curso superior, e que em alguns casos, devido essa dificuldade acabam por desistir, ou fazem de qualquer jeito, prejudicando os demais que seriam mais esforçados, e a qualidade das aulas dos professores, que tem de repassar conteúdos de educação básica em classe universitária.

Através desses estudos entende-se que a educação brasileira não esta em seu melhor momento, observa-se que o problema se inicia no fundamental I onde as crianças deveriam ser alfabetizadas, e uma boa parte chegam ao ensino médio sem saber ler e escrever, ou não sabendo interpretar o que esta lendo, o que também é muito grave no ponto de vista de compreensão e aprendizagem.

Neste contexto é possível ver desde já como será o futuro do país já que essa deficiência na aprendizagem hoje será refletido nos jovens que entraram nas instituições de ensino superior sem o conhecimento básico para formar bons profissionais habilitados, dessa forma diminuindo os níveis de qualificações.

Referências
AFONSO, S. A. M. A indisciplina e a escola. Um estudo de caso  sobre as representações dos docentes do 2º e 3º CEB. Universidade Portucalense, Porto, 2006.
BELINTANE, C. Leitura e alfabetização no Brasil: uma busca para além da polarização. Universidade de São Paulo, Educação e Pesquisa, São Paulo, v.32, n.2, p. 261-277, 2006.
COLOSSI, N., CONSENTINO, A. e QUEIROZ, E.G. de. Mudanças no contexto do ensino superior no brasil: uma tendência ao ensino colaborativo. Rev. FAE, Curitiba, v.4, n.1, p.49-58, jan./abr. 2001
CHALITA, G. Educação: a solução esta no afeto. Editora Gente, 1º Ed. São Paulo, 2004.
DIGIÁCOMO, M. J. e DIGIÁCOMO I. de A. Estatuto da Criança e do Adolescente Anotado e Interpretado Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (atualizado até a Lei nº 12.796/2013, de 04 de abril de 2013)
GRACINDO, R.V. Democratização da educação e educação democrática:duas faces da mesma moeda. 18º reunião da ANPEd, 1995.
MAZER, S.M., BELLO, A.C.D. BAZON, M.R. Dificuldades de Aprendizagem: revisão de literatura sobre os fatores de risco associados. Psic. da Ed., São Paulo, 2009, pp. 7-21.
MEC, INEP – Instituto Nacional de Estudo e Pesquisas Educacionais Anísio Teixiera – IDEB – Indice de Desenvolvimento de Educação Básica, >http://ideb.inep.gov.br/resultado/resultado/resultado.seam?cid=9184252<. Acessado em: 14/08/2014, acessado em 14/03/2015 às 14:20
PORTO, C. e RÉGNIER, K.  O Ensino Superior no Mundo e no Brasil – Condicionantes, Tendências e Cenários para o Horizonte 2003-2025 Uma Abordagem Exploratória. Dezembro, 2003.
SANTOS, M.S.de.O., Resolução N. 262/02-CEE/MT, Cuiabá – MT, 2002
VOLPATO, R.,CEE/MT. Resolução sobre Escola Ciclada, 2002, >http://www.seduc.mt.gov.br/Paginas/CEE-MT-publica-Resolu%C3%A7%C3%A3o-sobre-Escola-Ciclada.aspx<. Acessado em: 12/02/2015 às 10:32. >
OLIVEIRA, R.P. e ARAUJO, G.C.de. Qualidade do ensino Revista Brasileira de Educação 5 Qualidade do ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito à educação. Revista Brasileira de Educação. 2005.


AUTORA: Andressa Bertoldi . Reside em Sorriso – MT; CEP.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os cinco traficantes presos neste domingo pela Polícia Federal em Tangará da Serra

Sábado com acidente fatal na BR 364 próximo a Diamantino

Cecilia Gabriella,15 anos, é morta com 22 facadas em Campo Novo do Parecis