“Projeto de repatriamento de dinheiro irregular”: Uma lei que não será aplicada

dentro de um cofre no exteriorPrevista para amanhã a votação, na  Câmara, do projeto de repatriamento de dinheiro irregular que brasileiros mantém  no exterior, a impressão é de que a montanha vai gerar um rato. No caso, um rato podre, porque o governo Dilma deve parar de imaginar o retorno maciço dos calculados bilhões de reais  e de dólares mandados para fora  nas   ultimas  décadas, sem participação à Receita Federal e sem pagamento de impostos. Poucos dos vigaristas que enviaram fortunas para a Suíça e   paraísos fiscais variados estão dispostos a se expor. Mesmo diante do benefício da anistia, de não serem processados pelos crimes financeiros  praticados, esses meliantes preferem deixar seu dinheiro onde se encontra, rendendo mais e em segurança. E sem a necessidade de pagarem 30% de taxa pelo retorno, ou de se tornarem conhecidos como gatunos.
Assim, o governo ficará frustrado, pois a equipe econômica esperava  arrecadar bilhões para compensar o rombo no orçamento. Ficará tranquila a  imensa legião dos  que mandaram  para o exterior lucros provenientes da corrupção, do desvio de dinheiros públicos, do tráfico de drogas, do contrabando e até de operações comerciais que seriam honestas se porventura declaradas corretamente ao fisco. Também, queriam o quê, dessa quadrilha instalada no Brasil desde tempos coloniais?

Postagens mais visitadas deste blog

CHACINA: Policial militar é acusado de executar quatro pessoas em cabaré da cidade de Brasnorte

Saúde tem hoje Dia D de vacinação contra H1N1 em Tangará da Serra