Voto impresso é passo atrás, diz presidente do STF

A impressão pela urna eletrônica do voto do eleitor é um “passo atrás”. A definição é do ministro José Antonio Dias Toffoli, presidente do Tribunal Superior Eleitoral. Na noite de quarta-feira (18), o Congresso derrubou o veto da presidente Dilma Rousseff à lei que prevê a impressão do registro do voto. Para implementar o projeto, Toffoli informa que o tribunal gastará R$ 1,7 bilhão. Ele diz que não há tempo hábil para implementar a medida nas eleições de 2016 e por isso o procedimento deve ser adotado nas eleições gerais de 2018.
O ministro Dias Toffoli, presidente do TSE, não está sozinho em seu protesto contra a impressão do voto. Carlos Velloso considera “um atraso” a decisão do Congresso de ressuscitar o voto impresso nas eleições. “É a cultura do carimbo, herdada dos portugueses”, diz o ministro aposentado, que vê na iniciativa “um resquício do complexo de vira-latas citado por Nelson Rodrigues. Como os outros países não adotaram, deve estar errado”.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os cinco traficantes presos neste domingo pela Polícia Federal em Tangará da Serra

Sábado com acidente fatal na BR 364 próximo a Diamantino

Cecilia Gabriella,15 anos, é morta com 22 facadas em Campo Novo do Parecis