Três padres se suicidam em 15 dias; psicóloga explica síndrome

Mês passado, num espaço de duas semanas, três padres — o baiano Ligivaldo, o mato-grossense Rosalino e o mineiro Renildo — se suicidaram. As idades variavam entre 31 e 37 anos. Uma pesquisa de 2012 revelou que o ofício de padre está entre as profissões mais estressantes, na frente de policiais. Essa depressão no meio de padres e pastores vem sendo exaustivamente estudada pela psicóloga clínica Luciana de Almeida Campos e será tema do seu livro “A dor invisível: A síndrome de Burnout e depressão entre os religiosos”. A informação é destaque no Ancelmo Góes.
A autora conta que se deparou, por exemplo, com pastores que, em razão da depressão, abandonaram o pastorado, mudaram de religião, migrando para o candomblé, ou viraram ateus. “Tenho acompanhado a sobrecarga dos religiosos com seus afazeres, pois, ao contrário do que muitos pensam, a vida deles é bastante difícil.” Luciana acentua a solidão dos religiosos como ponto delicado no “incremento do adoecimento”. Em tempo: a síndrome de Burnout, também chamada de síndrome do esgotamento profissional, atinge pessoas com dedicação exagerada ao trabalho e quase sempre desejando serem as melhores no que fazem.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os cinco traficantes presos neste domingo pela Polícia Federal em Tangará da Serra

Sábado com acidente fatal na BR 364 próximo a Diamantino

Cecilia Gabriella,15 anos, é morta com 22 facadas em Campo Novo do Parecis