14 de março de 2007

TURISMO COMEÇA A SER LEVADO À SERIO EM TANGARÁ DA SERRA


Cachoeira Aldeia Formoso
O turismo passa a ser levado a sério a partir de hoje em Tangará da Serra e região. Com aval do Poder Executivo, diversas reuniões estão agendadas para ocorrer objetivando tirar o assunto do papel e conduzi-lo à prática.

Há muito tempo todos sabem que o município é rico em belezas naturais. Riqueza que não foi explorada em benefício da comunidade. Possa ser que agora haja avanço significativo no setor, e Tangará, de uma vez por todas, saia do esconderijo.

É bem verdade que, para o turismo se tornar uma realidade no município, há necessidade urgente da ativação do aeródromo. Tangará da Serra poderá ter as melhores belezas naturais do Mato Grosso para oferecer aos seus visitantes, mas se não tiver um simples aeródromo para pousos e decolagens, de nada adianta.

Quem tem dinheiro e pode sair “torrando-o” por ai, não anda de carro, principalmente pelas estradas esburacadas de um estado como o nosso. Daí ser primordial toda uma infra-estrutura adequada. Aeródromo, táxis de qualidade, motoristas bem educado para o serviço, bons hotéis e restaurantes, e naturalmente, guias turísticos para conduzir essa gente aos mais belos locais oferecidos pela natureza, são assuntos que devem estar na pauta do dia.

A EDUCAÇÃO TANGARAENSE GANHA UM NOVO EDUCADOR



Cabelos brancos não impedem recomeço na sala de aula

Estou tendo a felicidade, desde ontem, de encarar uma sala de aula composta por jovens e adultos. Faz parte dos estágios para que em 14 de dezembro deste ano, possa receber o grau de licenciatura plena em Pedagogia. Minha primeira experiência está sendo na alfabetização de pessoas adultas que por razoes diversas, não tiveram a oportunidade de freqüentar a escola regular.

A motivação para ensinar a leitura e a escrita para essas pessoas está na crença que somente a educação pode proporcionar melhor qualidade de vida para os seres humanos em qualquer lugar onde existir uma comunidade. Estou bastante motivado depois de ontem, quando vi um cidadão com quase 50 anos de idade, pulando de alegria por descobrir que seu nome era composto por 28 letrinhas.

Na minha sala, uma senhora com cerca de 70 anos de idade, me disse que só freqüentou a escola por 14 dias. Assim mesmo, aprendeu a desenhar seu nome. Agora, depois de ser bisavó, quer aprender a ler e escrever para acalentar seu coração que teve este sonho embutido. Já imagino como será gratificante ver meus alunos, jovens, adultos e idosos, capturando o conhecimento básico.

O prêmio maior será para meu coração pedagogo, mas igualmente para eles que ganharão liberdade, a verdadeira liberdade de pensar e se expressar.