29 de março de 2007

JOSÉ PEQUENO PODERÁ SER NOVO SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO DE TANGARÁ

Para mim não será nenhuma surpresa se o prefeito Júlio César Ladeia nomear o atual secretário de Administração e Controle Interno José Pereira Filho, para a Secretária Municipal de Educação e Cultura – SEMEC.

Não seria surpresa também se o atual secretário de Planejamento Moaci Copolla, vier a ser remanejado para a Administração com a saída de José Pereira Filho. A dúvida é saber quem seria a pessoa para ocupar o Planejamento. Há quem aposte que o cargo será preenchido pelo administrador José Júnior Pimenta.

Nos bastidores também foi comentado hoje que outra Secretária que o prefeito deverá mexer é a de Assistência Social. Segundo comentários, a pedagoga Ângela Louret já teria cumprido sua tarefa frente à pasta. Neste caso, uma incógnita. Quem preencheria a vaga em substituição à atual secretária?

Deverá haver mudanças ainda no Departamento de Cultura, até semana passada, dirigido pelo artista plástico Everaldo Alves. Há ainda mais uma vaga para ser preenchida na Assessoria de Imprensa do município. Estes nomes também são incógnitos.

A SEMEC ficará sendo dirigida pela professora Rosenilda Gragel por mais trinta dias até o prefeito fazer os ajustes necessários para nomeação do seu novo titular.

WAGNER E MAIS CINCO DEPUTADOS DO MT DEVEM PERDER MANDATO


Ramos deverá perder vaga na AL para suplente que permaneceu fiel ao PPS

Com a recente decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de que os deputados federais e estaduais, eleitos no ano passado não podem trocar de partido, pelo fato deste pertencer à agremiação, os eleitos que se desligarem de partido terão que deixar o mandato para os suplentes.

Em Mato Grosso, podem perder os mandatos, os deputados estaduais, Sérgio Ricardo, atual presidente da Assembléia Legislativa, Sebastião Resende, Mauro Savi, os suplentes no exercício do mandato, Wagner Ramos e Roberto França e o deputado licenciado e ocupando a Casa Civil, João Malheiros.

Todos foram eleitos pelo PPS e acompanharam o governador Blairo Maggi ao Partido da República, agremiação criada pela fusão entre o PL e o Prona.

Outro que pode perder o mandato é o deputado federal, Homero Pereira, o segundo mais votado em Mato Grosso e o único a deixar o partido pelo qual foi eleito (PPS) e migrar também para o PR.

Esperemos para conferir o que ocorrerá nos próximos dias na política mato-grossense. Alguns analistas políticos crêem que esse bando de políticos traidores não ficará impune.