4 de maio de 2007

MPF pede condenação de oito frigoríficos nos estados de SP, GO e MT

O Ministério Público Federal pediu nesta quinta-feira (03) a condenação de oito frigoríficos dos estados de São Paulo, Goiás e Mato Grosso por prática de cartel. O pedido foi feito pelo procurador regional da República, José Elaeres, representante do MPF no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão ligado ao ministério da Justiça. Leia mais

Pós-graduados em Economia Solidária recebem certificados neste sábado

Neste sábado às 19h30 no Centro Cultural Pedro Alberto Tayan, anexo à Secretaria Municipal de Educação e Cultura - SEMEC, o Município de Tangará da Serra e a Universidade do Estado de Mato Grosso - Unemat, entregam os certificados do Curso de Capacitação e Pós-Graduação em Economia Solidária para os concluintes. O curso é o único no Estado e no Brasil com a proposta pedagógica de integrar acadêmicos e lideranças de organizações sociais, associando teoria e prática. Leia mais

Presidente regional do PPS "amarelou" no pedido de cassação dos infiéis


O presidente regional do PPS, deputado Percival Muniz, decidiu postergar o pedido de cassação dos chamados infiéis junto à Mesa Diretora da Assembléia e também no Tribunal Regional Eleitoral. Muniz já não demonstra mais tanto entusiasmo sobre o assunto.

Nos bastidores, o comentário é que o dirigente resolveu recuar diante do pedido feito pelos ex-militantes da legenda, entre eles o presidente da Assembléia, deputado Sérgio Ricardo, que tenta retornar ao partido.

Muniz aguarda agora a visita a Cuiabá na próxima quarta (9) do secretário-geral do PPS nacional, ex-deputado Rubens Bueno. Freire também estará na capital mato-grossense no dia 20. Leia mais

Exame da Ordem revela: ensino jurídico em MT está entre os piores do Brasil

A qualidade do ensino jurídico em Mato Grosso está entre os piores do Brasil. A constatação vem com o resultado do primeiro Exame de Ordem unificado, aplicado pela Fundação Centro de Ensino Superior da Universidade de Brasília (UnB) em 18 estados.

Dos 1.404 candidatos que fizeram a prova em Mato Grosso, apenas 193 foram aprovados. Isso equivale a 13,75%. “Foi um resultado lastimável. Bem pior do que imaginamos” – resumiu o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Estado, Francisco Faiad.

Ele é um dos que insistem na necessidade urgente de que sejam tomadas medidas para combater o que classifica como “estelionato educacional” existente no Estado. Leia mais

Empresa quer ganhar área avaliada em R$ 60 mil para se instalar em Tangará

Na sexta-feira, dia 27, a Câmara Municipal recebeu o Projeto de Lei 035/07 que visa desafetar uma área pública com 4,8400 hectares para doação na forma de incentivo para a empresa Compensados Tangará. A área está localizada no Distrito de Progresso e foi avaliada em R$ 60.500,00 (sessenta mil e quinhentos reais). Leia mais

RELEMBRANDO: quais foram os sete deputados de Mato Grosso citados no escândalo das sanguessugas

A máfia dos sanguessugas marcou a trajetória política de diversos parlamentares mato-grossenses. Ao todo, sete parlamentares do Estado foram envolvidos de alguma forma no escândalo.

Teté Bezerra (PMDB), Celcita Pinheiro (PFL) e Lino Rossi (PP) nem arriscaram disputar a reeleição. Desistiram do pleito sob argumento de que foram achincalhados. A senadora Serys Marly (PT) amargou o terceiro lugar na disputa pelo governo.

Enrolada no escândalo porque teve um parente ligado a Luiz Antônio Vedoin, ela não teve o nome encaminhado pela CPI para ser investigado pelo STF.

Pedro Henry (PP) e Wellington Fagundes (PR) conseguiram se reeleger, mas obtiveram votações pífias se comparadas às eleições anteriores.

Ricarte de Freitas (PTB) passou por uma situação vexatória ao ser desconvidado publicamente pelo governador Blairo Maggi (PR) para assumir o escritório de representação de Mato Grosso em Brasília.

Motivo: Maggi foi pressionado por aliados para não nomear o petebista. Veja a fonte da notícia

PPS do MT não desiste de cobrar vagas dos deputados infiéis

A Executiva Regional do PPS em Mato Grosso decidiu na última quarta-feira à noite, depois de várias reuniões que não vai desistir de cobrar as vagas dos deputados eleitos pelo partido em 2006 e que acompanharam o governador Blairo Maggi para o PR deixando a sigla para poderem ficar mais próximos do PT e do governo do presidente Lula. Leia mais

Governo Maggi poderá perder apoio do Partido Progressista

Mais do que um problema político na apreciação das mensagens da Polícia Militar, o relacionamento do governo Blairo Maggi (PR) com o Partido Progressista (PP), detentor de uma das maiores bancadas na Assembléia Legislativa, com quatro deputados e que vota coesa, ou seja, sem dissidência, está por um fio para deixar de existir. Leia mais