15 de junho de 2007

ROBÉRIO: o poeta das madrugadas, com novo livro para lançar


OUVINDO BRADOS DA SOLIDÃO. Este é o tema do novo livro de poemas do poeta, jornalista e professor universitário Robério Pereira Barreto. A obra deverá ser lançada em breve. Leia agora em primeira mão, parte do prefécio do livro:

Bramidos da solidão, de Robério Pereira Barreto (2007) se constitui numa obra poética com a tentativa de trazer à tona as aflições do leitor apaixonado, levando-o à condição de intérprete de suas próprias agonias.

Daí, os amores escondidos no fundo do coração, aos poucos lhes comprimem o peito, fazendo declara-se; sou humano e sofro por amor e daí?!

Por isso é necessário insuflar os corações apáticos para que eles possam sair da inércia. Normalmente, esses pobres seres são assim por que não ouvem bem as vozes interiores que lhes atormentam diariamente.

Por isso, os poemas deste livro apresentam-se a público como gritos que vêem do fundo da alma para despertar àqueles indivíduos que se encontram em latência constante, todavia não têm coragem de soltar ao universo o brado de suas paixões e sentimentos aos entes queridos.

A poesia de Bramidos da solidão revela ainda outra faceta do autor; o apelo metafórico feito para que se tenha respeito ao uso da língua nacional – português –, conforme está expresso nos dois quartetos das estrofes seguintes:

Não obstante estar a maior parte de meu tempo lidando com pessoas esse convívio é importante, mas, às vezes, secam-me as emoções, porque a todo instante deparo-me com as contradições humanas, as quais jamais serão dissipadas, pois físico e mentalmente todos nós carregamos o contraditório como marca individual e, portanto, resta ao isolamento da alma em sua magnífica complexidade causa-me inspirações e curiosidades.

Eis que encontro nesse momento o meu objeto de desejo, embora saiba que tudo que penso poeticamente seja apenas subjetivismo diletante.

A sedução causada pela solidão ao imo poético é, sem dúvida, conseqüência de minhas perambulações pelo universo das emoções passionais.

NOTA DO BLOG: O poeta Robério Barreto encontra-se atualmente na cidade de Irecê - BA, onde leciona no campus da Universidade Estadual da Bahia - UNEB.

Apenas dois deputados federais participam de inaugurações em Tangará

Os deputados federais Wellington Antônio Fagundes (PR) e Valtenir Luís Pereira (PSB) estiveram em Tangará da Serra, nesta sexta-feira, como integrantes da comitiva do mini-estradeiro liderada pelo governador Blairo Maggi.

Valtenir ainda disse algumas palavrinhas em discurso nas dependências da escola inaugurada, 29 de Novembro. Apenas para tercer elogios aos seus confrades.

Wellington chegou calado. Cochichou nos ouvidos de alguns confrades e nada mais disse. Publicamente sequer deu um espirro.

Perguntinha básica: por que os outros parlamentares federais não estão desta feita acompanhando o governador? Melhor: por que não tiraram um tempinho para visitar a amada Tangará da Serra neste dia festivo?

Sei não, em! Continuo pensando ser grande o desprezo dos políticos mato-grossenses com Tangará da Serra. Coisa nunca vista. Deus me livre e guarde dessa raça!

Protestos deixam chateado governador de Mato Grosso

Uma fonte palaciana disse ao blog que o governador Blairo Maggi saiu bastante chateado de Tangará da Serra, nesta sexta-feira, oportunidade em veio ao município para inaugurar a Escola Estadual “29 de Novembro” e o Instituto Médico Legal – IML.

As vaias, as palavras de ordem, as muitas faixas e cartazes com dizeres agressivos ao governador, além da alcunha de “COVARDE” proferida aos gritos por parte da comunidade acadêmica tangaraense, o deixaram transtornado.

Falando figurativamente, a fonte quis dizer ainda que os promotores do protesto não ficarão sem o “troco”. No caso, o fechamento de algumas unidades da Unemat. A de Tangará corre esse risco? Perguntei. A fonte respondeu: não. Disse: ainda bem.

“A Unemat está inchada, ao invés de ter crescido. Sem recursos, não há como o Estado atender as enormes necessidades dela”. Penso que entendi o comentário da fonte palaciana.

Blairo é chamado de "covarde" por universitários em Tangará da Serra

O protesto realizado na manhã desta sexta-feira por professores, acadêmicos e funcionários da Unemat, contra o governador Blairo Maggi, em Tangará da Serra, está sendo visto por segmentos da imprensa local como desnecessário.

Apresentador do programa Cidade Alerta (TV Vale/Record) Sílvio Sommavilla, disse em seu horário que não houve necessidade dos acadêmicos alcunharem o governador com a palavra “COVARDE”.

Para ele, a atitude agressiva dos promotores do protesto só empurrará para mais longe o já tímido relacionamento entre o governador e o município de Tangará da Serra.

Outros jornalistas também foram da opinião que a palavra “COVARDE” não deveria ter sido dirigida ao governador, especialmente, em um dia que ele inaugurava obras no município.

Já outros profissionais da mídia entenderam que os estudantes agiram dentro da liberdade de expressão e o que fizeram não foi nada mais senão um alerta para que o governador entenda de uma vez por todas que a comunidade tangaraense não está, e nunca esteve, de bem com ele.

O protesto dos universitários não seria apenas pelas más condições que se encontra a Universidade do Estado de Mato Grosso. Na verdade, eles também quiseram chamar a atenção das autoridades políticas estaduais e da região para outros descasos que vêm se arrastando há anos e sem soluções em Tangará da Serra.

Segurança de Blairo agride jornalista em Tangará

O jornalista do SBT de Tangará da Serra, Renan Coelho, informou ao Blog que no momento em que pretendia entrevistar o governador Blairo Maggi, nesta manhã de sexta-feira, foi agredido por um capitão PM, segurança da comitiva especial.

Quando fez essa comunicação estava com os olhos cheios de lágrimas e se queixando de muitas dores.

Renan, segundo disse, teria sofrido três fortes socos nas costelas desferidos pelo capitão.

Como não agüentou mais dar continuidade ao trabalho jornalístico que estava realizando, entregou o microfone para uma repórter substituta, saindo em busca de atendimento médico num hospital da cidade.

A denúncia do jornalista é grave e deverá ser apurada com todos os rigores da Lei. Pois, autoridade nenhuma pode sair por ai feito louca, esmurrando as pessoas e, principalmente, um cidadão em pleno exercício da profissão.

Blairo é vaiado por universitários em Tangará da Serra

Acadêmicos, professores e funcionários da Unemat, Campus de Tangará da Serra, não só vaiaram o governador Blairo Maggi nesta manhã de sexta-feira.

Em coro, pouco visto no município, o governador foi chamado pela comunidade universitária presente ao manifesto de COVARDE.

Os acadêmicos demonstraram tanta revolta com a atual situação da Unemat, que impuseram cartazes com palavras de ordens, faixas e muito grito de protesto. O uso do nariz vermelho tão foi visto.

Quando o governador estava saindo das dependências da Escola 29 de Novembro, mais uma vez foi atacado. Acadêmicos partiram para cima do veículo que o conduziria chegando-o abalançar.

Certamente, o intento dos acadêmicos não foi concretizado porque os muitos seguranças não deixaram, além de terem usado gás de pimenta.

Uma universitária foi atingida.

Constrangimentos marcam a visita de Blairo a Tangará da Serra

A visita do governador Blairo Maggi a Tangará da Serra, nesta manhã de sexta-feira, foi tomada de contratempos, contradições e constrangimentos.

Constrangimento para Blairo, e muito mais, creio, para o anfitrião, prefeito Júlio César Ladeia e demais autoridades locais.

Por mais que tenham havido esforços da municipalidade e da segurança do governador, objetivando alcançar um evento perfeito, parece que deu tudo errado.

Blairo foi “recepcionado” por acadêmicos da Unemat local, de maneira que certamente não esperava. A vaia foi a tônica menor dispensada ao mandatário maior de Mato Grosso, por ocasião da inauguração da escola estadual 29 de Novembro.

Leia a carta que a comunidade acadêmica da Unemat entrega hoje ao governador

Sr Governador,

Comunidade Tangaraense,

A comunidade acadêmica da UNEMAT do Campus de Tangará da Serra está na rua.
Estamos intranqüilos e alerta. Os problemas são vários:

Orçamento da Unemat é insuficiente para custeio e manutenção da Instituição, e preocupa-nos, ainda mais, os rumores de que possa haver contingenciamento do nosso minguado orçamento;

O Estado avança sobre a Unemat, cada vez mais e mais, comprometendo de morte a autonomia que é vital ao funcionamento da Universidade;

Revisão do PCCS – Plano de Cargos, Carreiras e Salários de professores e servidores.

Além disso temos:

Atraso na liberação e pagamento de bolsas para acadêmicos;
Atraso de pagamentos de salários de professores interinos e aulas excedentes;
Quadro incompleto de funcionários administrativos reduzido em aproximadamente 50%;
Ausência de políticas que garantam a permanência do acadêmico na Universidade como Moradia estudantil, Restaurante Popular e subsídio ao transporte coletivo;
Ausência de Políticas de Estado que garantam a Pesquisa e Extensão.

Existe um clima de revolta latente na comunidade acadêmica.

Senhor Governador,
Abra as portas de seu governo para a UNEMAT!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Comunidade Acadêmica do Campus Universitário de Tangará da Serra – UNEMAT.