18 de julho de 2007

Wagner Ramos apresenta moção à familia Pereira


Mariana

O deputado Wagner Ramos apresentou uma moção de pesar a família do médico de Tangará da Serra Maurício Pereira pela morte de sua filha, Mariana Pereira (22 anos) que estava no vôo da TAM que se chocou contra um prédio, em São Paulo, nesta terça-feira (17).

Mariana, que recentemente havia passado no vestibular de Medicina em Porto Alegre, voltava para comemorar com a família, conforme este blog já informou.

Estudante de Tangará perdeu a vida no acidente da TAM

A estudante recém aprovada em medicina em Porto Alegre, Mariana Pereira, filha de médico em Tangará da Serra, foi uma das vítimas do acidente com o avião da TAM, ontem à noite em São Paulo.

A jovem vinha para Mato Grosso comemorar com a família sua aprovação do vestibular

Outras duas pessoas de Mato Grosso também perderam a vida no acidente.

Bruno

O rondonopolitano Bruno Lima Nascimento, de 21 anos, estudante de Direito do Centro de Ensino Superior de Rondonópolis e o empresário José Americo do Amaral, 64 anos, presidente do grupo Carroll's Foods do Brasil (suinocultura), em Diamantino.

Bruno estava de férias no Rio Grande do Sul e retornava para Rondonópolis, com conexão em São Paulo.

José Américo havia viajado à Santo ângelo-RS para visitar a mãe dele que está doente.

A esposa e o filho dele estavam o aguardando no aeroporto em São Paulo.



Américo




Tragédia da TAM com saldo de 180 mortes

As agências nacionais de notícias informam a todo instante o desenrolar do tragíco acidente da TAM ocorrido ontem à noite no aeroporto de Congonhas em SP.

As últimas informações são de que 180 pessoas pereceram.

A aeronave, um Airbus A320, vôo JJ 3054, partiu de Porto Alegre, às 17h16. Chegou a São Paulo às 18h45. O acidente é o maior da aviação no país.

Maggi recorre ao STF para suspender seguro militar

A TV Centro América divulgou hoje que o Governo de Mato Grosso entrou com uma ação direta de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender um seguro pago ao servidor militar.

Se refere a uma lei de 1986 que obriga o Governo a contratar um seguro para o servidor militar que morrer ou sofrer algum tipo de incapacidade em serviço.

Na ação, o Governo alegou que não cabe ao Chefe do Executivo propor leis pertinentes ao militares.

O seguro de danos pessoais equivale a 200 salários mínimos.

Presidente da CCJ é suspeito de crime eleitoral

O Portal Terra informou nesta manhã que um relatório da Polícia Federal (PF) indicaria que alguns dos recibos de doação para campanha do deputado federal Leonardo Picciani (PMDB-RJ) teriam sido omitidos de sua prestação de contas à Justiça Eleitoral.

O pior de tudo é que o dito cidadão é quem está presidindo a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Pode uma coisa dessas?

Em nota oficial, a assessoria do parlamentar nega ter conhecimento dos fatos mencionados.

Ex-prefeito de Pedra Preta está com bens indisponíveis

O ex-prefeito Nelson Dias de Morais do município de Pedra Preta, está com seus bens indisponíveis a partir desta semana.

Ele é acusado pela juíza Joseane Carla Viana Quinto, da Vara Única da Comarca de sua cidade, de participação num esquema de licitação fraudulento que resultou em prejuízos aos cofres públicos municipais de, no mínimo, R$ 79.805,00.

Também tiveram os bens indisponíveis o ex-secretário municipal de Saúde Luiz Carlos de Aranha Prietch; os servidores da prefeitura membros da comissão de licitação José Luiz Bárbara Neto e José Rodrigues da Cruz; os empresários Elemar dos Santos Bertinetti e Helil Faria de Queiroz, donos da Clínica Radiológica Dr. Bertinetti SC - que teve participação no esquema -; e o Hospital Dr. Noel Nutels, de propriedade do ex-prefeito.

As contas bancárias dos demandados ficarão bloqueadas pelo sistema Bacen-Jud até o montante de R$ 79.805,00.

Suplentes terão R$ 15 mil mensais para "torrar" como quiser


Deputado Wagner Ramos, do PR, é um dos cinco suplentes que ocupam cadeira na Assembléia Legislativa, substituindo o titular, João Malheiros

O Diário de Cuiabá destaca na edição desta quarta-feira, que A Mesa Diretora da Assembléia Legislativa (AL/MT) aprovou uma verba extra de R$ 15 mil mensal aos cinco suplentes que assumiram a vaga de deputado no primeiro semestre deste ano.

A justificativa, segundo o primeiro-secretário, deputado José Riva (PP), é que há a necessidade de se criar uma equipe independente da deixada pelo titular, já que os suplentes visam projetos e regiões diferentes.

Cada titular tem direito a R$ 30 mil para a remuneração de assessores e os licenciados mantêm a equipe, mesmo fora do exercício da função.

QUEM SÃO OS BENEFICIADOS
Wagner Ramos
Roberto França
Carlos Avalone
Alexandre Cesar
Júnior Chaveiro