13 de agosto de 2007

Prefeito Júlio reassume comando do município

Fonte palaciana liga para o Blog e informa que o prefeito Júlio César Ladeia reassumiu o comando do município às 17h30 desta segunda-feira. A informação atualiza a última nota, quando opinava que ele retornaria ao seu posto nesta terça-feira.

O prefeito Júlio permaneceu por 10 dias ausente do município. Em sua viagem de férias, visitou várias cidades importantes do País em busca de algo bom para implementar em Tangará da Serra.

O presidente em exercício da Câmara Municipal, vereador João Negão (PSB) voltou à direção da Casa de Leis e ao comando da sessão ordinária desta segunda-feira, depois de ter assumido o cargo de prefeito no licenciamento do chefe do Executivo.

Mais informações a qualquer momento.

Júlio César deve reassumir prefeitura nesta terça-feira

O prefeito de Tangará da Serra, Júlio César Ladeia, deve reassumir o comando do município nesta terça-feira, dia 14.

Licenciado desde o último dia 3, Ladeia andou por várias regiões do País em busca de novidades e melhorias para Tangará.

Enquanto esteve ausente, em seu posto ficou o vereador João Negão (PSB).

URGENTE! Lino Rossi preso nesta tarde em Brasília

Sanguessuga na cadeia

O ex-deputado federal Lino Rossi (PP) foi preso nesta segunda à tarde, no aeroporto de Brasília.

Ele estava se preparando para retornar a Cuiabá quando, às 15h15, foi interceptado por seis agentes da Polícia Federal, que deram voz de prisão ao ex-parlamentar.

Rossi é um dos acusados de envolvimento na máfia das sanguessugas e, inclusive, de operar o esquema entre parlamentares e a empresa Planam, dos empresários Luiz e Darci Dedon, nos superfaturamento de compra de ambulâncias para prefeitos com emendas junto ao Orçamento Geral da União.

Assim que recebeu voz de prisão, Rossi foi acompanhado pelos agentes até o porta de entrada do aeroporto.

Em seguida, o ex-parlamentar foi algemado, colocado numa viatura e conduzido à superintendência da Polícia Federal. Leia mais


Comente o assunto!

Tanfest sem nenhum ganhador de Tangará da Serra


É provável que mais de 20 mil pessoas tenham passado pela praça dos Pioneiros, em Tangará da Serra, durante o final de semana (10 e 12), para prestigiar o XI Festival da Canção Inédita (Tanfest).

Artistas de diversas regiões país apresentaram seus trabalhos durante três dias de muita música.

O evento, realizado pela Prefeitura Municipal, com o apoio da Secretaria de Estado de Cultura, teve o objetivo de resgatar a prática dos festivais de música, incentivar o turismo cultural e descobrir novos talentos.

O único lamento é porque nenhum dos muitos artistas de Tangárá da Serra conseguiu sequer subir ao podium.

QUEM VENCEU
Douglas e Ana Paula, de Marechal Cândido Rondon (PR), ganhadores na categoria MPB.

Paulo Monarco, de Cuiabá, ficou em 2º lugar.

Ronai Nava, de Cuiabá, conquistou a 3ª colocação.

Já o 4º colocado foi o cantor Sabat, de Sapezal.

Na categoria Sertaneja, Luth Peixoto, de Cuiabá, foi o grande vencedor.

Em 2º lugar ficou a dupla Douglas e Ana Paula, do Paraná.

A dupla de Várzea Grande, Diniz e Delliom, conquistou a 3º posição.

O 4º lugar ficou para o Estado de Goiás, Pedrinho Pedreira, de Missianópolis, levou o prêmio para casa.

PREMIAÇÃO
A premiação entregue aos vencedores foi um troféu e parte em dinheiro, 1º lugar R$ 2.5 mil, 2º lugar R$ 1.5 mil, 3º lugar R$ 1 mil, 4º lugar 400 e, do 5º ao 10º lugar, R$ 100.

Comente este assunto!

Cresce número de mulheres surradas por maridos em Tangará


A Comarca de Tangará da Serra lança nesta terça-feira (14), às 15h, a campanha de divulgação da Lei Maria da Penha, no Auditório do Centro Cultural.

Essa ação faz parte da segunda etapa da campanha que foi lançada em Cuiabá, no último dia 7 de agosto, pela Associação Nacional de Magistradas (ANM).

Desde que foi implantada a Lei Maria da Penha, em agosto do ano passado, o município já contabilizou um aumento no registro de casos de violência contra a mulher.

Em 2006 segundo os dados da Comarca foram 74 procedimentos, entre eles estão 58 inquéritos e 16 autos de prisão em flagrante.

Já em 2007, até o momento, foram registrados 81 procedimentos, sendo 44 inquéritos e 37 autos de prisão em flagrante.

De acordo com a juíza e diretora em exercício do Fórum de Tangará da Serra, Tatiane Colombo, no município a campanha será voltada para o envolvimento de toda a comunidade.

A campanha no município tem como um dos parceiros o Ministério Público.


Alguém se arriscar a comentar o assunto?

Orlandinho: sua vingança será maligna

Extremamente chateado por ter perdido o mandato de vereador em seu município, Barra do Brugres, o parlamentar cassado, Orlando Cardoso Chaves, o Orlandinho (sem partido), promete se vingar dos "amigos" de Casa.

Ele vai botar a boca no trombone.

Começou a vingança distribuindo gravações na qual ele se auto-condena, mas também compromete outros vereadores.

Nas conversas gravadas, Orlandinho, então presidente da Câmara Municipal, cita nomes, admite esquemas de propina e de utilização de notas frias, usa palavrões e, juntos com outros vereadores, dão até risadas, como espécie de deboche.

O Ministério Público agora deve fechar o cerco tanto em relação ao vereador cassado quanto sobre os demais denunciados nas gravações.

O circo vai pegar fogo. Alguém duvida?

Aceita-se pitaco!

Cristo dá boas-vindas a quem visita Tangará da Serra

Estátua está localizada no contorno, entrada da cidade, sentido Cuiabá-Tangará. E poderia ser vista como uma das sete maravilhas do município.

Tangará da Serra tem posto da Sefaz

A Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) já viabilizou a implantação de Unidades de Serviços Municipais (USM’s) e Postos de Controle Municipal (PCMs) em 15 cidades mato-grossenses.

Os municípios beneficiados são: Conquista D’Oeste, Querência, Planalto da Serra, Barra do Bugres, Santa Carmem, Santa Helena, Poconé, Tangará da Serra, Jauru, Alta Floresta, Denise, Itaúba, Nortelândia, Terra Nova do Norte e Juscimeira.

A Assessoria da Sefaz informa ao Blog que ainda em 2007, outras 32 unidades deverão ser instaladas.

Muito bom.

Seu comentário sobre o assunto será bem aceito.

Esquerda prepara movimento no Mato Grosso

Um dos três maiores grupos de sustentação do Governo Lula, o Bloco de Esquerda, composto por mais de 80 deputados federais, lança no próximo dia 16 em Cuiabá a mesma aliança que, em nível nacional, é responsável pela decisão das votações de interesse do Executivo.

O senador Renato Casagrande (PSB-ES) e os deputados federais Manoel Júnior (PSB-PB) e Sílvio Costa (PMN-PE) já confirmaram presença no evento.

O lançamento do Bloco da Verdade é uma iniciativa importante para reforçar os partidos que o compõem, dizem.

Para os representantes da "frente" isso trará uma rica discussão para o processo político e permitirá que as idéias democráticas e sociais se disseminem cada vez mais.

O deputado federal Valtenir Pereira é quem está feliz da vida com essa iniciativa.

Aceita-se pitaco.

O Valor do Pantanal


Texto do servidor público Vladimir Bouret

O crescimento populacional, leva a um conflito inevitável entre o uso da terra e o espaço que o homem ocupa. Com isso a produção orgânica ganha força, contrapartindo com as técnicas atuais, do uso de produtos químico e do desmatamento.

Como a pecuária orgânica se preocupa na preservação do meio ambiente, do animal e do bem estar humano, a procura por melhorar a tecnologia de criação de gado orgânico cresce no Brasil. Estas tecnologias acabam vindo de encontro com as técnicas de manejo sustentável, muito comum na região do Pantanal.

Esse manejo sustentável em áreas de rica biodiversidade coloca o Pantanal imediatamente na rota de valorização, seja de suas terras como de seu rebanho.

Pois o manejo tradicional da pecuária extensiva tem contribuído para a conservação dessa região, podendo esta, ser melhorada através da implantação e adaptação de algumas tecnologias únicas para a região.

O Embrapa Pantanal tem dados animadores para os que vivem na região da planície alagada. Porém os consumidores deste nicho de produtos desconhecem esse ponto, obrigando os pecuaristas a terem que investir em meios de divulgar a carne pantaneira.

Esse detalhe acaba indo de encontro com a diminuição das pastagens nas regiões mais altas, devido ao aumento na produção de soja, milho, algodão, entre outros. Com isso, os produtores acabam levando o rebanho para as pastagens naturais do Pantanal.

Outro grande motivo que anima os investimentos na região do Pantanal, é o crescimento de investimento em torno da região, como a construção de usinas de biodisel, plantações de cana-de-açúcar, milho, girassol, mamona, etc...

Esses investimentos na região acabam valorizando as terras pantaneiras, tornando-as mais confiáveis e viáveis, pois o gado é visto como essencial para a conservação do Pantanal e os rebanhos têm de ser levado das pastagens altas, onde certamente será usado para plantio dos produtos que servirão como base do biodisel.

Assim ganham todos, os produtores de biodisel, o meio ambiente, o pecuarista, as cidades vizinhas, as fazendas que tem pastagens naturais de sobra, fora a geração de emprego em macro e micro ambiente.

Porém, esse investimento e valorização têm um preço, que é o conflito ambiental que todo crescimento gera. Para isso, a fiscalização nas ações deve ser severas, consecutivas e seguir as normas de acordo com os estudos que definiram o perfil da região do Pantanal.

Pois como já se sabe, a degradação feita no planalto é que causa todo o desequilíbrio na bacia pantaneira, levando desde o assoreamento de rios a contaminação por agrotóxico e mercúrio.

Essa visão otimista anima até mesmo aqueles que viam o Pantanal como um alagado sem valor, que servia apenas para construção de pesqueiros, hotéis e pousadas. Agora ficou claro que o Pantanal faz parte não só do ciclo ambiental, mas também do econômico, político e social do Brasil.

Toda a medida para melhora das condições de vida faz-se necessárias para a região. Porém, caso as ações de cuidados para com a região sejam desconsideradas, acarretará um alto risco para o meio e para os que nele vivem.

Esse dilema que vive o Pantanal não pode servir para dificultar investimentos, mas sim torna-los acessíveis, sempre mostrando a preocupação com os cuidados ambientais.

O Pantanal tem muito valor, o que sempre lhe faltou foi ajuda financeira, investimento em pesquisas, estradas, melhores matrizes e reprodutores, entre outras ações. Pois boa vontade o pantaneiro tem de sobra, falta é olhar para a região como uma fonte de renda viável e sustentável.

Alguém se arrisca a comentar este artigo?

Produtores de Tangará da Serra investem na produção de abacaxi e maracujá

O município de Tangará da Serra, poderá ser considerado um dos pólos importantes na produção de frutíferas no Estado de Mato Grosso.

A cultura do abacaxi já ocupa uma área de 800 hectares com o plantio de 32 milhões de pés da variedade pérola, e uma produção que atingiu 55 toneladas de frutos por hectare, na primeira safra.



Agora os produtores estão se preparando para o cultivo inicialmente de 100 hectares da cultura do Maracujá.

O pesquisador da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Hélio Kist, fala que o ponto positivo para o incentivo da produção de maracujá é a existência de uma indústria de polpa concentrada na região com a capacidade para produzir 100 toneladas de polpa por dia.

Segundo Kist esse trabalho de implantação da fruticultura é uma parceria com a Prefeitura de Tangará da Serra, que possui um viveiro e está produzindo mudas para repassar aos produtores rurais. A indústria repassou a semente para multiplicação e a Empaer está prestando assistência técnica.

A partir do mês de setembro, começa o plantio da cultura do maracujá.

O pesquisador ressalta que vão utilizar um material genético novo, com aptidão para consumo in natura e excelente para indústria devido à produção de polpa.

A variedade escolhida foi a IAC-275 e a previsão média é produzir 25 toneladas por hectare de fruto.

O técnico calcula que serão plantados mais de 100 hectares próximos à cidade de Tangará e na região cerca de 400 hectares de maracujá.


Comente essa notícia!

156 prefeitos cassados de 2004 para cá

Está no site do Tribunal Superior Eleitoral, que até hoje, 152 prefeitos dos 5.562 eleitos em 2004, foram cassados pelos juízes eleitorais e pelos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs).

O TSE confirmou 16 cassações e, ainda, decretou a cassação de outros três prefeitos – de Fonte Boa (AM), Goiana (PE) e Ajuricaba (RS) – que haviam sido absolvidos pelos TREs.

Além desses processos, ainda existem 290 recursos relativos às eleições de 2004 pendentes de julgamento no TSE.

Os prefeitos cassados foram acusados da prática de compra de votos (artigo 41-A da Lei 9.504/97) e de abuso do poder político, econômico ou uso indevido dos meios de comunicação, condutas vedadas descritas no artigo 73 da Lei 9.504/97, diz o site.

Alguém se arriscar a comentar o assunto?

Sete prefeitos são cassados no Mato Grosso

Mato Grosso está entre os estados brasileiros com o maior número de prefeitos cassados de 2004 para cá.

De acordo com o TRE pelo menos sete chefes de executivos mato-grossenses foram abrigados por força da Lei, a deixar o comando de seus municípios.

Dos 141 eleitos no último pleito, quase 5% foram cassados dos municípios de Araputanga, Dom Aquino, Poxoréo, Primavera do Leste, Santa Carmen, São José dos Quatro Marcos e Vale do São Domingos.

Do total de cassados, em apenas dois municípios de Mato Grosso, foram feitas eleições após 2004.

São eles: Araputanga e Vale do São Domingos.

Mais um partido fundado em Tangará da Serra

Eleita e já registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) mais uma Comissão Provisória Municipal em Tangará da Serra.

O partido nasce com a melhor das intenções em colaborar com o processo democrático e o desenvolvimento municipal.

Sobre a nova sigla que deverá se juntar às demais visando o pleito eleitoral de 2008, a imprensa local dará todo enfoque a parte desta segunda-feira.

Aguardemos, pois!

Sorria com a charge-okê desta segunda-feira

Clique na imagem

Abortado arrancadão que aconteceria em Tangará da Serra

O arrancadão, evento esportivo, que ocorreria neste domingo no aeródromo de Tangará da Serra, foi abortado, graças a boa interferência do Ministério Público Estadual.

Organizadores da prova ainda chegaram a peitar o MP, dizendo que realizariam o vento de qualquer maneira. Mas não foi isso que aconteceu.

O temor de muitos cidadãos tangaraenses era com a situação da pista de pouso do aeródromo depois de realizada a prova esportiva.

Temiam um estrago grande, condições que poderiam atrapalhar a definitiva homologação da pista para pusos e decolagens, o que deve acontecer ainda neste mês.

Aceita-se pitaco.