15 de agosto de 2007

46% não votariam em ex-prefeitos de Tangará


O blog perguntou e o internauta respondeu. "Em qual desses ex-prefeitos de Tangará você votaria caso fossem candidatos ao Executivo Municipal em 2008"

A enquete recebeu no decorrer de 6 dias, 43 votos. Sendo que duas pessoas das que votaram, optaram por votar em duas situações, isso fez com que a soma dos votos sufragados passssem para 45.

A ex-prefeita e ex-deputada federal Thais Barbosa recebeu: 01 voto

O vice-prefeito, Ari Torres, que assumiu por um período a prefeitura recebeu: zero voto

Antônio Porfírio recebeu: 07 votos

Ex-prefeito e ex-deputado estadual, Manoel do Presidente recebeu: zero voto

Ex-prefeito e atual suplente de Deputado federal Saturnino Masson recebeu: 03 votos

Ex-prefeito duas vezes e ex-deputado estadual Jaime Muraro recebeu: 10 Votos

O vice-prefeito, Fábio Junqueira, que assumiu o município por período curto recebeu: 02 votos

A vice-prefeita Ana Monteiro que assumiu o município por bom período recebeu: 02 votos

E a opção "em nenhum deles" foi a vencedora: 20 votos

A maioria dos leitores que respondeu a enquete indica que não votaria em nenhum dos ex-prefeitos de Tangará da Serra, caso fossem candidatos à chefia do Executivo municipal no próximo pleito eleitoral.

Em segundo lugar, o nome mais votado, caso fosse candidato seria do ex-prefeito Jaime Muraro. O terceiro lugar, ficou para o ex-prefeito Antônio Porfírio. Saturnino Masson ficou na quarta posição. Ana Monteiro e Fábio Junqueira, empatados, ficaram em quinta colocação. Thais Barbosa em sexto. Ari Torres e Manoel do Presidente não receberam nenhum voto dos internautas.

Aceita-se pitaco.

E nós contamos os corpos...

Texto lido há alguns dias pelo vocalista dos Detonautas na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro

E nós contamos os corpos...

'Os Deputados, Senadores, Prefeitos, Governadores, Ministros e Presidentes desfrutam de muitos privilégios PAGOS com o dinheiro do povo.

E nós contamos os corpos...

Seus filhos estudam em colégios particulares e muitos de seus parentes, quando precisam, são atendidos em excelentes hospitais, que não pertencem à rede pública. ANDAM EM CARROS BLINDADOS e moram em locais da cidade protegidos por seguranças particulares.
E nós contamos os corpos...

55% dos deputados estaduais residentes nesta Assembléia Legislativa estão respondendo a processos cíveis, criminais ou eleitorais, enquanto você sequer pode prestar concurso público se estiver envolvido em algum processo judicial.

E nós contamos os corpos...

Os políticos brasileiros processados por fraudes, corrupção, desvio de verbas ou qualquer crime cometido ao longo de seu mandato TÊM DIREITO A JULGAMENTO EM FORO PRIVILEGIADO. Até o momento, nenhum político envolvido nos crimes e nos escândalos de corrupção que acompanhamos pelos jornais e TVs foi parar atrás das grades. Isso se chama IMPUNIDADE.

E nós contamos os corpos...

Verbas que deveriam ser destinadas à Rede Pública de Ensino, aos Hospitais, à Segurança de nossas Comunidades são desviadas por muitos destes cidadãos que deveriam nos defender e nos representar.

E nós contamos os corpos...

O Supremo Tribunal Federal retomou dia primeiro de março o julgamento de recurso destinado a garantir o foro privilegiado a 'agentes políticos' processados por improbidade administrativa, mesmo que já tenham deixado o cargo. Dos 11 ministros do STF, seis já votaram a favor dos políticos, e um, contra. Restam votar 4 ministros. A medida, se aprovada, impedirá que ministros de Estado e o Presidente da República sejam fiscalizados por procuradores na primeira instância da Justiça, como ocorre hoje. Além de paralisar os processos em andamento, a decisão do STF permitirá que administradores já condenados possam pedir a RESTITUIÇÃO de valores que foram obrigados a devolver aos cofres públicos. Cerca de 10 mil inquéritos e ações judiciais contra autoridades acusadas de corrupção podem ser arquivadas. Os defensores do foro privilegiado querem que presidentes, ministros, governadores e prefeitos envolvidos em corrupção não sejam mais atingidos pela lei. O Código Penal Brasileiro é de 1940.

E nós contamos os corpos...

Um soldado da policia militar ganha 800 reais por mês.

Um professor ganha em média 400 reais por mês.

Um médico do SUS ganha, em média, 1.500 reais.

O Estado gasta, em média, com nossas crianças, 300 reais por mês. Um preso custa aos cofres públicos, em média, 800 reais por mês e todos nós sabemos que o Estado não oferece nas penitenciárias NENHUMA CONDIÇÃO DE REABILITAÇÃO dos apenados, cabendo à sociedade arcar com todos estes custos e mais os salários dos nossos políticos, que passam de QUINZE MIL REAIS mensais.

E nós contamos os corpos...

O Rio de Janeiro está em guerra, enquanto nossos representantes não fazem nada.
E nós contamos os corpos...

Fim da impunidade. Fim da imunidade parlamentar. Fim do voto secreto no Congresso Nacional.
Queremos segurança, educação e saúde de qualidade, pois pagamos por isso.

SEM JUSTIÇA, NÃO HÁ PAZ.

Deputados, assumam suas responsabilidades, pois elas são do mesmo tamanho de seus privilégios.

Enquanto nós contamos os corpos...

DEPOIS DISSO TUDO AÍ DE CIMA, VOCÊ AINDA VAI QUERER DIZER QUE NÃO QUER SABER DE POLÍTICA OU ENTÃO QUE TUDO ESTÁ BEM PORQUE SEMPRE FOI ASSIM ?????

Alguém se arrisca a fazer um comentário?

Quem são os Carlitos de nosso tempo?


Tem tanta gente sem graça tentando ser engraçada que nos move à vontade de rir. Como não temos como fazer coscas na parte interna da barriga, a solução é olhar para a foto do verdadeiro Carlito e se lembrar de como ele transformou as cenas da vida real em verdadeiras comédias para a gente morrer de rir. Viva o verdadeiro Carlito. Àbaixo os engraçados que pensam que são, mas não são.

Na boa-vida, Henry ganha destaque na revista Veja

Sob o questionamento "Por que eles não ficam presos", a reportagem de capa da Veja desta semana discorre sobre a impunidade acerca do escândalo do mensalão do governo Lula, que "explodiu" há dois anos.

A revista lembra, entre os envolvidos no escândalo, "o empresário carequinha que com uma mão recebia rios de dinheiro do governo e com a outra distribuía bolos de notas a aliados desse mesmo governo; deputados saindo de bancos com malas recheadas de reais ou entrando furtivamente em quartos de hotel para repartir o butim; marqueteiro confessando em rede nacional que recebeu pagamento do PT proveniente de caixa dois e o depositou em conta no exterior...".

As denúncias contra essa "organização criminosa", chefiada pelo ex-ministro José Dirceu, conforme denúncia do Ministério Público Federal, não foram apreciadas pelo Supremo Tribunal Federal. Veja levantou que a vida dos mensaleiros mudou para melhor. Traz um histórico de cada um e inclui entre eles o deputado mato-grossense Pedro Henry (PP).

Segundo a revista, o ex-líder da bancada do PP na Câmara "é um pródigio de sobrevivência política". A reportagem observa que "entre 2003 e 2004, o Pedro Henry, com a ajuda de outros três parlamentares pepistas, angariou para o partido R$ 4 milhões, tudo pelo caixa 2, e das arcas de Marcos Valério.

Mesmo assim, foi absolvido pelo plenário da Câmara e conseguiu se reeleger. No campo empresarial, Henry tem duas emissoras de televisão registradas em nome de parentes e é dono de um avião bimotor.

Nada mau para quem iniciou a carreira política, na década de 80, tendo como bem um carro usado", diz trecho de Veja, em referência a Pedro Henry (foto).

Cabe comentário.