28 de novembro de 2007

Mortes na Universidade Federal de Mato Grosso

O crime impera no Mato Grosso.

Sendo vítimas nesta quarta-feira (28), a pró-reitora do campus da Universidade Federal de Mato Grosso em Rondonopólis, professora Sorahia Miranda Lima, 41, o prefeito do campus, Luís Mauro Pires Russo, 44, e o professor do curso de Zootecnia, Alessandro Luís Fraga, 33.

As mortes desses colegas promovem em nossa alma grande desengano e decepção com a segurança pública oferecida neste Estado.

Ninguém mais pode se sentir no direito de dizer que está livre de uma tragédia pessoal, familiar ou mesmo comunitária.

Verdadeiramente, estamos todos jogados às traças, ou melhor, às perversas mãos dos criminosos que impiedosamente matam, roubam e cometem outros tipos de barbaridade, nos deixando um espírito de assombração, medo e pavor.

Onde está está a segurança pública? Onde está o respeito pelos cidadãos e cidadãs deste País?

Sem temer nenhuma punição por branda que seja, a bandidagem continua derramando nosso sangue. Sangue de gente trabalhadora. E até de professores e professoras.

Sinceramente, a cada dia passa perco a confiança que ao longo de minha vida depositei nas instituições.

Rondonopólis chora. A sociedade chora. Lamentamos muito a morte dos nossos colegas professores. Que os culpados sejam pelo menos identificados. Assim esperamos.

Foto do dia

Um homem de aproximadamente 70 anos de idade, recolhia ao meio dia desta quarta-feira (28), caixas e pedaços de papelão na região central de Tangará da Serra. É lamentável ver um cidadão que deve ter trabalhando duro para criar a famíliar, nos anos que deveria estar gozando um merecido descanço, ainda esteja sendo obrigado a tal serviço para não sofrer maiores necessidades. Até quando nossos idosos serão obrigados a suportar tão grande humilhação neste País?

Desconhecida fazia malabarismo em avenida de Tangará


Quem é essa mulher? De onde veio e para onde vai? Ao meio dia desta quarta-feira (28), ela se requebrava na Avenida Brasil, região central de Tangará da Serra. Aparentava estar embriagada. Mas, pode ter também alguma deficiência mental.

E o direito do pedestre?

Uma das calçadas da praça do Palácio Tangará. Quiosque, cadeiras, mesas e bicicletas tomam 80% do espaço destinado aos pedestres. Até quando?

Contra a transposição, lunático religioso decreta greve de fome na BA


Estou mais uma vez indignado com a atitude bestial, mesquinha e cruel do bispo católico de Barra (BA), Luiz Flávio Cappio, 61 anos. Iniciar greve de fome com a intenção de sensibilizar a sociedade e as autoridades pela não continuidade das obras de transposição das águas do Rio São Francisco para 12 milhões de sedentos, só pode ser coisa de um emissário das trevas.

Este cidadão idiota vem promovendo esse tipo de aberração no Nordeste, porque não é um nordestino como eu, nascido no interior do Rio Grande do Norte, bem no chamado póligno da seca.

Região castigada pela falta de chuvas e consequentemente pobre em aspectos sócio-econômico, onde nasci e cresci juntamente com minha família, em algumas oportunidades chegamos a pensar na morte, tão grande era a seca que nos abatia.

A água do Rio São Francisco para o Rio Grande do Norte, Ceará, Paraíba e Sergipe é esperada como o Cristo Salvador foi aguardado por séculos pelo povo Judeu. Estamos a mais de 100 anos pedindo a Deus e as autoridades que tornem essa transposição uma realidade e sem mais nem menos, surge esse anjo do inferno querendo atrapalhar.

Não sou petista e nem admirador da política do governo atual. Mas, como cidadão nordestino, sabendo do que sofri na pele e na alma por conta da falta de água em nossa casa até mesmo para beber, não posso deixar de manifestar meu voto de contentamento com o governo brasileiro pela atitude firme que tem mantido com o projeto de transposição.

Assim, o povo nordestino deveria pensar. Ao invés de se sensibilizar com esse gesto tosco e infrutífero desse lunático religioso, deve unir as mãos com o governo e contribuir para a obra ser concluída.

Caso o bispo queira morrer de fome, será uma decisão pessoal. Ninguém está incentivando sua atitude suicida. Quer cometer suicídio, que cometa, embora não seja esse meu incentivo e muito menos da sociedade nordestina e brasileira num todo.

Bento XVI bem poderia recolher esse cidadão que vem perturbando a ordem do desenvolvimento social em terras brasileiras. O papa e os cardeais católicos não devem jamais concordar com essa atitude particular do religioso de Sobradinho (BA).

Quanto ao querer morrer de fome, respondeu o presidente Lula ontem à noite em entrevista exclusiva a tevê Record: “Se for para escolher entre ficar do lado do bispo e de 12 milhões de sofridos nordestinos, não tenham dúvidas que ficarei do lado da maioria”. Bravo presidente!