14 de março de 2008

Revivendo a História da Educação em Tangará da Serra

Por Professora Loide Coelho

Sabe-se que a História é uma das disciplinas que está diretamente relacionada com a vida do homem. Pois, é através dela que se conhecem os fatos históricos das sociedades que antecederam a nossa e aprendemos então como era no passado em relação ao presente.

Às vezes nem percebemos que estamos construindo uma história de vida. Portanto, tudo que fazemos devemos fazer conforme Jesus fez: Fazer para valer. Seu sacrifício na cruz, valeu nossa salvação. Faze r bem feito.

Quero aqui reforçar a importância e o cuidado que professores, pais e outros líderes devem ter em relação á criança que faz parte de sua convivência diária; seja como filho, aluno, pediatra, babá ou amigo de uma delas.

É a boa convivência, os bons exemplos e as oportunidades que a mesma tem que ajudarão a construir sua personalidade e seu caráter par a vida futura.

Se hoje somos reconhecidas na sociedade por bons exemplos, é simplesmente porque nossos pais, mestres e amigos nos ajudaram com seus bons costumes a sermos boas cidadãs.

Sou grata a Deus pelas oportunidades que nos concedeu de poder fazer parte da História d a Educação na cidade de Tangará da Serra e ou Mato Grosso, porque olhando o passado, nota – se o quanto é bom viver uma vida de submissão a Deus e assim procurar valorizar as pessoas que convivem conosco diariamente.

Às vezes nos privamos de um passeio, de tempo para visitar um ente querido, um lazer e outros empreendimentos que poderíamos fazer, para poder nos dedicar mais a leitura e ao conhecimento, para poder pelo menos, um pouco, FAZER VALER.

Desejando fazer valer, agradecemos ao Professor Carlos Edinei doutorando em Educação e Professor da Faculdade de Educação - ITEC, demais docentes e alunos desta faculdade que mais uma vez reconstruíram a História da Educação desta cidade de Tangará da Serra, homenageando professoras a partir da década 66 a 76 que atuaram na Educação, em comemoração ao dia Internacional das mulheres . A vocês e a ITEC , o nosso muiiiiiitttooo obrigada e que Deus continue iluminando suas mentes para que criem muitos projetos para a História da Educação.

Podemos dizer que somos filhas desta cidade porque muitas de nós crescemos brincando nas enxurradas que desciam por sua Avenida Brasil, ao sair da pequenina Escola de duas salas de aula e uma área no meio , construídas de madeira . E assim mesmo éramos felizes.

Professora Loide Coelho Lopes Marques
Especializada em Letras Português/ Inglês pela UFMT

Efeitos colaterais do péssimo ensino superior brasileiro

"A despreocupação governamental com o importante aspecto da qualidade de ensino permite o surgimento de efeitos colaterais danosos, como a venda de ‘diplomas’ pela Internet, felizmente surpreendidos e coibidos pela Polícia Federal”.

A afirmação foi feita pelo presidente em exercício do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Vladimir Rossi Lourenço, ao se referir à operação deflagrada hoje (14) pela Polícia Federal com vistas a desmantelar um esquema de venda de diplomas universitários falsos pela Internet.

As investigações que levaram à chamada “Operação Cola” apontam que, entre os diplomas vendidos, estão de direito, medicina, fisioterapia, enfermagem e engenharia.

Cada documento custava, em média, R$ 1.800,00.

Na avaliação de Vladimir Lourenço, a qualidade do ensino deve ser prioridade do governo, isso porque o ensino superior no Brasil está perdendo a qualidade em face de inúmeros fatores, sendo o mais importante deles a mercantilização, que tomou conta desse segmento.

É preciso ter presente que quantidade não é e nunca significou sinônimo de qualidade. O ensino não pode ser simples objeto negocial. A qualidade do ensino é fundamental para a definição do perfil do país que somos e do país que queremos”.

Disse isso, lembrando as recorrentes críticas feitas pela OAB à falta de fiscalização de instituições de ensino de baixa qualidade pelo governo.

“Reitor” de falsa universidade vendia diplomas universitários a partir de Tangará

Está preso na superintendência da Polícia Federal, em Cuiabá, onde será interrogado, o estudante Tiago Francisco Vieira Pereira, 22 anos.

Ele foi detido pela PF na manhã desta sexta-feira 14, no Distrito de Progresso (distante 12 quilômetros) de Tangará da Serra, sob acusação de fabricar e vender diplomas falsos para pessoas de vários estados brasileiros.

Assinando como reitor da suposta universidade, Tiago dizia aos clientes que os documentos eram originais das faculdades, desviados de dentro das instituições por funcionários coniventes com o esquema.

A PF, no entanto, disse que todos os indícios são de que o rapaz falsificava os documentos em sua casa, uma bela mansão com piscina, churrasqueiras, área de lazer, banheiras de hidromassagens e outras regalias.

Na casa de Tiago foi encontrado também um revólver calibre 38 que não tinha registro. Ele pode ser indiciado por falsificação de documentos públicos e privados e estelionato.

Homem que vendia diplomas falsos é preso pela PF em Tangará da Serra

Ainda estamos sem saber o nome do homem que foi preso pela Polícia Federal nesta manhã em Tangará da Serra, acusado de “fabricar” e vender diplomas de curso superior.

A Operação Cola, está sendo desencadeada hoje pela Polícia Federal em Mato Grosso e outros 13 Estados para combater a venda de diplomas universitários falsos pela internet.

De acordo com a Polícia Federal, devem ser cumpridos 34 mandados de busca e apreensão em Mato Grosso, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Pernambuco, Maranhão, Acre, Pará e Bahia.

Em Minas Gerais, já foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão em Belo Horizonte, Itajubá, Mantena e Araponga.

Segundo a PF, os "clientes" do esquema solicitavam a confecção e o envio de diplomas falsos que eram produzidos em Tangará da Serra e distribuídos em todo o país, por meio do correio.

Entre os diplomas estão de medicina, fisioterapia, direito, enfermagem e engenharia. Os diplomas falsos seriam vendidos a um preço médio de R$ 1.800 cada um.

Operação cola: quem estaria produzindo diplomas falsos em Tangará da Serra?

A Polícia Federal faz na manhã de hoje a Operação Cola, que combate a venda de diplomas pela Internet em 14 Estados. Segundo a PF, são 34 mandados de busca e apreensão para São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Mato Grosso, Pernambuco, Maranhão, Acre, Pará e Bahia.

A Polícia Federal informou que as investigações tiveram início em Mato Grosso, onde foi descoberto um fórum de discussões na web no qual supostos clientes poderiam solicitar diplomas que eram produzidos em Tangará da Serra e receber o material via Sedex.

O valor pago por diplomas dos cursos de Medicina, Fisioterapia, Direito, Enfermagem e Engenharia, entre outros, seria de aproximadamente R4 1,8 mil.

Até as 8h30, um diploma falso havia sido apreendido em Minas Gerais. Ainda de acordo com a PF, há cinco mandados de busca e apreensão no Estado.

A operação tem a cooperação da Delegacia Fazendária da Polícia Federal de Mato Grosso e São Paulo e da Unidade de Repressão a Crimes Cibernéticos em Brasília.

NOTA DO BLOG: Já tinha ouvido dizer que em Tangará da Serra "algumas pessoas" fabricavam e comercializavam por bons preços, monografias à gosto dos clientes. Mas essa dos diplomas, juro, me pegou de surpresa.

A imagem que não sai de nossos olhos

Madeira acumulada em pátio de madeireira no norte de Mato Grosso
Triste e cruel realidade. É isso que continuam fazendo com a Floresta Amazônica em Mato Grosso e noutros estados da região Norte do Brasil. A Operação Arco de Fogo (que combate o desmate) está na área. Mas, ao invés das autoridades apoiarem a iniciativa do governo federal, estão criticando. Clique na imagem para vê-la ampliada.

Tangará tem novo secretário de Infraestrutura a partir de hoje

Engenheiro eletricista, Francisco Clemente (PTB) será empossado nesta manhã como secretário de Infraestrutura de Tangará da Serra.

Com experiência comprovada na área, o engenheiro é empossado pelo prefeito Júlio César Ladeia (PR) por indicação de seu partido.

A nomeação de Francisco na Infraestrutura marca também a junção de PR e PTB no Município.

Está é a terceira substituição na pasta que o prefeito Júlio César efetua desde início da atual gestão. O 1º foi Leonir Narde, seguido por Paulo Porfírio e agora Francisco Clemente.