15 de abril de 2008

TRE cassa mais 2 vereadores por infidelidade

O jornalista Romilson Dourado informa em seu prestigiado blog que os vereadores Oswaldo de Arruda Garcia, por Chapada dos Guimarães, e Jonas Rodrigues da Silva, que atua em Aripuanã, tiveram os mandatos cassados em sessão ordinária do TRE nesta terça à noite.

São acusados de infidelidade partidária porque mudaram de legenda após 27 de março do ano passado, data a partir da qual passou a valer a regra do TSE.

No caso de Jonas, que foi eleito pelo PTB e mudou para o PR do governador Blairo Maggi, houve empate em 3 a 3. Coube ao presidente do Tribunal, desembargador José Silvério, o voto de minerva.

Ele acompanhou o parecer ministerial e o voto divergente proferido pela juiza Adverci Rates Mendes de Abreu, que teve um entendimento diferente do relator do processo, o juiz Alexandre Elias.

Profissionais da Educação garantem que lucraram com a greve

Os profissionais da educação de Mato Grosso que estiveram em greve no perído de 14 de março a 11 deste mês informam que aconteceram alguns significantes avanços nas negociações com o governo do Estado.

São apontados:

1 - Salário de R$ 912,00 para professores com ensino médio a contar de maio
2 - Renegociação a cada quadrimestre (tendo como base arrecadação de impostos)
3 - Projeto de Lei que dá direito a diretores, coordenadores e assessores à aposentadoria especial
4 - Continuidade das negociações.

Apontam pontos fracos ainda para negociação:
1 - Piso de 1.050
2 - Aplicação do IRRF na Educação (25% obrigatório por Lei).

NOTA: pois é. Como estão anunciando, a greve não teria sido em vão. Mas eu continuo entendendo ter sido. Esses "benefícios" já eram previstos pelo governo do Estado. E agora?

Efeito greve leva ano letivo para 23 de dezembro

Ságuas Moraes
Por força da greve de 29 dias dos profissionais da educação, o ano letivo se prolongará agora até 23 de dezembro, véspera de Natal. A readequação do calendário partiu do secretário Ságuas Moraes.

Ele explica que as unidades escolares que paralisaram suas atividades em função da greve devem observar a necessidade de se garantir a oferta de, no mínimo, 200 dias letivos, em carga horária total de ao menos 800 horas.

Os educadores decretaram greve em 14 de março. Continuaram de braços cruzados até o último dia 11, quando, em assembléia-geral, aceitaram a proposta de reajuste para um piso médio de R$ 912 proposto pelo governo estadual e, assim, suspenderam a paralisação.

O secretário determina, na Portaria 67, que, na readequação do calendário, a escola não pode incluir como dias letivos domingos e feriados nacionais e/ou municipais. Também não deve estender a carga horária diária. A portaria permite, por outro lado, reposição de aulas aos sábados.

Por fim, o secretário de Estado de Educação incumbe as assessorias pedagógicas e, nos municipios que não as possui, à superintendência de Gestão Escolar, de homologar e de fiscalizar o cumprimento do calendário escolar, principalmente quanto às reposições das aulas.

Clique aqui e confira o conteúdo da Portaria 67
(Blog do Romilson Dourados)

Charge do Dia


Trabalho artístico de Marco aurélio publicado hoje no Zero Hora (RS). Espero que esse prepotente reitor da UnB tenha aprendido a maior lição de sua vida. Curtir as custas do dinheiro público pode trazer inúmeras dores de cabeça. As que ele está sentindo agora. Esperamos também que o reitor da Universidade Federal de São Paulo tenha o mesmo destino por ter gasto o dinheiro do cartão corporativo. Universitários da UFSP devem agir semelhantemente aos de Brasília. É questão de honra dar uma lição nesse reitor paulista. Chega de abuso!

Greve dos profissionais da Educação foi um fracasso

"Barrelou" a greve dos profissionais de educação do Estado de Mato Grosso. Também não era pra menos.

Desde o início a categoria viu logo que o movimento encabeçadopelo SINTEP não chegaria a lugar nenhum. E nem vai chegar.

Eu, os professores e governo sabemos disso.

O SINTEP não representa mais a maioria dos educadores de Mato Grosso. É um sindicato sem força e, portanto, sem liderança nenhuma.

A greve que tentou encabeçar foi pra medir forças com o secretário de estado de Educação, petista Ságuas Moraes.

E como já era esperado, foi um fiasco. Uma palhaçada do começo ao fim. Algo desconfiável por mais de 80% dos profissionais.

Os grevistas sofreram grande derrota. O governo estadual ganhou. Não passará para a categoria nada mais que o já prometido.

Derrota grande é a dos estudantes. Sem culpa nenhuma foram mais uma vez penalisados por uma categoria representada por um sindicato que não representa mais nada no Mato Grosso.

Lamento ter se sido forçado a paralisar as aulas para meus alunos do ensino médio da Escola João Batista em Tangará da Serra.

Mais uma vez lamento mesmo.

E caso outra greve sem pé nem cabeça como a que terminou venha ser deflagrada no Estado, levo meus alunos para qualquer espaço público e ministrarei minhas aulas para eles.

Sou favorável a movimento grevista.

Todavia, desde que seja um movimento de base, e jamais de uma panelinha que não quer outra coisa senão medir força política com quem está no comando da pasta, no caso, na Educação.

Tenho dito.

Antônio Barbosa vai tarde demais...

Para a alegria geral da nação tangaraense, o senhor Antonio Barbosa desapregou da cadeira de secretário municipal de saúde. Toninho, com todo respeito, você vai tarde demais.

Confesso ao ilustre exonerado que nunca havia visto uma pessoa tão rústica e impopular numa função pública.

Espero agora que o prefeito Júlio César Ladeia tenha mais cautela e ouça mais a população quando da nomeação do novo chefe para a pasta.

Chega de coisa ruim, né mesmo, prefeito!

Cassados dois prefeitos de Mato Grosso

O juiz da Vara do Trabalho da Comarca de São Félix do Araguaia (MT), João Humberto Cesário, determinou a perda do mandato dos prefeitos João Abreu Luz e Nagib Elias Quedi, de São Félix e Luciara, respectivamente. De acordo com o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), esta é a primeira vez em que a Justiça do Trabalho adota a decisão pela cassação contra políticos em Mato Grosso. Leia mais aqui