11 de junho de 2008

Gleice Dabiane é a aniversariante desta quarta-feira

Gleice Dabiane, aluna da 8ª serie da Escola Estadual Prof João Batista/Tangará da Serra celebra nesta quarta-feira (11/06/08) seus 15 aninhos. Muita festa para a moça. A família está contente pela data vivida por ela. Seus colegas de colégio a homenageiam nesta dia. Parabéns. Tintim!

Índio condenado a quatro anos de prisão por tráfico de droga no MT

Um índio xavante e sua esposa foram condenados a quatro anos de reclusão e pagamento de multas por crimes de tráfico drogas e de associação para o tráfico no município de Nova Xavantina (MT).

Depoimentos comprovaram ainda que o índio acusado estava sendo investigado pelos próprios índios, até ser preso em flagrante em Campinápolis (MT), porque fornecia drogas para jovens indígenas nas aldeias. Leia mais aqui

Quilombolas à míngua no Mato Grosso

As oito famílias de quilombolas descendentes da comunidade de Mata Cavalo, que foram despejadas da fazenda Estiva, localizada no município de Nossa Senhora do Livramento (42 km de Cuiabá), continuam morando às margens da rodovia.

Cerca de 30 pessoas, entre elas idosos e crianças, estão vivendo embaixo de lonas, se alimentando de doações e buscando água de charrete para o banho e preparo dos alimentos. Leia mais aqui

Mais dois vereadores perdem mandatos no MT

Os vereadores Paulo Franco de Castro, atualmente no PR de Juscimeira, e Gessy Esperidião Mariano, também do Partido Pepublicano, perderam seus mandatos ontem à noite, por infidelidade partidária.

De acordo com o relator do processo interposto contra o vereador de Juscimeira, juiz Renato Vianna, as alegações da defesa de grave discriminação pessoal não ficaram comprovadas nos autos, e sim, embates partidários e o desconforto do requerido por não encontrar apoio político para disputar o pleito municipal.

O vereador teve o mandato contestado pelo suplente Francisco Gonçalo da Silva. O parecer do Ministério Público Eleitoral foi pela procedência da ação.

O vereador de Figuierópolis D´Oeste, Gessy Mariano - que saiu do PP em 3 de outubro de 2007 para ingressar no Partido da República - também alegou grave discriminação pessoal.

Segundo o relator Alexandre Elias, o que restou comprovado nos autos foi somente a falta de apoio político do partido ao vereador.

Ajude o CQC

Com seus repórteres proibidos de entrar no Congresso por parlamentares que têm muito a esconder e não querem ouvir perguntas nada indiretas, o programa Custe o Que Custar (CQC) da Band lançou um site “abaixo-assinado” na Internet para conseguir apoio da população e ter acesso livre naquilo que deveria ser a “Casa da Democracia”.

O site traz a seguinte mensagem: “A liberdade de expressão existe para ser exercida e não apenas para ser letra morta no papel. De que adianta vivermos num Estado de Direito que nos garante certas prerrogativas se não podemos exercê-las de fato? Como pode a própria Câmara nos assegurar um direito que ela mesma nos cassa? A Constituição Federal, no Capítulo 1, Artigo 1º garante que 'É livre a manifestação do pensamento e a procura, o recebimento e a difusão de informações ou idéias, por qualquer meio, e sem dependência de censura, respondendo cada um, nos termos da lei, pelos abusos que cometer."

Para votar contra a censura o endereço é www.cqc no congresso.com.br (ATENÇÃO: sem espaços)

TSE aprova candidatura de reus e condenados

O plenário Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta terça-feira (10), que os candidatos que respondem a processo criminal na Justiça podem concorrer nas eleições, independentemente das acusações que pesem contra eles ou das condenações em primeira ou segunda instância por crimes por eles cometidos. Foram quatro votos a três.

Prevaleceu o voto do ministro Ari Pargendler, segundo o qual a Constituição Federal deixa claro que até julgamento final de uma ação, ninguém pode ser penalizado ou culpado.

Os ministros Eros Grau, Caputo Bastos e Marcelo Ribeiro foram favoráveis à candidatura se não houver condenação em última instância ou uma lei específica que estabeleça as condições para que tenha o registro de candidatura negado pela Justiça Eleitoral.

De outro lado, os ministros Carlos Ayres Britto, presidente do TSE, Joaquim Barbosa e Felix Fischer consideraram que a Justiça Eleitoral pode vetar a candidatura de políticos condenados em segunda instância por crimes penais ou em primeira instância em processos de improbidade administrativa. JPM