6 de novembro de 2009

Conselho Municipal de Saúde recebe informações do Conselho Estadual

O Conselho Municipal de Saúde de Tangará da Serra teve reunião nesta tarde com representantes do Conselho Estadual de Saúde. Não faltaram boas informações para que os conselheiros tangaraenses desempenhem com sabedoria e responsabilidade suas atividades. Estive presente como conselheiro titutar.

Crianças tangaraenses apresentam problemas de saúde

Cerca de 400 crianças tangaraenses passaram pela Unidade Mista de Saúde e clínicas particulares de Tangará da Serra em menos de 10 dias. Já é certo que temos um vírus atuando no município, que precisa ser combatido o quanto antes. Na manhã desta sexta-feira 06, soube que em apenas uma sala de aula, 10 crianças faltaram. A professora me disse que a maioria apresentou problemas relacionados à saúde. Estamos apreensivos. Sem saber qual mal é esse que tem atingido duramente nossas crianças, e até adultos.

A cultura, o pré-sal e o Brasil

POR JUCA FERREIRA

O MUNDO todo está de olho no Brasil. Não é para menos: estamos nos consolidando como uma das maiores democracias do planeta. Começamos o processo de inclusão econômica de milhões de brasileiros e a nossa economia nunca esteve tão bem. Estamos sendo convocados a ter uma participação mais decisiva na pactuação de uma nova ordem mundial. A vitória do Rio de Janeiro na disputa pela sede das Olimpíada de 2016 não foi um acaso.

O presidente Lula sinalizou muito bem esse aspecto quando disse que "o Brasil ganhou definitivamente a sua cidadania internacional".Com o pré-sal, passamos a fazer parte de um grupo seleto de países, chamando mais ainda a atenção do mundo para as nossas riquezas minerais e nossas florestas, nosso potencial aquífero e nossa biodiversidade.

Nunca vivemos desafios em tão grande escala, e não será surpresa se -como tem acontecido com outras nações ricas em recursos naturais e fontes de energia- isso vier a atrair a cobiça internacional, aguçando conflitos em vários níveis: regional, racial, cultural etc.

O Brasil terá que ser capaz de enfrentar os desafios do século 21 e, ao mesmo tempo, resolver os problemas históricos da nossa sociedade.Não estamos agora lidando apenas com históricas mazelas domésticas: nossas abismais desigualdades sociais e regionais, os níveis de violência insuportáveis, a destruição do meio ambiente e dos recursos naturais.Não se assume um papel de liderança apenas porque se tem dinheiro.

É preciso ter valores próprios e propostas exequíveis para todos. Nada disso será possível sem disponibilizarmos educação de qualidade e acesso pleno à cultura para todos os brasileiros.No governo Lula, a cultura passou a ser tratada pelo ministério como uma necessidade humana básica, algo que não é supérfluo nem complementar, mas essencial, como comida, moradia, meio ambiente saudável, educação e saúde. Uma necessidade básica para a plena realização da condição humana de todos os brasileiros.

Por meio da arte e da cultura, geramos mais conhecimento, possibilitamos subjetividades complexas e melhoramos as condições de criação e interpretação do mundo.O desenvolvimento cultural colabora para qualificar as relações sociais e reduzir a violência. Para além dessa dimensão, a cultura é a economia que mais cresce no mundo.

Daí o acerto em tratar a cultura como parte de um projeto de nação, como parte da preparação do país para enfrentar desafios e ampliar nossa capacidade para pensar e compreender o mundo contemporâneo, construindo um desenvolvimento sólido e irreversível.Tem sido grande a nossa luta para viabilizar recursos.

O Vale-Cultura, a reforma da Lei Rouanet e tantas outras ações, entretanto, ainda não são suficientes. No dia em que fui nomeado ministro, disse que iria propor a inclusão da cultura como área privilegiada no Fundo Social do pré-sal.Obter tal inclusão é o reconhecimento da importância para o país da atividade cultural. É o reconhecimento de que ela é estratégica e que não pode ser tratada como algo secundário. Mesmo com todo o esforço do governo para ampliar o orçamento da cultura, nosso deficit é imenso.

Mas não é só isso. Além de investir na montagem e na manutenção de uma infraestrutura que facilite em todo o território nacional o acesso pleno à cultura, precisamos investir em capacitação e formação de artistas, técnicos e gestores culturais.Isso sem deixar de lado a forte necessidade de indução para o desenvolvimento da economia da cultura, com linhas de crédito e investimentos.

A nossa criatividade sempre superou nossas condições econômicas e sociais. A diversidade cultural brasileira, além de ser nosso mais rico patrimônio, pode se tornar um ativo econômico de valor incalculável.É preciso que o Brasil tenha a lucidez para perceber o papel central e multifacetário da cultura nesse momento histórico que estamos vivendo. Não há como pensar em uma grande nação sem um desenvolvimento cultural intenso.

É a cultura que dá a liga à cidadania.É por meio dela que brasileiros de todos os cantos se enxergam parte de uma mesma nação.A cultura não pode ficar de fora do projeto de construção do país democrático, plural e tolerante que queremos. Nossa grande contribuição no contexto da globalização e das novas linguagens está na nossa diversidade cultural, símbolo de adaptabilidade, convivência e harmonia. A nossa singularidade é a nossa pluralidade.

Essa é a essência do Brasil de todos.É ela que dará a solidez necessária a qualquer tentativa de desagregação social, política e econômica.

JUCA FERREIRA, 60, sociólogo, é o ministro de Estado da Cultura.

Assim penso

"Aconselhar economia ao pobre é grotesco e insultante. É como aconselhar que coma menos quem está morrendo de fome."

Oscar Wilde

Fantasmas

O Senado Federal tem nada menos que 6.277 servidores efetivos e comissionados. E pasmem: tem 70 sumidos, que ainda não concluíram o recadastramento obrigatório determinado pela Casa. Muitos acreditam que eles temem aparecer. O recadastramento dos servidores é medida moralizadora, tomada pelo presidente Sarney (PMDB) durante a crise política a partir de sua eleição. Com a conclusão saberemos que são os servidores filhos do nepotismo e sinecura.

Para refletir

"Ninguém pode prever o quanto pode voar até abrir as asas".

A quem interessar possa

"O invejoso não é aquele que almeja o que lhe pertence, mas o que não quer que você possua".

Ficha suja

Depois de muita novela, após a perda de mandato do senador Expedito Junior (PSDB-RO), acusado de compra de votos, foi empossado ontem o segundo colocado nas eleições de Rondônia, o senador Acir Gurgacz (PDT). Respondendo na Justiça a cerca de 200 processos, entre eles um por abuso de poder econômico nas eleições de 2006 em Rondônia, o novo senador disse ontem que vai batalhar pela aprovação do projeto que proíbe a candidatura de políticos com ficha suja.

STJ

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou a quebra do segredo de justiça que havia sido decretado em inquérito aberto pela Polícia Federal para apurar irregularidades que teriam sido cometidas por prefeitos, juízes, conselheiros de tribunais de contas e servidores públicos.

Contra a corrupção

O Terceiro Período de Sessões da Conferência dos Estados Parte na Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção (UNCAC) terá início na próxima semana em Doha, no Catar. O encontro, entre os dias 9 e 13 de novembro, irá revisar a implementação do único instrumento anticorrupção do mundo, legalmente vinculante de forma universal.

Também estão previstas contribuições de especialistas sobre prevenção da corrupção, sobre recuperação de ativos, e sobre como melhorar a oferta de assistência técnica e de cooperação internacional para reforçar a integridade nos países.

São esperados mais de mil participantes no evento, entre representantes dos governos, de organizações regionais e internacionais, da sociedade civil, do setor privado e da mídia.