14 de março de 2010

Marina constrói

Deu na Folha de S. Paulo

O grupo de economistas e empresários que gravita em torno de Marina Silva, pré-candidata à Presidência pelo PV, considera o Estado brasileiro pesado e ineficiente e planeja cortar gastos.

Rejeita, contudo, o rótulo de "neoliberal", que a senadora atribui à "satanização do debate". De formação de esquerda, Marina constrói um discurso econômico próximo a um "liberalismo sustentável".

A equipe descarta também a simbiose entre crescimento econômico e desenvolvimento que está na matriz do pensamento social-democrata -petista ou tucano. Para eles, crescer por crescer, sem "descarbonizar", é a receita do desastre.

"A necessidade de descarbonização das economias do planeta é inadiável, e obviamente o Brasil tem todas as condições de dar uma contribuição tanto na redução das emissões quanto no estabelecimento de um novo paradigma", diz a pré-candidata verde. "Acelerar não significa melhorar."

Não há ainda um grupo formal encarregado de formular um plano de governo. O alistamento de Eduardo Giannetti da Fonseca entre os apoiadores da pré-candidata do PV para a Presidência, contudo, lançou no ar a suspeita de "tucanização" da campanha. NOBLAT

Assinante do jornal leia mais em: Marina constrói "liberalismo sustentável"

Assim penso...

"Dominar-se a si próprio é uma vitória maior do que vencer a milhares em uma batalha".

Buda

Queda do FPM

E agora uma notícia séria e preocupante. A Receita Federal do Brasil está prevendo que ao final deste mês vai se ver que as verbas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) terão sofrido uma queda de 22 por cento se comparada com o mesmo FPM do mês de fevereiro passado. Arrochando o nó cada vez mais.

CAMPANHA

O jornal Folha de S. Paulo publicou uma extensa reportagem mostrando que para mostrar serviço vale tudo na corrida eleitoral. De norte a sul, leste a oeste, do Brasil, segundo a matéria, inúmeros governantes estão inaugurando até obras que nem saíram do papel.

Líderes políticos de baixo astral

Observando os conteúdos das revistas de circulação nacional que estão chegando as bancas é possível afirmar que os líderes dos principais partidos do País devem passar o domingo de baixo astral.

Ou, no mínimo, preocupados com o que pode vir pela frente. De orelhas em pé, como diz a nossa gente matuta. Petistas e democratas estão no centro das reportagens, todas negativas.

A Veja, por exemplo, dá continuidade ao escândalo do Bancoop, cuja investigação do Ministério Público de São Paulo expõe o tesoureiro do PT e até pouco tempo responsável pela arrecadação de fundos para a campanha de Dilma Roussef, João Vaccari Neto, como chefe de uma “quadrilha” especializada em drenar recursos para caixas de campanha, o famigerado “Caixa 2”.

O material, baseado no que apurou o promotor José Carlos Blat, traz de volta os mensaleiros petistas, unindo a ação de Vaccari com as atividades nada republicanas atribuídas aos petistas José Dirceu e Delúbio Soares, réus no processo do mensalão.

O esquema coordenado pelo tesoureiro do PT, segundo o Ministério Público, foi explicado pelo corretor Lúcio Bolonha Funaro, considerado um dos maiores especialistas em cometer fraudes financeiras do país.

O novo escândalo respinga diretamente na candidatura de Dilma Roussef, na medida em que coloca os seus companheiros no centro da corrupção brasileira. Outra reportagem tem o alvo direto no principal partido de oposição a Lula, o DEM.

Segundo a revista, o governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, tem feito ameaças veladas ao comando nacional dos Democratas, prometendo “abrir o jogo” caso continue abandonado na carceragem da Polícia Federal.

A revista afirma que Arruda escreveu uma carta com revelações capazes de acabar com o DEM nacional.

O documento, “precioso”, está em poder da mulher de Arruda, Flávia, que irá liberar mediante ordem do marido.

A reportagem insinua que há indícios de que a coleta de dinheiro em Brasília, de forma criminosa, teria conexão em São Paulo e no Rio de Janeiro. Como se pode observar, tiraram o sono do PT e do DEM.

CHATROULETT

Depois do Twitter, a mais nova mania entre internautas e nerds é a nova rede social Chatroulett, inventada por um russo. Funciona mais ou menos como uma roleta, onde as pessoas podem escolher com quem conversar, via webcam.

Os usuários de todo o mundo encontram-se aleatoriamente no espaço por meio de vídeos e o problema é que o novo canal abriu logo espaço para pornografia.

Pegando a nova onda, a French Connection, ou FCUK uma empresa varejista de roupas inglesa, aproveitou para fazer o marketing na rede e em pouco tempo já tem milhares de adeptos.

Sabendo do problema da pornografia, a rede britânica premiará, com crédito para compras, quem provar que conseguiu uma amizade verdadeira neste ambiente. Não vai ser fácil.