19 de junho de 2010

A Cara do PRP de Tangará da Serrra XIII

INFORME PUBLICITÁRIO
As duas BIÓLOGAS do Partido Republicano Progressista - PRP/44 de Tangará da Serra: Regina Maura e Franciele Caroline.

Os estudantes, Cleberson Coutinho de Medeiros....

Thiago Mendonça de Andrade e...

Tiago, assinaram ficha de filiação ao Partido Republicano Progressista de Tangará da Serra neste ano. Uma alegria para nós, vermos esses jovens ingressando tão cedo na política. São bem-vindos meus amigos!

VEJA OUTRAS PESSOAS ILUSTRES DE NOSSA CIDADE QUE TAMBÉM FAZEM PARTE DO PARTIDO REPUBLICANO PROGRESSISTA - AQUI

Imagens da festa junina da E.E. Bento Muniz

Casais participantes da dança junina Minha esposa, bióloga Franciele Caroline leadeada pela diretora e coordenadora da Escola
Bloqueiro e a filha Sofia ladeado pelos organizadores da festa
Blogueiro com sua filha Sofia posa com todos os participantes da festa

A Escola Estadual 'Vereador Bento Muniz' de Tangará da Serra realizou ontem, à noite, grande festa junina com presença de seus professores e alunos. Participei do evento. Foi espetacular. Nota DEZ.

Ficha Limpa - Os políticos que podem ficar pelo caminho

Deu no Correio Braziliense

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) O ex-governador da Paraíba foi cassado no início de 2009 por abuso de poder econômico e político, sob a acusação de ter distribuído 35 mil cheques a cidadãos carentes durante a campanha de 2006. A cassação o tornou inelegível por três anos, a partir de 2006. Com a interpretação do TSE sobre o Ficha Limpa, o tucano ficaria inelegível até 2014. Ele pretende disputar uma vaga no Senado.

Marcelo Miranda (PMDB-TO) Em 2009, o ex-governador do Tocantins foi cassado por abuso de poder político. Miranda foi acusado de criar cargos públicos de maneira irregular e de doar 14 mil cheques-moradia durante a campanha de 2006. O caso é igual ao de Cunha Lima. Ele almeja concorrer ao Senado, mas, pela nova interpretação, ficaria inelegível até 2014.

Jackson Lago (PDT-MA) O ex-governador do Maranhão teve o mandato cassado em 2009 por abuso de poder econômico. Segundo a denúncia, o grupo político ao qual ele pertencia teria desviado R$ 806 milhões de convênios para a “compra de eleitores”. Como sua cassação se deu por recurso contra expedição de diploma, e não por representação, é possível que ele não fique inelegível, conforme interpretam juristas. Ele quer se candidatar ao governo estadual.

Expedito Júnior (PSDB-RO) O ex-senador foi cassado ano passado por compra de votos, sob a acusação de ter conquistado eleitores pagando R$ 100. Ele pretende concorrer ao governo de Rondônia, mas sua inelegibilidade, que seria de três anos pela lei antiga, pode subir para oito anos. Se a decisão do TSE for seguida, ele só poderá ser candidato em 2014.

Joaquim Roriz (PSC-DF) Governador do DF por quatro vezes, renunciou ao mandato de senador em 2007. Ele corria risco de ser cassado. À época, uma representação do PSol acusava Roriz de negociar uma partilha de R$ 2,2 milhões com o presidente do BRB. O dinheiro teria saído dos cofres públicos. Roriz poderá ficar inelegível até 2023, oito anos depois do prazo que seu mandato de senador terminaria. Ele pretende disputar o governo do DF.

Paulo Maluf (PP-SP) O deputado foi condenado em abril de 2010 pela Justiça de São Paulo por improbidade administrativa. A Justiça acatou os argumentos do Ministério Público Estadual, que acusou Maluf de superfaturar uma compra de frangos para a prefeitura paulistana, em 1996, quando era prefeito. Pela interpretação da lei, Maluf, que busca disputar a reeleição, ficaria inelegível.

Valdemar Costa Neto (PR-SP) Citado no escândalo do mensalão, renunciou ao mandato de deputado federal em 2005 para evitar a cassação. Foi eleito no ano seguinte e tem mandato na Câmara até o início de 2011. Pela interpretação dada ao Ficha Limpa, pode ficar inelegível até 2015. Ele quer tentar a reeleição.

Paulo Rocha (PT-PA) O deputado federal foi citado no mensalão e renunciou em 2005 para escapar da cassação. No ano seguinte, foi eleito deputado, função que exerce até hoje. Quer se candidatar ao Senado, mas pode ficar inelegível até 2015.

José Borba (PP-PR) Atual prefeito de Jandaia do Sul, no Paraná, renunciou em 2005 ao mandato de deputado federal para evitar a cassação. Foi eleito prefeito em 2008, mas pode ficar impedido de disputar eleições até 2015.

Bispo Rodrigues - O deputado Carlos Rodrigues saiu da vida política depois que renunciou ao mandato de deputado federal em 2005, por suposto envolvimento com o mensalão. Poderia ter disputado os pleitos de 2006 ou 2008, mas tem se dedicado apenas à Igreja Universal. Pelo Ficha Limpa, ficaria inelegível até 2015.

Severino Cavalcanti (PP-PE) Então presidente da Câmara, renunciou ao mandato de deputado em setembro de 2005 para evitar a cassação, depois que foi acusado de pagar propina para o dono de um restaurante da Casa, esquema que ficou conhecido como mensalinho. Em 2006, não foi eleito deputado e, em 2008, se elegeu prefeito de João Alfredo (PE). Pelo entendimento do TSE, estaria inelegível até 2015.

Coriolano Sales - Suspeito de envolvimento com o escândalo das Sanguessugas, que envolveu fraudes na compra de ambulâncias, Coriolano, que na época era do PFL, atual DEM, renunciou em 2006 ao mandato de deputado federal. Pode ficar inelegível até 2015.

Marcelino Fraga (PMDB-ES) Citado no relatório da CPI dos Sanguessugas por suposto envolvimento no esquema de fraudes na compra de ambulâncias por prefeituras, o então deputado federal renunciou ao mandato para escapar de uma provável cassação. Pela nova regra, ficaria inelegível até 2015.

Pinheiro Landim (CE) Então deputado federal pelo PMDB cearense, Landim renunciou ao mandato em 2003 para escapar de uma possível cassação por suposto envolvimento com um esquema de tráfico de influência junto ao Poder Judiciário para beneficiar traficantes. Pode ficar impedido de disputar eleições até 2015.

Queimada.O futuro você decide!

Clique na imagem para melhor visualização
INFORME PUBLICITÁRIO

Ficha Limpa: políticos vão recorrer

Globo on Line

Isabel Braga e Carolina Brígido

Embora o espírito da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tenha sido o de evitar candidaturas de políticos já condenados em qualquer tempo, atendendo a um clamor da sociedade, advogados e especialistas eleitorais que acompanharam o julgamento de quinta-feira entendem que haverá muitas candidaturas pendentes, com recursos judiciais.

Para eles, uma questão a ser resolvida é que políticos já condenados em última instância à luz da lei anterior (a Lei Complementar 64, de 1994), que previa três anos de inelegibilidade a partir da eleição, não podem ter suas penas ampliadas para oito anos de inelegibilidade, como prevê a Lei da Ficha Limpa.

Ainda assim, como a pressão da sociedade deve continuar, esses políticos dificilmente conseguirão registrar suas candidaturas, avaliam os especialistas.

Essa situação atinge, por exemplo, os governadores cassados ano passado - Cássio Cunha Lima (PSDB), da Paraíba; Jackson Lago (PDT), do Maranhão; e Marcelo Miranda (PMDB), de Tocantins - todos pré-candidatos este ano. Seria alvo da nova lei até o ex-governador de Alagoas Ronaldo Lessa (PDT), cassado em 2004.

Os advogados de todos eles contestam que seus clientes serão atingidos pela restrição ao registro das candidaturas. Pela lei anterior, os três anos de inelegibilidade (que contam a partir da eleição) já terminaram. Pela Lei da Ficha Limpa, eles ainda estão dentro do prazo de oito anos de inelegibilidade, agora estabelecido.

A pediatria no Brasil

A pediatria é um problema nacional.

Está escasseando a figura do pediatra vocacionado, anjo-da-guarda de nossas crianças.

E no interior do país é ainda mais grave o problema.

Nas faculdades de Medicina, os acadêmicos em sua grande maioria preferem outras especialidades em que possam ganhar bem mais dinheiro.

Pobre Brasil!

Pegos pelo Finha Limpa

Políticos nacionais de peso foram pegos pelo Ficha Limpa: Anthony Garotinho (RJ), Paulo Maluf (SP) e Joaquim Roriz (DF). Vão recorrer à Justiça para ter direito a disputar as eleições deste ano.

O PCC e as eleições

O temor de que o Primeiro Comando da Capital (PCC) possa usar as votações nos presídios para influenciar o processo eleitoral e incentivar rebeliões levou o Governo de São Paulo a impedir o pleito em unidades controladas pela facção criminosa.

A medida contribuiu para reduzir a 1.904 o número de presos provisórios (aqueles à espera de julgamento) aptos a votar entre os 52,8 mil que hoje ocupam o sistema carcerário (3,6%). “Não podemos admitir o processo eleitoral numa prisão onde você combate o crime organizado permanentemente”, afirmou o secretário da Administração Penitenciária do Estado, Lourival Gomes, que citou os atentados do PCC de maio de 2006, que deixaram 43 mortos.

Esse trecho é de uma reportagem da Folha de S.Paulo, edição de ontem, que revela o medo das autoridades públicas com a ação, de dentro dos presídios, comandada pelo PCC. Mas, esses presídios não são de segurança máxima?

E esses presídios não transmitem segurança? Poucos acreditaram, à medida que o crime organizado não conhece o limite e de dentro dos presídios comanda as ações criminosas.

Os atentados de 2006 comandados por Marcos Camacho, “Marcola”, líder do PCC, levaram terror à população de São Paulo e de localidades onde existem membros da facção presos. Fizeram vítimas pessoas inocentes, cidadãos comuns, que tiveram suas vidas abreviadas.

O medo do secretário da Administração do Estado de São Paulo é pertinente e, por gravidade, revela o risco que os presídios de segurança máxima representam à população.

Futebol dengoso

A seleção do DUNGA está deixando o brasileiro muito ZANGADO. Embora se ache um MESTRE, nosso anãozinho insiste em não fazer o povo FELIZ. Esse futebol DENGOSO, molenga, está deixando a torcida com muita SONECA, e com o clima frio, todos estão ficando… ATCHIM!… gripados. BRANCA DE NEVE já avisou: Se continuar assim, dia 25 de junho vamos todos cantar: - EU VOU, EU VOU, PRA CASA AGORA EU VOU…

Mototaxistas e motoboys precisam de curso

Resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Conatran) publicada ontem no Diário Oficial da União obriga mototaxistas e motoboys a fazerem um curso para exercer suas atividades. A obrigatoriedade do curso tem prazo de até 180 dias para entrar em vigor.

Ensino de Sociologia nas escolas de todo País

A Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados aprovou por unanimidade, o Projeto de Lei 4780/2009, relatado pelo deputado Rogério Marinho (PSDB), que disciplina o ensino de Sociologia nas escolas de todo o país.

De acordo com o projeto, o ensino de Sociologia só poderá ser ministrado pelos licenciados da área, com diploma de Ciências Sociais, Sociologia, Antropologia ou Ciência Política, e não por qualquer pessoa como vem ocorrendo atualmente.

EM TEMPO: Como professor de Sociologia, esperei muito que esse assunto se tornasse realidade.

Brasil é criticado por censurar imprensa

O Brasil foi criticado na última quarta-feira em audiência na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos sobre a América Latina e Caribe.

Os norte-americanos questionaram a situação da imprensa brasileira. Na audiência foi dito que no país existe "censura governamental" e que possui "juízes que pensam que podem proibir" matérias de serem publicadas.

O presidente da Associação Interamericana de Imprensa, Alejandro Aguirre, incluiu o Brasil entre países que tem problemas com a liberdade de expressão.

A relatora para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, Catalina Botero, também criticou a liberdade da imprensa no Brasil.

Ela disse que alguns juízes brasileiros "consideram que podem determinar aos meios que não publiquem certas informações para proteger outras". (Com informações da Folha de S. Paulo)