26 de fevereiro de 2011

Justiça condena 13 pessoas por tráfico de drogas em Tangará da Serra




A Justiça condenou esta semana 13 pessoas que integravam uma quadrilha em Tangará da Serra denunciada pelo Ministério Público por tráfico de drogas, em 2009. O grupo era composto por 19 integrantes, mas quatro estão foragidos e os processos tiveram que ser desmembrados. Apenas duas pessoas foram inocentadas.

De acordo com o promotor de Justiça Mauro Poderoso de Souza, dos 13 réus condenados, cinco não terão direito de recorrer da sentença em liberdade. As penas aplicadas variam de sete a oito anos de prisão, conforme a participação de cada integrante da quadrilha.

Conforme a denúncia do Ministério Público, oferecida em outro de 2009, os réus buscavam a droga em outros municípios da região para comercializar em Tangará da Serra. O fato veio à tona após a prisão de uma das integrantes da quadrilha durante fiscalização de rotina em um ônibus da Empresa TUT Transportes. Na ocasião, a passageira transportava 113 trouxinhas de cocaína.

“Após a prisão, dando continuidade às investigações, a Polícia Civil, por meio de monitoramento, via interceptação telefônica, deflagrou a 'Operação Piau', baque em que acabou resultado na prisão de todos os denunciados”, destacou o promotor de Justiça Mauro Poderoso de Souza.

Segundo ele, um dos 'chefes' da quadrilha, Edson Ribeiro da Silva, conhecido como “Piau”, comandava o tráfico de dentro da cadeia e passava as ordens para outra integrante do grupo que efetuava o comércio de drogas. “A droga tinha como fim o abastecimento das bocas de fumo, e também, a venda para usuários, ficando caracterizado o vínculo subjetivo e a divisão de tarefas visando o objetivo comum”, ressaltou o representante do Ministério Público, em um trecho da denúncia. As informações são da assessoria do MPE.

Escola estadual vai promover "galinhada" para pagar dívida no comércio tangaraense

Professora há mais de 20 anos, Maria das Graças, diretora da Escola Estadual Jada Torres, unidade localizada no bairro Dona Júlia, área periférica de Tangará da Serra, fez um apelo ontem, à noite, que comoveu muitos profissionais da educação e pais de alunos que participavam da primeira reunião anual promovida pela escola.

Com voz trêmula, ela apontou aos presentes, as melhorias que havia feito na instituição no período de férias escolares. Sem receber uma única pincelada de tinta há mais de uma década, Graças comentou que com muito esforço, conseguiu comprar fiado no comércio local, as tintas, massas e algumas telhas novas para iniciar uma mini-reforma.

Contando com a solidariedade de muitos e a confiança dos empresários do ramo de construção, pintou toda o prédio, dando uma cara nova a instituição escolar.

No entanto, o que comoveu a todos foi quando informou que sem recursos para quitar parte da conta com os fornecedores, teria que promover uma "galinhada" (almoço à base de arroz com galinha de granja) para vender à professores, pais de alunos e demais pessoas da comunidade.

Graça explicou que para fazer a necessária mini-reforma não teria recebido um real sequer do governo do estado. "Eles mandam para nossa escola recursos apenas para a munutenção básica. Mas eu não estava suportando ver minha escola suja, como um prédio abandonado. Daí tomei a inciativa de fazer o que fiz" comentou.

A Jada Torres está de cara nova. Realmente, de longe nos faz lembrar que se parecia mais a um presídio de bairro periférico de cidade interiorana.

Mas, há um débido a ser quitado.

Não seria a hora de todos nós, cidadãos trabalhadores desta cidade darmos as mãos a essa brilhante e corajosa diretora escolar. Que ao invés de ficar esperando pelas enfadonhas promessas de um estado falido, mantenedor de uma educação falida, ousou e transformou sua escola num ambiente digno para ela mesma, funcionários, professores, e crianças e adolescentes de nossa cidade...

Eu farei minha parte. E você o que poderia fazer para ajudar a Escola Estadual Jada Torres ficar com o 'nome limpo' no comércio local...

MOÇÃO DE APLAUSOS - Não custa nada para o blogueiro, também professor, sugerir à Câmara de Vereadores que conceda uma Moção de Aplausos à diretora Maria das Graças por sua brilhante iniciativa. Exemplo digno a ser seguido por aqueles que cruzam os braços e ficam sempre reclamando e esperando, ao invés de partir para ações positivas. Alô Zé Pequeno, "vai quer sua" nobre parlamentar!

Passou fevereiro e o governador não visitou Tangará da Serra

Acabou-se o mês e Tangará da Serra não recebeu a anunciada visita de trabalho do governador Silval Barbosa (PMDB).

Sera que só este humilde escrevinhador provinciano estaria percebendo a muita frieuza por parte das autoridades estaduais quando o assunto é visitar nossa cidade...

Até agora, apenas dois secretárrios de estado (Esporte e Educação) estiveram em contato conosco.

Nesta quinta-feira, cheguei a ouvir alguém dizer que o presidente regional do PSB, deputado federal Valtenir Pereira, estaria hoje, na cidade, para contato com correligionários políticos.

São 60 dias sem um benefício sequer ter chegado ao município. Os assuntos permanecem no campo das infindáveis e enfadonhas promessas. Ninguém merece.

Preço do algodão disparou e registra um aumento de 171%

O preço do algodão disparou e registra um aumento de 171% nos últimos 12 meses. É consequência da forte demanda e da redução de oferta em virtude de problemas climáticos em vários países. O cenário internacional é bastante favorável para os produtores do Brasil, que começam a colheita entre março e maio. A produção entrará no mercado internacional em agosto, mas 60% da colheita já está vendida. A China é o maior comprador.

A quem interessar possa

"Grandes realizações não são feitas por impulso, mas por uma soma de pequenas realizações", já dizia Vincent Van Gogh.

Programa Universidade para Todos

Os candidatos que não conseguiram bolsa nas duas etapas de inscrição do Programa Universidade para Todos (ProUni) poderão participar de uma lista de espera que, pela primeira vez, será utilizada pelas instituições para preencher as vagas ociosas. A lista estará disponível para consulta a partir de 21 de março.

29 deputados federais não têm suplentes do próprio partido

Dados da última eleição apontam que 29 deputados federais não têm suplentes do próprio partido, apenas da coligação. Desta forma, se a interpretação do STF de que o suplente deve ser do mesmo partido, e não da coligação, for cumprida à risca, esses deputados não podem deixar o cargo, a menos que a Justiça Eleitoral indique outros suplentes dos seus partidos, alterando o resultado da eleição.