4 de julho de 2011

Professores encerram greve e retornam às atividades já nesta 3ª

Andréa Haddad

     Os profissionais da rede estadual de Educação encerram nesta segunda (4) a greve a categoria. A decisão foi tomada durante à tarde, em assembleia do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep), comandado por Gilmar Soares Ferreira, realizada na escola estadual Presidente Médice, na Capital.

     Mesmo com cartaz com fotos da secretária estadual de Educação, Rosa Neide (PT), e do governador Silval Barbosa (PMDB), com a frase “Rosa e Silval, traidores da Educação”, cerca de 200 profissionais presentes votaram a favor de retornar às atividades nesta terça (5).

     A decisão foi tomada após a apresentação por representantes do governo de contra-proposta de recomposição imediata de 10% e outros 5% em setembro. Com isto, o piso salarial da categoria sobe para R$ 1.312. Nas rodadas de negociações anteriores, o Estado propôs que a segunda parcela do reajuste fosse concedida apenas em dezembro deste ano.

     Com temer de que Silval não cumpra o acordo, os profissionais decidiram manter o indicativo de greve, mesmo retornando às atividades. Eles prometem manter a categoria mobilizada, além de esclarecer as discussões à sociedade. Em 17 de agosto, os profissionais prometem fazer uma “vigília” na Assembleia para assegurar a recomposição de mais 5% em setembro. Com o fim da greve, 544 mil estudantes voltam a ter aulas normalmente.

CP exala cheiro de pizza



Começo a sentir um cheiro de pizza no ar  que vem dessa Comissão Processante que ouve os supostamente envolvidos no"Escândalo da Saúde" em Tangará da Serra.

Por certo está assando.

O apetite para que essa "gostosura" seja consumida antes de pronta é muito grande por mais de meia dúzia de pessoas que residem em nossa cidade.

A turma do PT que o diga.

Há quem esteja dizendo que o principal responsável pela pizza seria um tal suplente amigo íntimo de certo denunciado, inclusive pelas autoridades nacionais.

A imprensa e a sociedade cabem observar se panos quentes estão sendo usados, ao invés do cumprimento do dever fiscalizador que os integrantes da CP precisam ter.

Toda atenção é pouca.

Dificuldades de acesso às informações nas prefeituras do Brasil serão expostas em Brasília

Fonte: Blog do Ronco

As dificuldades de acesso dos cidadãos e instituições representativas da sociedade às informações nas prefeituras do Brasil serão abordadas pelo jornalista investigativo Fábio Oliva, membro do conselho administrativo da AMARRIBO Brasil e acadêmico da Faculdade de Direito Santo Agostinho, dia 6 de abril, durante reunião estratégica da sociedade civil que antecede ao “Seminário Internacional sobre Transparência e Acesso à Informação: Desafios de Implementação”.

A convite da Artigo 19, Oliva demonstrará com base em casos concretos que na contramão da transparência preconizada pela Constituição Federal e legislação infraconstitucional brasileira, a regra tem sido criar o máximo de obstáculos e dificuldades possível ao acesso da sociedade às informações e documentos que devem constar dos arquivos das prefeituras do Brasil, impondo-se, na prática, verdadeiro sigilo.

A greve, o PT e os amigos “da Onça”

Por Ubiratan Braga

Vejo triste a luta dos representantes dos profissionais da educação e indignado pelo vazio com que eles vão às trincheiras sozinhos. Sozinhos em relação àqueles eternos petistas que não acompanham a batalha. Preciso citar nomes? Vamos a uma pequena amostra: cadê a professora Verinha? Está lá na Sejusp usufruindo de um bom cargo. Cadê o Ságuas? Correndo atrás do assento na Câmara.

E o Abicalil? Cadê a Serys? Devem estar correndo em busca de... Cadê o deputado Brunetto? Está na Assembleia, mas não o vejo engrossar o caldo do Sintep. E o Alexandre César? Também, pois deve estar revoltado com a traição dos petistas de grupo de amigos, da onça...

A minha tristeza não é tanta, pois há alternativa depositada na sensibilidade do governador e no deputado Riva, que sempre foi defensor primeiro da educação e atacado primeiro pela turma desta educação. Mas a nobreza caminha ao lado dos protegidos do Mestre e ele sabe disso, tanto que o Sintep, de Gilmar Soares, conta com sua força.

Riva tentou, antes mesmo de iniciar o indicativo de greve, um diálogo com o governador Silval e sindicalistas, pois via surgir desta categoria a revolta iniciada com outros profissionais que o procuravam a defendê-los junto à administração por um aumento pequeno sequer. E o resultado está na Avenida do CPA dentro e fora daquelas barraquinhas.

A revolta também estar em cada lar, pois os nossos filhos, do ensino público, estão parados, alguns gostando e outros nem tanto. Eles perdem conhecimentos, nós a paciência, que devem ser descontada nas urnas. Mas o Silval não é candidato. Nem nós. Mas aqueles petistas do inicio serão.

Vi e ouvi o presidente do Sintep/MT, Gilmar Soares, correr para o dialogo em busca de uma alternativa por parte do governo e este dizer que só negocia sem greve. Vi também o apelo judicial. Vi Riva intervir, vi surgir o cala-boca típico da ditadura no corte do ponto...Estou antevendo prejuízo às minhas férias.

A greve justifica os meios. E o fim nas mãos do governador não candidato. O diálogo traz possibilidades. E se tivesse ocorrido seria diferente, pois os erros dos secretários não seriam, hoje, os do governador.

O governo erra, os sindicalista idem. Erra mais, aquele que sempre precisou dos votos dos professores. São estes, os amigos da onça.

Se todos os citados no lide deste artigo desconsiderarem minha opinião, que mostrem como estão agindo em favor dos professores e indiretamente a cada pai e aluno. Se financiando, se dando apoio moral ou qualquer outro meio, pois assim carimbo minha imaginação sobre as campanhas feitas às escondidas contra aquele que hoje é o defensor primeiro da educação.

*Ubiratan Braga é jornalista, radialista e publicitário em Cuiabá

Por que dona Dilma não demite o ministro Nascimento?

Por que a presidente Dilma Rousseff ainda não demitiu o seu ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, do Partido da República? A presidente soube de superfaturamento em obras do Ministério dos Transportes, de fraude em licitações e da contribuição de empresas para o caixa 2 do PR, presidido por Nascimento. Afastou a cúpula do Ministério, mas não o ministro.

Cabuloso

Gilcélio Peres retorna à relatoria da Comissão Processante em curso na Câmara de Vereadores de Tangará da Serra.

E o Juiz Cláudio largou o processo que poderia condenar ou inocentar Ladeia e sua turma.

A coisa tá feia em Tangará da Serra.