8 de agosto de 2011

PR tira prefeito afastado do comando de diretório

Diário de Cuiabá

A Executiva Regional do Partido da República (PR) destituiu o prefeito afastado de Tangará da Serra, Júlio César Ladeia, da presidência da comissão provisória do partido no município. O novo dirigente da sigla na cidade é o deputado estadual Wagner Ramos. Segundo o secretário-geral da sigla no Estado, deputado Emanuel Pinheiro, a decisão já tinha sido tomada há algum tempo com conhecimento de Ladeia.

“Em vários municípios estamos fazendo a reestruturação do partido. Um dos critérios adotados para as novas comissões provisórias que estamos formulando é que o deputado mais votado da região assuma a sigla. Este foi o caso de Tangará da Serra, por isso o Ladeia já sabia desde o ano passado que um ano antes do pleito, o Wagner Ramos o substituiria”, disse Emanuel Pinheiro.

O parlamentar também fez questão de ressaltar que Wagner Ramos é o principal nome do partido em Tangará da Serra para ser candidato a prefeito. Segundo ele, Ramos se mostra receoso a disputa, mas a sigla pediu para ele não descartar a possibilidade.

O fato de Ladeia está sendo alvo de denúncias, inclusive investigado pela Câmara de Vereadores, pode ter sido um dos motivos para a substituição de Ladeia da comissão provisória.

Em entrevista anterior ao Diário, Wagner Ramos afastou a hipótese de se candidatar ao Executivo no próximo ano. Questionado sobre os motivos que o leva a ficar da disputa, mesmo sendo líder nas pesquisas de intenção de voto na cidade, o parlamentar justifica a falta de outras lideranças da região no parlamento estadual.

Maria da Penha

Hoje está completando cinco anos da Lei Maria da Penha, sancionada no dia 7 de agosto de 2006 pelo então presidente Lula. A lei tornou mais rigorosas as penas das agressões contra a mulher, principalmente quando ocorridas no ambiente familiar. Mas, a violência doméstica ainda continua um desafio. É preciso ampliar o debate em torno da lei, para que os bons resultados, até aqui verificados, sejam ampliados.

A origem
Maria da Penha Maia Fernandes foi espancada de forma brutal e violentada diariamente pelo marido durante seis anos de casamento. Escapou da morte, depois de atacada com arma de fogo, mas ficou paraplégica. O marido foi condenado a 19 anos de prisão, mas cumpriu apenas dois anos em regime fechado. O caso foi levado à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, iniciando aí a luta que deu origem à Lei Maria da Penha.