31 de agosto de 2011

Tangará: assalto a banco em Campo Novo faz sessão de julgamento ser suspensa

Devido ao assalto que ocorreu, ontem à tarde, em Campo Novo de Parecis, regional de Tangará da Serra, a sessão de julgamento de cassação dos mandatos do prefeito afastado de Tangará da Serra, Júlio César Ladeia, do vice afastado, José Jaconias da Silval (PT), e de quatro vereadores também afastados (Celso Ferreira, Haroldo Lima, Paulinho Porfírio e Genilson Kezomae) foi suspensa, por falta de policiamento e foi retomada às 7h desta quarta-feira.

Às 17h15 de ontem, foram lidas as 728 páginas do relatório final e hoje, estão sendo feitas as considerações finais, os advogados de defesa e acusação também têm um tempo para se pronunciarem e após será feira a votação e para que ela ocorra sem prejuízos serão necessários cerca de 50 policiais fazem a segurança na câmara.

A população poderá acompanhar a votação de cassação já que um telão será colocado do lado de fora da câmara, por populares, a estimativa é que aproximadamente 1.500 pessoas acompanhe a votação, pois essa era a quantidade de pessoas que ficaram na frente da câmara quando iniciou a sessão.

Os réus são acusados de se beneficiar de irregularidades e desvios de recursos destinados para a saúde, através da contratação do instituto Idheas, aprovado pela câmara tangaraense. Os vereadores são acusados de quebra de decoro parlamentar ao votarem o projeto que autorizou a contratação da Oscip pelo município para gerir a questão da saúde local. Devido a este fato, além da possibilidade de perder o mandato, os vereadores também podem ser condenados por atos de improbidade administrativa, no qual já respondem devido a uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público.

Caminhoneiro morre em acidente na 'curva da morte' na rodovia MT-358

Um caminhoneiro de 42 anos morreu após perder o controle do caminhão que dirigia e capotar por alguns metros na chamada "curva da morte" na rodovia MT-358, na Serra dos Parecis, entre Tangará da Serra e Campo Novo do Parecis. A vítima foi encontrada já sem vida pelo Corpo de Bombeiros e Polícia Militar e estava presa às ferragens.

O acidente aconteceu na noite desta terça-feira (30) e as causas ainda serão investigadas. "Não havia marca de frenagem na curva. Quer dizer que ele não teve nenhuma reação para se defender ou não viu a curva e entrou como se a estrada continuasse", declarou o perito Adavilson Partinelo, em entrevista à TV Centro América.

O caminhão, com placas de Várzea Grande, mesma cidade onde o caminhoneiro residia, estava carregado com couro bovino. Quem trafega pela rodovia MT-358 reconhece os perigos da "curva da morte". "É uma curva perigosa, mal sinalizada e as pessoas que passam por aqui pela primeira vez são pegas de surpresa e acontecem essas fatalidades", salientou o perito.

As condições da estrada estadual já receberam, no ano passado, conceitos de ruim a péssimo na pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes, que avaliou aspectos como o pavimento e sinalização. Uma extensão de 130 quilômetros foi mapeada e, na avaliação geral, recebeu status de 'ruim'.

Pavimento e sinalização da via foram considerados ruins pela confederação. Ao observar a condição do pavimento, a CNT levou em conta a condição de superfície (perfeito, ondulado, buracos) e o pavimento do acostamento. Para a sinalização, avaliou a existência de faixas centrais e laterais, placas de limite de velocidade, visibilidade e legibilidade das placas.

A pior classificou ficou com a geometria, cujo conceito foi "péssimo". Neste quesito foram avaliadas a presença de pista simples, dupla, faixa adicional de subida, terceira faixa e sua condição, condição de pontes e viadutos e acostamento. G1 MT