24 de abril de 2012

Oposição quer saber se Cachoeira financiou campanha de Lula em 2002


Em CPI, oposição quer saber se Cachoeira financiou campanha de Lula em 2002

Incentivador da CPI do Cachoeira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode virar um dos focos da comissão de inquérito. A oposição tirou da gaveta depoimento do advogado Rogério Buratti à CPI dos Bingos, em 2005, no qual ele diz que em parceria com "empresários dos jogos" do Rio de São Paulo, Carlinhos Cachoeira teria dado R$ 1 milhão de caixa dois para campanha de Lula em 2002.

Cachoeira foi preso pela Polícia Federal por envolvimento com o jogo ilegal e seus negócios serão investigados por uma CPI no Congresso. A comissão deve ser criada hoje e terá maioria governista, com votos suficientes para barrar os planos da oposição. Diz o texto da CPI dos Bingos: "Rogério Tadeu Buratti afirmou de maneira firme e clara que o senhor Waldomiro Diniz, representando José Dirceu, arrecadou dinheiro de 'bingueiros' no Estado do Rio de Janeiro, e ainda da Gtech e do empresário de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e que o valor arrecadado por Waldomiro seria algo em torno de R$ 1 milhão." 

No total, segundo o relatório, "empresas de jogos" irrigaram "a campanha do presidente Lula e o PT" com R$ 2 milhões de reais. "Os recursos transitaram pelo comitê financeiro da campanha." Buratti foi secretário do ex-ministro Antonio Palocci na prefeitura de Ribeirão Preto (SP). Waldomiro Diniz, citado por ele, era braço direito do então ministro José Dirceu, que coordenou a campanha de Lula em 2002. 

O ex-senador Efraim Morais (DEM-PB), relator da CPI dos Bingos, disse que a investigação dessa denúncia não foi aprofundada na época porque houve uma manobra governista que impediu a quebra de sigilos bancários. Assessor do ex-presidente Lula, Paulo Okamoto, disse à Folha que a oposição tem que convocar outro ex-ministro, José Dirceu, para explicar a declaração, e não o Lula. "Se o Buratti está dizendo que recebeu o dinheiro tem que chamar o Buratti, o Cachoeira, o Zé Dirceu." 

"O Lula queria tanto a CPI que pode até ser sorteado com um depoimento para explicar o dinheiro do Cachoeira na sua campanha", afirmou o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR). "Teremos o vale a pena ver de novo. Se o propósito dessa CPI era atingir as oposições ou criar uma névoa sobre o julgamento do mensalão o tiro pode sair pela culatra", complementou o líder do PSDB, deputado Bruno Araújo (PE). 

Buratti, que mora hoje na Itália, não foi localizado pela Folha. Ele foi investigado pela CPI dos Bingos devido a sua ligação com a Gtech, empresa que a CEF (Caixa Econômica Federal) tinha contrato para operar as loterias.
Fonte: Folha de São Paulo

Conjunto musical formado por surdos mostra superação de alunos em Tangará da Serra


Uma banda composta por pessoas com deficiência auditiva tem ganhado destaque em Tangará da Serra. Segundo o maestro Toni Carlos, os 'Absurdos', nome bem humorado da banda, querem mostrar o que se pode alcançar quando a força de vontade encontra o apoio de uma mão amiga.

O trabalho é pioneiro porque mesmo sem poder ouvir, todos os integrantes tocam instrumentos musicais em conjunto.
“Existe a limitação, daí vem a superação. Geralmente a gente encontra muita dificuldade. A gente erra muito para chegar em um ponto e acertar, porque como é um trabalho pioneiro, nós não temos referência de como fazer. Depois que a gente encontra um jeito de como fazer, fica tudo perfeito”, disse o maestro da equipe.
Há 12 anos, Toni Carlos começou uma especialização em Educação Especial. No entanto, ele afirma que logo no primeiro dia do curso o professor o atentou para o fato de que não tem como ensinar música para surdos. “Ele chegou a essa conclusão. Com isso, logo eu estaria desistindo desse projeto. Mas esse relato me tocou profundamente. Me aguçou a ideia de que ele estava errado e que isso era sim possível”, relatou Toni Carlos.
Após o curso, Toni Carlos conseguiu montar a banda, mas em 2005 o sonho de todos os integrantes ficou interrompido por sete anos por falta de apoio. Agora, os músicos do conjunto voltaram a fazer o que gostam.
Por meio da Língua Brasileira de Sinais (Libras), a tecladista Jaiana, que está no projeto desde 2001, afirmou que pode até não ouvir, mas sente aquilo que toca. “A paixão começou quando comecei a aprender aos poucos. Eu gostei de tocar teclado, sentindo a vibração do contra baixo. Eu toco e posso fazer sem ouvir, porque sinto o som através da vibração e toco. Isso é superação”, ressaltou a tecladista. G1 MT

Tangará da Serra teve 22 pessoas presas em abril; interior 258


O diretor de interior, Aldo Costa da Silva, disse que o objeto do trabalho foi alcançado

SECOM/MT


Em seis dias de operação no interior de Mato Grosso, a Polícia Judiciária Civil levou 258 pessoas para a cadeia. Este é o saldo da operação "Abril", realizada entre os dias 16 e 20 de abril pelas delegacias das 12 Regionais da Diretoria de Interior da Polícia Civil. Foram 167 mandados (prisão e busca) cumpridos, lavrados 153 autos de prisão em flagrante, apreendidos 67 quilos de droga, 53 mil e 70 veículos. 

Para a operação foram mobilizados 508 policiais das Regionais de Alta Floresta, Alto Araguaia, Barra do Garças, Cáceres, Diamantino, Juína, Água Boa, Pontes e Lacerda, Rondonópolis, Porto Alegre do Norte, Sinop e Tangará da Serra. 

O diretor de interior, Aldo Costa da Silva, disse que o objeto do trabalho foi alcançado. Conforme o diretor, a operação faz parte do cronograma de atuação da diretoria que planejou pelo menos uma operação integrada por mês com todas as delegacias de polícia do interior. “Cada delegado fica encarregado de fazer cinco representações judiciais, para cada uma das operações”, explicou. 

Em número de prisões, Cáceres está entre as três primeiras com 35 presos e 62 quilos de drogas, sendo 56 quilos de pasta-base encontrados dentro de um veículo que colidiu com outro, em fuga durante operação da Delegacia do Adolescente, no dia 10 de abril. Na localidade também foram apreendidos dez armas de fogo e 12 veículos. 

Em primeiro lugar está a Regional de Rondonópolis com 44 prisões, 11 armas e 15 veículos. A Regional de Juina prendeu 38 pessoas. Sinop efetuou a prisão de 36 pessoas, apreendeu 4 quilos de drogas, 4 armas e 5 veículos. Barra do Garças prendeu 31 pessoas, apreendeu 8 armas e 17 veículos. Em Tangará da Serra 22 pessoas, uma arma, três veículos e 6 motosserras. Na sequência ficaram as Regional de Alto Araguaia (14 presos), Alta Floresta (12 presos), Diamantino (11), Àgua Boa (10) e Porto Alegre do Norte (3).