24 de maio de 2014

Dilma confirma presença em três jogos da Copa do Mundo

Até agora, 14 chefes de Estado ou de governo confirmaram presença em algum jogo da Copa do Mundo no Brasil. A presidente Dilma Rousseff, por sua vez, vai a três partidas da competição. Para começar, ela estará na abertura, dia 12 de junho, no Itaquerão, em São Paulo, quando terá a companhia do presidente da Croácia, Zoran Milanovic – a disputa pelo Grupo A será entre brasileiros e croatas.
Depois, Dilma irá assistir ao primeiro jogo do Grupo G, entre Alemanha e Portugal, dia 16 de junho, na Arena Fonte Nova, em Salvador, quando estará ao lado da chanceler alemã, Angela Merkel, e do primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos, que virão ao Brasil prestigiar a estreia de seus times na Copa.
Por fim, a presidente estará também na final da Copa, em 13 de julho, no Maracanã, também ao lado de vários chefes de Estado, entre eles, Vladimir Putin, presidente da Rússia, Xi Jinping, da China, e Jacob Zuma, da África do Sul. No dia seguinte, os três seguirão para Fortaleza, a fim de participar da reunião dos BRICs, grupo que congrega os quatro países emergentes.

TSE recebe representação do PT contra Eduardo Campos por propaganda antecipada

O PT ajuizou representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos e o jornal Folha de Pernambuco por suposta propaganda eleitoral antecipada. O partido pede ao TSE a aplicação de multa entre R$ 5 mil a R$ 25 mil, de acordo com o parágrafo 3° do artigo 36 da Lei das Eleições (Lei n° 9.504/1997). A norma diz que será punido o responsável e o seu beneficiário, caso este tenha conhecimento prévio da mesma. Pela legislação em vigor, a propaganda eleitoral somente poderá ser feita a partir do dia 6 de julho do ano da eleição. No caso do veículo de comunicação, de acordo com o PSDB, “a sanção seria pedagógica para o fim de sinalizar aos demais, os limites da legislação eleitoral”.
Na ação, o PT diz que a publicação do dia 21 março do jornal Folha de Pernambuco foi “claramente projetada para enfatizar futura candidatura do primeiro representado [Eduardo Campos] ao cargo de presidente da República”. Segundo a representação, o jornal “trouxe diversas propagandas eleitorais subliminares do primeiro representado, exaltando sua imagem pessoal, enumerando suas realizações políticas, pedindo implicitamente votos e referindo-se ao ex-governador como exemplo de gestor, projetando-se a sua ascensão política a nível nacional como a também pré-candidata a vice-presidente da República Marina Silva”.