17 de setembro de 2014

Lúdio veicula mentira sobre Taques e juiz suspende o programa eleitoral


A Justiça Eleitoral suspendeu programa eleitoral do candidato ao Governo Lúdio Cabral (PT) por descontextualizar fala do candidato adversário Pedro Taques (PDT) para prejudicá-lo por meio de inverdades. A decisão do juiz Alberto Pampano Neto determinou a não veiculação do vídeo em que a coligação do petista usa imagens do debate da rádio Mix e mandou cortar o dobro do tempo em relação ao que já foi veiculado.

“Assim, trata-se de uma técnica audiovisual pueril, bem como, atitude desnecessária e inescrupulosa, haja vista que o horário reservado ao programa eleitoral, pode ser melhor utilizado, ainda que para formulação de críticas e comparações aos candidatos, eis que admitida em nosso ordenamento jurídico a propaganda eleitoral negativa, porém, sem veicular inverdades”, diz trecho da decisão.

A exibição em questão ocorreu na segunda (15). Nela, Lúdio usa montagem do debate na rádio em que Taques fala sobre seu suplente no Senado para passar a impressão de que ele não tivesse respondido sobre a situação. “O que eu Senador, tem a ver com isso? Absolutamente nada”, colocou Lúdio no corte. Ao contrário do que foi veiculado, Taques respondeu claramente que quem vai ficar no seu lugar caso ganhe a eleição será José Medeiros (PPS).

Na ocasião, o pedetista ainda explicou sobre a disputa na justiça entre os dois suplentes, já que Paulo Fiúza reivindica a primeira suplência devido a erro no protocolo no sistema do TRE. No entanto, deixou bem claro que hoje o primeiro suplente é o policial federal.


Na decisão, o juiz explica que o candidato do PT, utilizou respostas de Taques de modo descontextualizado, com objetivo único de ridicularizá-lo, atribuindo-lhe a impressão de total omissão e desconhecimento a respeito dos seus suplentes no Senado, o que não ocorreu.

Dorjival Silva é o nosso deputado estadual - 12.221


Caso eleito, Pedro Taques afirma que irá reestruturar Empaer


O candidato ao governo de Mato Grosso, senador Pedro Taques (PDT), participou nesta segunda-feira (15.09) da comemoração de 55 anos da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), organizado pelo Sindicato dos Trabalhadores da Assistência Técnica Extensão Rural e Pesquisa Pública de Mato Grosso (Sinterp), no Hotel Fazenda Mato Grosso. 

Único nome da oposição, candidato afirmou que em seu governo, caso eleito, o órgão será reestruturado e preparado para a grande revolução que haverá no campo.


“Vamos fortalecer e resgatar o papel da Empaer para que ela oriente e capacite as mais de 160 mil famílias que hoje se encontram nos 716 assentamentos por falta de uma visão estratégica do Estado”, afirmou.

Taques observou que por entender a importância desse setor para o Estado tem um candidato a vice-governador que veio de um município que a base era um assentamento de reforma agrária, Lucas do Rio Verde. 

“O meu candidato a vice, o Carlos Fávaro, vai cuidar da agricultura familiar porque ele tem conhecimento e propriedade para tratar do assunto. Ele já viveu essas dificuldades e sabe como fazer pra dar certo", afirmou o candidato.

Para Zeca, ausência em campanha de Lúdio configura "traição política"

Zeca Viana

A ausência do governador Silval Barbosa (PMDB) na campanha de Lúdio Cabral (PT) ao Palácio Paiaguás configura-se como uma traição política e mostra o caráter do petista, segundo avalia o deputado estadual Zeca Viana (PDT), candidato à reeleição.

Para o pedetista, é nítida a intenção de Lúdio afastar Silval Barbosa de seu programa eleitoral.

“Estamos a menos de 20 dias das eleições e até agora nada de Silval. A intenção do Lúdio em escondê-lo, em não assumir que é o candidato do Silval e por isso a continuidade desse atual governo, mostra como ele trata seus apoiadores. Ele trai aqueles que são seus aliados. Como alguém assim pode governar Mato Grosso?”, analisou o deputado.