20 de abril de 2015

DÍVIDA DE CAMPANHA: Justiça manda penhorar R$ 6,1 milhões do

Gazeta Digital

Por dívidas de empréstimos contraídos junto ao engenheiro Pedro Luis Araújo Filho para custear sua campanha eleitoral em 2010, o deputado federal Carlos Bezerra (PMDB) terá R$ 6,1 milhões penhorados por determinação da juíza Ana Paula Carlota Miranda, da 3ª Vara Cível de Cuiabá. A decisão da magistrada foi dada numa ação de execução de dívidas movida por Pedro e que tramita desde janeiro de 2014 no Judiciário. A esposa de Bezerra, a ex-deputada estadual Maria Aparecida Borges Bezerra, a Teté Bezerra (PMDB), também é ré no processo e os bloqueios também devem incidir sobre seus bens.

O deputado vem tentando suspender a execução da dívida, mas até o momento não obteve êxito. Ele ingressou na mesma vara com um recurso de embargos à execução, mas a juíza negou o pedido na última quarta-feira (15). “O embargante [Carlos Bezerra] não demonstrou a existência de omissão, obscuridade e/ou contradição na decisão recorrida à autorizar a oposição do recurso de embargos de declaração”, destacou a magistrada.


Consta na ação, que Carlos Gomes Bezerra ao ser citado e indicou bens à penhora, mas deixou de apresentar a procuração, instrumento que só foi apresentado nos embargos à execução. No recurso, o parlamentar ofertou 4 lotes de debêntures da Eletrobrás, avaliadas em R$ 7.8 milhões, mas a indicação foi rejeitada pelo engenheiro. Pedro então indicou outros bens para garantir a execução da dívida. Debênture é um título de dívida, de médio e longo prazo, que confere a seu detentor um direito de crédito contra a companhia emissora. Quem investe em debêntures se torna credor dessas companhias.

Em nova petição o deputado ressaltou indicação anterior de 40 lotes de pedras preciosas, esmeralda, no valor aproximado de R$ 500 mil e das debêntures da Eletrobrás, fazendo nova indicação de bens: 1 mil hectares de uma área de terras situada no município de Sinop (500 Km ao norte de Cuiabá) de propriedade de Alcides Pradebon.

Ao determinar a penhora, a juíza também determinou que o deputado Carlos Bezerra regularize a sua representação processual, em 10 dias. A decisão foi prolatada no dia 15 deste mês. Ela também disse ser justa a recusa por parte do credor que não aceitou os títulos de dívidas junto à Eletrobras e nem o imóvel de terceiros indicado por Bezerra em Sinop “uma vez que ele não está livre e desembaraçado, apresentando documentos para comprovar que a propriedade foi transferida de forma fraudulenta, além de constar existência de possível cancelamento da mesma por existir duplicidade”. Ao indicar o imóvel de terceiro à penhora, Bezerra deixou de apresentar cópia de inteiro teor da matricula, se limitando a juntar termo de autorização de indicação de bem imóvel à penhora e procuração.

Assim, diante da recusa justificada dos bens pelo credor, a juíza tornou ineficaz a indicação de bens por Bezerra. “Defiro a penhora dos créditos que os executados possuem junto à empresa Ginco Empreendimentos Imobiliário. Oficie-se para a referida empresa, a fim de que confirme a existência de créditos em favor dos executados, devendo depositá-los em juízo, em conta vinculada à este processo, até o limite desta execução”, despachou a juíza.


No processo, a magistrada ficou os honorários advocatícios em 15% sobre o valor da causa. O débito atualizado é de R$ 6.093 milhões e outros R$ 51,5 mil das custas processuais o que totaliza R$ 6.1 milhões a ser pago por Bezerra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com