21 de abril de 2015

Nome de Taques entra no debate sobre candidaturas à Presidência da República

Romilson Dourado 

O debate nacional sobre possíveis candidaturas à Presidência da República em 2018 começa a incluir naturalmente o nome de Pedro Taques. E essa alternativa pode ganhar dimensão e respaldo que muitos nem imaginam, principalmente se daqui a dois anos o governador tiver um bom conceito administrativo. É muito forte o seu discurso pela moralidade e ética. Provou ser bom legislador. Falta agora a chancela de “bom gestor”.

A opção vem na onda da cobrança por candidatos ficha limpa. Certamente, Taques sobrevive à depuração de nomes em meio a tantos que estão manchados por envolvimento em escândalos e a outros que volta e meia vão parar na cadeia.
Conspira também a seu favor o fato do petismo, que deve ficar 16 anos no poder, estar em frangalhos, com a moral no chão. E mais: as oposições batem cabeça porque não apresentam nomes capazes de absorver as vozes das ruas. Procuram novos projetos, que não sejam o tucano Aécio Neves e nem Marina Silva, que sonha em deixar o PSB para fundar logo a Rede Sustentabilidade.

O assédio político a Taques aumentou por causa da vacância de quadros com perfil capaz de consolidar projeto à sucessão de Dilma Rousseff. Procuram-no grupos empresariais, representantes de entidades e dirigentes partidários. E ele deu sinais de que tanto pode deixar o PDT para se firmar de vez como oposição ao Palácio do Planalto quanto topar uma candidatura presidencial.

De fato, é corajoso.  Em 2010, Taques, já conhecido nacionalmente pela atuação dura contra o crime organização e a corrupção envolvendo figuras graúdas dos meios político e empresarial, pediu exoneração do cargo vitalício de procurador da República para concorrer ao Senado. E se deu bem nas urnas. No Senado, viu abrir brechas para concorrer à Presidência, mesmo sabendo que só serviria de plataforma para visibilidade e mais projeção pública. E encarou. Perdeu para Renan Calheiros de 18 a 56 naquele 1º de fevereiro de 2013.


Como é cedo para abrir essa discussão pela corrida ao Planalto, o governador mato-grossense faz de conta que nada está acontecendo. Mas, nos bastidores, se vê mergulhado em conversações intensas em âmbito nacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com