3 de junho de 2015

Zico confirma chance de buscar presidência da Fifa: ‘Agora a possibilidade é real’

zicoHoras depois de Joseph Blatter renunciar ao cargo de presidente da Fifa, um importante nome do futebol mundial manifestou certo desejo de ocupar a vaga. Na noite desta terça-feira, ninguém menos do que Zico manifestou-se sobre o assunto e, em contato com a reportagem do ESPN.com.br, tratou a ideia da candidatura como ‘uma possibilidade real’.
“É, por que, não? Agora a possibilidade pode ser real, pois antes era impossível como é na CBF e em outras confederações e federações pelo mundo”, respondeu o eterno camisa 10 da Gávea. Sem o suíço, Zico acha que agora o caminho ficou aberto, ao contrário da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), presidida atualmente por Marco Polo Del Nero. “Lá (CBF), é impossível, assim como em outras federações e confederações”, repetiu o agora possível candidato à presidência da Fifa, ainda em conversa com a reportagem.

Temer servirá bem a Dilma até quando?

temerdilma
Michel Temer (PMDB-SP), vice-presidente da República, assumiu a coordenação política do governo para tentar salvar a presidente Dilma Rousseff de um vexame inesquecível.
Pressionada por Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, Dilma havia decidido tirar da coordenação política o ministro Pepe Vargas (PT-RS).
Eduardo jamais perdoou Pepe por ter operado para evitar sua ascensão ao cargo de presidente da Câmara.
Dilma convidou Eliseu Padilha (PMDB-RS), seu ministro da Aviação Civil, para substituir Pepe. E – pasme! – Eliseu recusou o convite. Alegou que se tornara pai recentemente.
Desculpa rota!
Uma vez que Temer assumiu a coordenação política, Padilha concordou em assessorá-lo na nova função. E hoje trabalha mais do que antes.
Não há data marcada para que Temer se despeça da coordenação política do governo. E nada, por enquanto, o obriga a deixá-la um dia.
Mas a ele foi encomendado que cuidasse da aprovação pelo Congresso do ajuste fiscal. E a aprovação vai bem, obrigado. Em breve estará liquidada.
Haverá sentido em que depois disso Temer continue tocando a coordenação política? O que acontecerá quando ele, como presidente do PMDB, discordar do que pense a presidente?
Temer, por exemplo, concorda com a tese de Eduardo de que a redução da maioridade penal é um assunto a ser tratado pelo Congresso – pelo governo, não.
Eduardo não só pensa assim como é favorável à redução da maioridade penal.
Dilma é contra. E orientou o ministro da Justiça a procurar a oposição para juntos encontrarem uma maneira de derrotar Eduardo.
Quanto a Temer… Como ficará na foto?
O ministro da Justiça substituirá Temer sempre que o vice-presidente for voto vencido dentro do governo?
Isso tem tudo para dar errado.
Por Ricardo Noblat

Isenção de R$ 1,5 bi para a Fifa volta à tona após escândalos de corrupção

fifa logoA isenção total de impostos à Fifa para a realização da Copa do Mundo no Brasil será um dos argumentos para a abertura de investigação nos contratos da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) relativos às copas das Confederações e do Mundo, em 2013 e 2014. Ao todo, R$ 1,5 bilhão foi dado de isenção para a Fifa na realização do mundial no ano passado.
O Brasil inovou ao dar isenção total à Fifa. Os últimos países a sediar a Copa do Mundo optaram por taxar a Fifa ao invés de só esperar pelo retorno financeiro do mega-evento. Enquanto o Brasil forneceu isenção total à entidade, a Alemanha de 2006, por exemplo, arrecadou pelo menos 108 milhões de euros com taxação de impostos, ou aproximadamente R$ 326 milhões.

Financiamento privado vai sair caro para a sociedade, diz ministro do STF

marco aurelio melloO ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello criticou hoje (2) o financiamento privado de campanha, aprovado pela Câmara dos Deputados na semana passada. “O financiamento privado vai sair caro para a sociedade”, disse no programa Espaço Público, da TV Brasil. “Não tem altruísmo, as empresas não doam tendo em conta a ideologia dos partidos. Depois buscam o troco e esse troco que é muito caro à sociedade”, disse Marco Aurélio.
O financiamento privado foi votado na semana passada na Câmara dos Deputados, com 330 a favor, 141 contra e 1 abstenção, os deputados aprovaram o financiamento privado com doações de pessoas físicas e jurídicas a partidos e de pessoas físicas para candidatos. “Para que os partidos teriam esses recursos senão para repassar aos candidatos?”, destacou o ministro.

População carcerária do Brasil cresce 74% em sete anos

Menina-de-12-anos-esta-presa-em-cadeia-publica-em-MSA população prisional no Brasil cresceu 74% entre 2005 e 2012. Em 2005, o número absoluto de presos no país era 296.919. Sete anos depois, passou para 515.482 presos. A população prisional masculina cresceu 70%, enquanto a população feminina cresceu 146% no mesmo período. Em 2012, aproximadamente um terço da população prisional brasileira estavam encarceradas em São Paulo.
Os dados estão no estudo Mapa do Encarceramento: os Jovens do Brasil, divulgado hoje (3) pela Secretaria-Geral da Presidência da República. O levantamento foi feito pela pesquisadora Jacqueline Sinhoretto com base nos dados Sistema Integrado de Informações Penitenciárias (InfoPen), do Ministério da Justiça. Segundo o estudo, o crescimento foi impulsionado pela prisão de jovens, negros e mulheres.

ESTRATÉGIA: Deputados do PR podem disputar 2016

MARCOS LEMOS

A fim de demonstrar força política, mesmo sem a certeza de manter os atuais quadros parlamentares - caso se confirme a já anunciada saída do senador Blairo Maggi -, o PR decidiu forçar seus cinco deputados estaduais a disputar as eleições municipais de 2016. A ideia é construir uma base eleitoral para lançar o senador Wellington Fagundes como candidato a governador em 2018, mesmo contra Pedro Taques (PDT).

A única dúvida ficou por conta do reduto eleitoral disputado pelos deputados Nininho, primeiro secretário da Assembleia Legislativa, e Sebastião Rezende, que nutrem a vontade de disputar as eleições em Rondonópolis, o segundo maior e mais próspero município de Mato Grosso.

Outro parlamentar, mas que também resiste à tese partidária, é o deputado Emanuel Pinheiro, considerado por todos como candidato natural a sucessão em Cuiabá. Emanuel Pinheiro tem ligações profundas com o prefeito Mauro Mendes (PSB) e tenta manter os Republicanos no arco de apoio não só da administração, mas também de uma eventual candidatura à reeleição.

Aliás, Pinheiro era o nome preferido em 2012 quando Mauro Mendes disputou a Prefeitura de Cuiabá e acabou colocando o então deputado João Malheiros como vice.

Malheiros acabou se tornando uma grande dor de cabeça para Mauro Mendes, ao ponto de não assumir o mandato e se mantendo como deputado estadual, o que levou a momentos difíceis no primeiro ano do mandato do atual prefeito de Cuiabá.

O deputado Mauro Savi teve seu nome lembrado como candidato a prefeito de Sorriso, outra grande cidade que está entre as mais prósperas de Mato Grosso e do Brasil. Próximo do senador Blairo Maggi, Savi que está no seu quarto mandato, esteve com o pé fora do PR após a reviravolta na eleição da Mesa Diretora da Assembleia. Vencida a crise, Savi, aguarda uma decisão de Maggi, mas não descarta disputar as eleições em Sorriso.

O deputado Wagner Ramos, que está no seu terceiro mandato de parlamentar estadual e tem sua base eleitoral em Tangará da Serra, é outro cotado.

Certo mesmo é que o PR quer demonstrar força eleitoral e respaldo popular para não ser deixado de lado, caso não tenha nomes para a disputa em 2018 para o governo do Estado, ou dependendo dos resultados de 2016, indique como candidato ao governo do Estado, o senador Wellington Fagundes que assim como Pedro Taques poderá disputar no meio do mandato o governo de Mato Grosso.