8 de junho de 2015

Verba indenizatória de deputados de MT é a mais alta do país, diz pesquisa

Cada um dos 24 deputados da ALMT recebe verba
de R$ 65 mil. (Foto: Fablício Rodrigues / ALMT)
Levantamento divulgado pela organização Transparência Brasil aponta que os deputados estaduais de Mato Grosso são os parlamentares que mais recebem verba indenizatória entre todas as assembleias legislativas do país. Além do salário de R$ 25,3 mil, cada um dos 24 deputados estaduais da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) tem recebido diretamente na conta bancária mensalmente a quantia de R$ 65 mil que, em tese, devem servir para cobrir despesas próprias do exercício parlamentar, mas cuja utilização não sofre qualquer tipo de controle de prestação de contas.

A verba indenizatória dos deputados da ALMT é tão alta que supera em 30% a segunda maior verba constatada no Brasil, destinada aos deputados estaduais de Roraima, que recebem mensalmente um teto de R$ 50 mil para custear despesas do cargo. Em todo o Brasil, a média registrada do valor de verbas indenizatórias é de R$ 31,8 mil. O menor valor de verba indenizatória constatado no país é dos deputados estaduais do Pernambuco, que recebem um teto de R$ 15.450,00.

Desde 2010 a verba indenizatória destinada aos deputados estaduais de Mato Grosso já cresceu mais de quatro vezes, superando as variações da inflação média registrada no país. De 2010 para 2011 o acréscimo na verba foi de 33,34%, saindo de R$ 15 mil para R$ 20 mil (lei 9.626/2011). De 2011 para 2012, a variação foi de 75%, quando o valor subiu a R$ 35 mil (lei 9.866/2012).

Aliada aos aumentos salariais, a elevação do valor da verba indenizatória tem feito com que a Assembleia Legislativa de Mato Grosso também figure entre as mais caras do país, considerando-se o quanto cada contribuinte tenha de pagar anualmente para sustentar seu orçamento.

Em Mato Grosso, aponta a Transparência Brasil, no ano de 2015 o contribuinte deverá desembolsar R$ 132,36 para cobrir o orçamento de R$ 412,3 milhões da ALMT – valor que corresponde a 0,51% do Produto Interno Bruto (PIB) – geração de riquezas em produtos e serviços – do estado. O valor desembolsado por contribuinte é o quarto maior previsto no país para este ano, atrás apenas dos calculados nos estados de Roraima, Amapá e Acre.

Verba indenizatória
Cabe a cada Assembleia Legislativa definir por conta própria o valor da verba indenizatória de acordo com seus critérios, bem como estabelecer a forma com que o dinheiro deve ser repassado a cada parlamentar.

Anteriormente, no caso da ALMT, a verba indenizatória era depositada em benefício do deputado ao final do mês, após a apresentação de notas fiscais e demais documentos comprovantes dos gastos. Porém, desde a última elevação do valor, a ALMT também mudou no mesmo decreto legislativo a forma de pagamento da verba. Agora, o valor equivalente ao teto de R$ 65 mil é diretamente depositado na conta bancária de cada deputado já no início do mês, junto ao salário.

Esta modalidade foi classificada como “o caso mais absurdo” de pagamento de verbas indenizatórias para deputados estaduais no país, conforme o estudo da
Transparência Brasil.

“O caso mais absurdo é o de Mato Grosso: além de ter a Assembleia Legislativa com a cota mais alta do país, o pagamento deixou de ser indenizatório. Dessa maneira, os R$ 65 mil são depositados automaticamente na conta do parlamentar, que não precisa mais apresentar comprovantes fiscais antes de receber o dinheiro”, critica o texto do estudo.

De acordo com parte dos deputados da ALMT, a não exigência de prestação de contas não significa que os gastos com a verba indenizatória estejam sendo feitos sem controle.

O deputado Oscar Bezerra (PSB) relatou ao G1 que guarda comprovantes e notas fiscais de todos os gastos feitos com a verba indenizatória para o caso de ter de justificar alguma despesa. E a verba, segundo ele, tem sido utilizada principalmente para custear deslocamentos pelo interior do estado.

Bezerra contou que a cota para passagens aéreas fixada pela ALMT em contratos com empresas de aviação serve apenas para missões oficiais em nome do Poder Legislativo, de forma que os demais deslocamentos para as regiões das bases eleitorais dos parlamentares devem ser custeados com a verba indenizatória. E, num estado de distâncias continentais, defendeu Bezerra, os R$ 65 mil têm sido de acordo com a realidade vivida pelos deputados.

“Não tem sentido eu representar uma região e não me dirigir até lá”, argumentou, lembrando que sua base eleitoral se espalha entre regiões distantes como Colniza (a 1.065 km da capital) e as proximidades de Rondolândia (a 1.600 km), na região noroeste do estado.

Já o deputado Wilson Santos (PSDB), líder do governo na ALMT, contou que tem gastado a verba indenizatória com deslocamentos ao interior e promoção de audiências públicas para debater o sistema de educação ciclada – já foram seis audiências até agora, todas no interior, segundo o parlamentar.

Santos também afirmou estar usando parte da verba para despesas de gabinete e para contribuir com a construção da sede da associação de pequenos produtores do Cinturão Verde, zona rural próxima ao bairro Pedra 90, em Cuiabá. O parlamentar também assegurou que tem recolhido documentação sobre todos os gastos para que possa justificá-los quando necessário.

Provocada pela reportagem, a Mesa Diretora da ALMT publicou nota afirmando respeitar a pesquisa da Transparência Brasil, mas defendendo a lisura com que a verba indenizatória tem sido distribuída e utilizada.

O valor, enfatiza a nota, é destinado somente para cobrir despesas dos deputados no desempenho das funções institucionais, “ou seja, não é destinado para gastos pessoais. Inclusive, foram proibidos o pagamento de benefícios como auxilio moradia, verba de gabinete, pagamento de diárias, dentre outras concessões”.


A nota também defende que, apesar do aumento da verba indenizatória, a ALMT tem passado por corte de gastos que já permitiram a devolução ao Poder Executivo de R$ 20 milhões do duodécimo do Poder Legislativo. “Desde o início da atual legislatura, a Mesa Diretora adotou medidas austeras de controle de gastos. A folha de pagamento está sendo reduzida em 25% e todos os demais gastos – incluindo os de publicidade- serão reduzidos em 30%”, completa a nota. Renê Dióz
Do G1 MT

Dilma diz que é impossível ligação entre ela e o esquema de corrupção na Petrobras

Em entrevista ao canal francês TV France 24, divulgada nesta segunda-feira, a presidente Dilma Rousseff disse ser impossível que se aponte ligação entre ela e o escândalo de desvio de dinheiro da Petrobras, investigado na Operação Lava-Jato. A presidente fez a afirmação após o jornalista Marc Perelman perguntar se a presidente assumiria as consequências caso as investigações cheguem até ela.
“Eu não estou ligada (ao escândalo). Eu não respondo a esta questão porque eu não estou ligada. Eu sei que não estou nisso. É impossível. Eu lutarei até o fim para demonstrar que eu não estou ligada. Eu sei o que eu faço. E eu tenho uma história por trás de mim. Neste sentido, eu nunca tive uma única acusação contra mim por qualquer malfeito. Então, não é uma questão de ‘se’. Eu não estou ligada”, disse a presidente.

Nova novela da Globo: Com cenas de sexo, nudez e abuso de drogas

lesbicas novela“Verdades secretas”, nova novela das 23h da Globo, promete cenas picantes e muita polêmica. Com o tema central no book rosa, lista de agências que reúne modelos que atuam também como garotas de programa, a trama de Walcyr Carrasco promete abordar assuntos como sexo, prostituição e abuso de drogas que permeiam o submundo da moda.
No primeiro capítulo, exibido nesta segunda (8), já é possível ver nudez, beijo entre mulheres (protagonizado pela estreanteYasmin Brunet) e sexo (com a protagonistaGrazi Massafera).
Bumbum de Paolla e mais
Tais assuntos e cenas já estão presentes no horário “adulto” da emissora há algum tempo e têm dado o que falar. Quem vai esquecer que o romance de Daniel Oliveira e Sophie Charlotte começou durante as gravações picantes de “O Rebu”? E o tão comentado bumbum de Paolla Oliveira em “Felizes para Sempre?”?. 

MPF recebe representação contra mulher que praticou blasfêmia na Parada Gay

Deu em Lauro Jardim:

A “crucificação” da homofobia em um dos trios elétricos da Parada Gay de São Paulo, ontem, já é alvo de uma representação no Ministério Público Federal.
O deputado distrital Rodrigo Delmasso (PTN-DF), evangélico da Sara Nossa Terra, protocolou uma ação no MPF alegando crime de intolerância.

mulher na cruz dois

Ex-adjunto de Saúde é interrogado nesta 3ª; Henry será ouvido no dia 30

Mensaleiro Pedro Henry
O ex-secretário adjunto de Saúde Marcos Rogério Lima depõe, nesta terça (9), às 10h, na CPI das OSS. Já o depoimento do ex-secretário de Saúde Pedro Henry, que implementou o modelo de gestão por meio de organizações sociais, será ouvido em 30 de junho.

A inquirição de Henry é uma das mais aguardadas. A CPI, comandada por Leonardo Albuquerque (PDT), apura a existência de supostas irregularidades no repasse de recursos pelo Governo aos municípios, bem como possíveis falhas na execução dos contratos firmados pelo Estado entre OSS e os hospitais regionais.

O depoimento de Rogério deve ser importante na investigação acerca do atraso de repasses aos municípios nos anos de 2012, 2013 e 2014, durante a gestão Silval Barbosa (PMDB). Já foram ouvidas servidoras da secretaria estadual de Saúde e membros da Comissão Permanente de Contrato e Gestão de Saúde, Gleids Duarte Martins de Souza e Eterna Mariza Montalvão.

Coube a elas detalhar como era o formato dos convênios que eram firmados entre o Poder Executivo e as entidades de gestão dos hospitais. “Com as oitivas que fizemos chegamos à conclusão que existem falhas das comissões de avaliação. Isso ficou bem claro”, pondera Leonardo.

CPI das OSS ouve duas servidoras da SES e logo convocará ex-secretários
Ainda segundo ele, apesar de o Estado ter dezenas de contratos e não ter estrutura para fazer as vistas in loco, é preciso que seja reconstituída a comissão especial responsável pela validação dos relatórios. “Também é necessário que o Estado possa pagar o que é devido e realizado pelas OSS em Mato Grosso”, ressalta o pedetista. (Com Assessoria)


Família Riva, Rui Prado e prefeito são acusados de cometer crime eleitoral

Patrícia Sanches

José Riva e o prefeito de Tesouro Ilton
Ferreira Barbosa processados no TRE
José Riva e o prefeito de Tesouro Ilton Ferreira Barbosa processados no TER

A deputada Janaína Riva, o prefeito de Tesouro Ilton Ferreira Barbosa, assim como os pais da parlamentar ex-candidatos ao Governo, José Riva e a esposa Janete Riva, todos do PSD, respondem a processo no TRE.

São alvo de ação por suposto abuso de poder econômico e de autoridade, que teria sido praticado durante as eleições do ano passado. O caso é relatado pelo corregedor Luiz Ferreira da Silva.

Segundo a denúncia, feita pela Coligação Coragem e Atitude Pra Mudar, encabeçada pelo governador eleito Pedro Taques (PDT), o prefeito locou um prédio para instalar uma fábrica de costura, projeto social, mas, na verdade, o local se tornou comitê eleitoral do PSD.

Justamente por isso, também foram denunciados o então candidato a vice-governador Aray da Fonseca, Rui Prado (hoje PSDB), que disputou o Senado e os seus respectivos suplentes Manoel de Souza e Paulo Gasparoto.

Outro lado
O advogado de defesa do caso, José Rosa, garante que não houve crime eleitoral e avalia que o caso seja julgado improcedente. “Achei que não ia nem haver a denúncia”, disse ao Rdnews.

Segundo ele, ainda na fase inicial, a defesa juntou aos autos documentos que comprovam que o imóvel foi alugado pelo comitê e não pela prefeitura.

José Rosa reconhece que a prefeitura chegou a alugar o imóvel para a instalação do projeto social, mas que, depois, devolveu o prédio e transferiu o projeto do local.

“O prefeito devolveu a casa e o próprio prefeito, que estava coordenando a campanha na cidade, resolveu alugar para a campanha”, diz José Rosa.

O advogado pontua que o contrato foi firmado, por meio do comitê central, situado em Cuiabá, em nome de Riva e Janete, tendo sido declarado nas respectivas prestações de contas.  “Foi feito um contrato, em agosto ou setembro, a campanha já estava em andamento”.


Por fim, ressalta que os demais denunciados não têm nenhuma relação com a situação, por isso, de antemão, já solicitou que sejam excluídos do pólo do processo. O pedido ainda não foi apreciado.

Professores aprovam indicativo de greve e podem deixar 400 mil sem aula a partir de agosto

Patrícia Neves
Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto
Professores aprovam indicativo de greve e podem deixar 400 mil sem aula a partir de agosto
Os servidores do ensino público de Mato Grosso (Sintep) aprovaram indicativo de greve no Estado e poderão, em  agosto deste ano, deflagrar paralisação por tempo  indeterminado caso não consigam um acordo com o Governo do Estado no que tange ao pagamento imediato do resíduo de 3,11% do Reajuste Geral Anual (RGA) para as categorias. Na rede estadual,  o número de alunos atendidos é de cerca de 400 mil.

Assembleia realizada na tarde de hoje pela categoria reuniu cerca de 500 pessoas em Cuiabá.  Os cerca de 36 mil servidores que atuam em 748 unidades da rede estadual, além de assessorias pedagógicas e centros de formação e atualização profissional

Nos próximos dias, o Sindicato deverá solicitar uma nova reunião para que a pauta seja apresentada.

No mês de maio, data base das categorias (professores, técnicos e agentes)  o governo pagou o equivalente a 9% do RGA no mês de maio e apresentou proposta de pagamento do restante para novembro. E para evitar perdas, em janeiro de 2016 haveria a compensação financeira a todos os servidores da rede estadual.

Por força de Lei 540/2013, o Governo é obrigado a dobrar o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e o valor atinge o montante de 12%.

Secretaria de Gestão

Procurada, a Secretaria de Estado de Gestão informou que irá aguardar comunicação oficial da decisão coletiva. 

SEM FORO PRIVILEGIADO: Tribunal nega 42 recursos de Riva; ações ficam em 1ª Instância

LUCAS RODRIGUES
DO MIDIAJUR

A desembargadora Clarice Claudino, que negou
 seguimento a 42 recursos do deputado José Riva
A vice-presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargadora Clarice Claudino, negou seguimento a 42 recursos interpostos pela defesa do ex-deputado José Geraldo Riva (PSD).

Nos recursos, o político pretendia levar ao Supremo Tribunal Federal (STF) sua tentativa de manter, no âmbito do TJ-MT, as 21 ações penais em que é réu por crimes como peculato e lavagem de dinheiro.

O Pleno do Tribunal de Justiça remeteu todas essas ações para a Vara Contra o Crime Organizado da Capital, em fevereiro deste ano.

Na ocasião, o Pleno entendeu que Riva não possui mais a prerrogativa de ser julgado pelo TJ-MT, pois perdeu o foro privilegiado, em função do término de seu mandato de deputado. Assim, a competência para conduzir as ações passou a ser da 1ª Instância da Justiça Estadual.

No entanto, o político alegou que, apesar de ter cessado seu mandato de deputado estadual, as ações devem ser mantidas no Tribunal de Justiça de Mato Grosso, “haja vista que os supostos delitos ocorreram durante o exercício do seu mandato”.

Tese descartada

A tese do político não foi acatada pela vice-presidente do TJ-MT. Ela explicou que a decisão que enviou as ações à 1ª Instância está em consonância com o entendimento do próprio STF.

A desembargadora Clarice Claudino também verificou que a Súmula 286 do STF determina que não devem ser conhecidos os recursos extraordinários que visam a combater decisões que estão em conformidade com o entendimento do Supremo.

Ou seja, como o entendimento do TJ-MT foi semelhante ao aplicado pelo STF, a defesa não possui o direito de recorrer ao Supremo para rever a decisão.

“Desse modo, deve ser aplicado o referido verbete sumular quanto à suposta afronta aos artigos 5°, inciso LIII, e 53, § 1°, ambos da Constituição Federal, visto que o entendimento exarado no acórdão recorrido encontra-se em nítida sintonia com a Suprema Corte. Portanto, nego seguimento ao recurso”, decidiu.

As ações

As ações penais em questão são relativas a fatos interligados com a Operação Arca de Noé, deflagrada pela Polícia Federal em dezembro de 2001.

O ex-deputado é acusado pelo Ministério Público Estadual (MPE) de desviar recursos públicos, por meio de um suposto esquema em que cheques eram emitidos para pagar supostos fornecedores do Poder Legislativo, mas que acabavam descontados junto a Confiança Factoring.

A factoring pertencia ao grupo empresarial do ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro, e os valores descontados seriam destinados para pagamento de despesas pessoais ou de campanha eleitoral.

Situação de Riva

O ex-presidente da Assembleia Legislativa está preso desde o dia 21 de fevereiro, no Centro de Ressocialização de Cuiabá.

Ele foi preso em decorrência da Operação Imperador, deflagrada pelo Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual.

José Riva será interrogado nesta terça-feira (9) pela juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital.


Na mesma data, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) também analisará o mérito de um habeas corpus que pede a soltura do ex-deputado.

Atacado no PSDB, Aécio lança carta ao partido

Geraldo-Alckmin-José-Serra-e-Aécio-NevesPressionado por setores mais ideológicos do partido e pela ofensiva política deflagrada pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o senador Aécio Neves (MG) decidiu apresentar uma lista de propostas do PSDB para o resgate da economia do país. O documento, que está sendo chamado por ele de “carta de princípios à nação”, será divulgado na convenção do PSDB, em julho, quando Aécio será reconduzido à presidência nacional da legenda.
A ideia é que a carta traga ainda propostas para outras áreas. Com ela, Aécio responde a integrantes históricos do partido, incluindo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que cobram publicamente a adoção de uma postura mais propositiva por parte da oposição.
A iniciativa ainda faz frente à ofensiva do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que nas últimas semanas tem feito movimentos para nacionalizar o seu nome. A ideia de Aécio é fazer da convenção uma solenidade “programática”, para amenizar as críticas de que as bancadas do PSDB na Câmara e no Senado estão apostando no “quanto pior melhor”.

Câmara retoma votação da reforma política e deve analisar projetos polêmicos

A Câmara dos Deputados tem uma semana com muitos desafios e embates nas votações em plenário de temas polêmicos que tratam do ajuste fiscal e da reforma política. Nas comissões especiais, não será diferente. Serão apresentados pareceres como o que trata da redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. Além disso, estão previstos depoimentos de funcionários da Petrobras e de empresários e a votação de requerimentos de convocação e também de acareações.

Quase meio milhão de pessoas já perderam o emprego

tumblr_lgkhu5jV671qzc4eao1_500Quase meio milhão de trabalhadores com carteira assinada perdeu o emprego entre fevereiro e abril deste ano no Brasil. Foram 415 mil demitidos. Entre os trabalhadores sem carteira, a queda no emprego foi de 3,5%, com a dispensa de 372 mil trabalhadores.
Por atividade econômica, o setor que mais demitiu foi o da construção civil: 288 mil frente ao período de novembro a janeiro. Em relação ao mesmo período do ano passado, a queda do emprego no setor atingiu 609 mil pessoas.
A crise na construção aparece também no rendimento dos trabalhadores do setor. Houve queda 6,5% frente ao mesmo período do ano anterior e de 1,2% contra o trimestre de novembro a janeiro. O rendimento médio do setor é de R$ 1.479, um dos cinco mais baixos entre as atividades econômicas.

Inscrições para o Sisu estão abertas a partir de hoje

Começam hoje (8) as inscrições no Sistema de Seleção Unificada. O Sisu seleciona estudantes para vagas no ensino superior público com base nas notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Esta edição vai oferecer 55.576 vagas em 72 instituições públicas.
Para participar do Sisu, o candidato precisa ter feito o Enem de 2014 e não ter tirado 0 na redação. As inscrições estarão abertas até o dia 10. O resultado será divulgado no dia 15 de junho em uma única chamada e a matrícula deverá ser feita na instituição de ensino nos dias 19, 22 e 23 de junho.

Chaleira fervendo: PT realiza 5º Congresso Nacional em momento de tensão

chaleira A chaleira está fervendo, mas mesmo assim o PT realiza o 5º Congresso Nacional entre 11 e 13 de junho em um momento de profunda tensão nas relações com o governo da presidente Dilma Rousseff.
Críticas de petistas à política econômica, ameaças de apupos e ataques ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, uma relação fria entre Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a enxurrada de denúncias de corrupção que afundam a legenda, agora com o escândalo da Petrobras, são ingredientes de um encontro que muitos consideram desnecessário neste momento.

“BOI BANDIDO”: Polícia Civil de MT prende 6 de bando que roubava gado

GUSTAVO NASCIMENTO

A Polícia desarticulou uma quadrilha especializada em roubos de gado e defensivos agrícolas no médio-norte de Mato Grosso. Seis integrantes do grupo foram presos. Houve tiroteio durante a operação e dois suspeitos foram mortos. Um delegado e um investigador acabaram atingidos e, segundo as informações, ambos não correm risco de morte.

Segundo a assessoria da Polícia Civil, na última quinta-feira (4), foi deflagrada a operação “Boi Bandido” em Barra do Bugres (168 km de Cuiabá).

Na ação, o delegado Nelder Martins Pereira e o investigador Antenor Francisco da Silva foram feridos por disparo de arma de fogo. O delegado recebeu um tiro na lateral do tórax e o investigador na panturrilha. A dupla recebeu atendimento médico em Tangará da Serra.

Conforme a Polícia, os suspeitos foram levados para a Delegacia de Tangará da Serra e autuados em flagrante por roubo qualificado, formação de quadrilha e resistência a prisão. Com eles, ainda foram apreendidas três motocicletas, três carretas, carregadas com gado, e um Fiat Uno, que havia sido roubado pela quadrilha.

Conforme o delegado regional de Tangará da Serra, Alexandre Morais Franco, a quadrilha vinha sendo procurada há três meses. O grupo é suspeito de vários roubos de gado e defensivos agrícolas por toda região do Médio-Norte e também no Oeste de Mato Grosso. "São assaltantes que agem com violência e usam armamento pesado. Eles adentram nas propriedades, rendem famílias e funcionários, separam e carregam o gado em caminhões".

Conforme as investigações, ao menos, 22 pessoas que integram o grupo já foram presas. Outros dois suspeitos acabaram mortos.

Segundo o delegado, sete suspeitos foram presos com uma carga de defensivos agrícolas, avaliada em R$ 500, na cidade de Campo Novo dos Parecis (396 km de Cuiabá), no dia 27 de abril. Outros sete foram presos pela Polícia Militar, na zona rural de Salto Céu, em uma fazenda, onde iriam roubar gados, no dia 9 de maio.

Já em Tangará da Serra, um receptador também foi preso durante as investigações. E no dia 27 de maio Iduínio Lídio da Silva foi preso com um fuzil calibre 30 e 30 munições, que seriam entregues ao suposto líder da quadrilha, identificado como Quezil Goes de Siqueira, que acabou sendo morto na ação desta quinta-feira (04).

A quadrilha é suspeita de roubo de gados e defensivos em fazendas de Tangará da Serra, Alto Paraguai, Nobres, Rosário Oeste, Campo Novo dos Parecis e Salto do Céu.


Deputados estaduais usam coleção de fraudes para desviar dinheiro público

DO FANTÁSTICO

O deputado estadual Doutor Baseggio, do Rio Grande do Sul,
acusado de receber dinheiro de servidores
Eles são eleitos para fazer leis e servir ao povo. Mas alguns se especializam em usar o mandato para enriquecer. E não é pouca maracutaia, não. Vários deputados estaduais, por todo o Brasil, usam uma coleção de fraudes para desviar dinheiro público.

Uma missa no interior do Brasil e uma pergunta: porque esse padre não deveria estar aqui?

Na periferia de uma capital, duas irmãs revoltadas. Sem saber, elas eram usadas num esquema para desviar dinheiro público. E um desafio para as leis da física: será que numa sala caberiam 71 pessoas trabalhando? E na hora de dar explicações, uma atitude desesperada.

Esta reportagem vai revelar o mapa da farra com o dinheiro público em assembleias estaduais de todo o país. Tem vários tipos de golpe: inclusive adulterar medidor de quilometragem de carros usados por deputados para forjar despesas com combustível.

A investigação do repórter Giovane Grizotti começa pelo Rio Grande do Sul. De 2011 até o ano passado, Neuromar Gatto era chefe de gabinete do deputado estadual Diógenes Basêgio, o Doutor Basêgio, do PDT.

Sem medo de mostrar o rosto, Neuromar Gatto revela que funcionários, vários deles fantasmas, devolviam parte do salário ao deputado que os contratou. Clique AQUI e assista à reportagem.



Em cinco anos, dengue custa R$ 4,2 bilhões à União

dengue
De 2010 a 2014, o governo federal gastou ao menos R$ 4,2 bilhões em ações de prevenção e tratamento da dengue, segundo dados inéditos obtidos pelo Estado com o Ministério da Saúde. No período analisado, o custo da dengue para a pasta aumentou 48% – passando de R$ 613,4 milhões em 2010 para R$ 911,8 milhões em 2014.
O valor do ano passado só não foi superior ao de 2013, quando o país viveu a pior epidemia de dengue da história, com 1,4 milhão de pessoas infectadas e 674 mortes. Naquele ano, a doença custou R$ 1,1 bilhão ao governo federal, elevando as despesas com dengue ao patamar de outros programas estratégicos do ministério, como o de aids, que teve custo de R$ 1,2 bilhão no ano passado, e o Mais Médicos – R$ 1,1 bilhão anuais em 2013 e 2014.

MPF abre caixa preta do BNDES

BNDESPara abrir a “caixa preta” do BNDES e investigar minuciosamente mais de 50 contratos, metade deles no exterior, encontrando motivos para os mais de 60 pedidos de prisão de diretores e executivos do banco e de empresários beneficiados por financiamentos, procuradores do MPF (Ministério Público Federal) adotaram a antiga estratégia preconizada por investigadores de crimes financeiros: seguiram o dinheiro.
Com longo prazo de carência, juros irrisórios e contratos secretos, os financiamentos do BNDES no exterior são considerados irrecusáveis. O MPF apura se obras com financiamento de pai para filho no exterior foram condicionadas à contratação de empreiteiras como a Odebrecht.
Obras bancadas pelo BNDES no exterior não são auditadas no Brasil, nem órgãos de controle como TCU ou MPF podem fiscalizá-las lá fora. A devassa do MPF no BNDES lava a alma dos ministros do Tribunal de Contas da União. A caixa preta do banco parecia ter algo a esconder.
Por Cláudio Humberto

ACM Neto faz as malas rumo ao PMDB

20130110101254_cv_acmneto1_gdeA julgar pelas informações dos bastidores, o PMDB pode mesmo ser o destino político do prefeito de Salvador, ACM Neto, uma das poucas lideranças que restam ao Democratas (DEM).
Depois de ter as portas escancaradas pelo líder do PMDB na Bahia, Geddel Vieira Lima, ACM Neto parece já contar com a simpatia do presidente nacional do partido, o vice-presidente da República, Michel Temer.
Conforme publicação da coluna Tempo Presente, do jornal A Tarde, Temer já foi informado sobre a possível migração do prefeito de Salvador para sua legenda.

Dilma acertou últimos detalhes para o plano de concessões

Depois de quatro horas e meia, terminou no final da noite de ontem (07) a reunião da presidenta Dilma Rousseff com sete ministros no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República, para acertar os últimos detalhes do plano de concessões de aeroportos, portos e rodovias. O encontro começou por volta das 19h e acabou em torno das 23h30. O lançamento do pacote de concessões à iniciativa privada está previsto para amanhã (9), em cerimônia no Palácio do Planalto.
Os ministros presentes à reunião deixaram o Palácio da Alvorada sem dar entrevistas. Participaram os ministros da Casa Civil, Aloizio Mercadante; da Fazenda, Joaquim Levy; da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva; da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha; do Planejamento, Nelson Barbosa; dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues e da Secretaria de Portos, Edinho Araújo. Também esteve presente a presidenta da Caixa Econômica Federal, Miriam Belchior.