2 de julho de 2015

DEPÓSITOS CLANDESTINOS: Delator diz que Riva pediu 50% e indicou empresas para depósito

Na delação premiada feita ao Ministério Público Estadual (MPE), sobre um esquema que teria desviado mais de R$ 9 milhões da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, o advogado Joaquim Fábio Mielli Camargo afirmou que o ex-deputado José Riva (PSD) concordou em pagar, em 2014, os valores devidos ao banco HSBC.

Mas, sob uma condição: de que a metade do valor retornasse a ele, por meio de depósitos em várias contas de empresas que ele indicasse.
Segundo o advogado, cuja delação foi usada como base para a deflagração da "Operação Ventríloquo", do Gaeco, a tratativa foi feita por meio do também advogado Julio Cesar Domingues Rodrigues, suposto lobbysta com forte influência no Governo do Estado e na Assembleia Legislativa.


Joaquim Camargo relatou que foi procurado por Julio Cesar, em 2012, e que este lhe garantiu a possibilidade de ajudar a firmar um acordo sobre a demanda judicial do HSBC contra a Assembleia.

Petrobras admite nova alta da gasolina em 2015

gasolinaEm sua primeira entrevista após anunciar uma “dieta” drástica nos investimentos da Petrobras, o presidente da companhia, Aldemir Bendine, 51, não descartou um reajuste no preço da gasolina até o fim do ano. Não enxerga, contudo, necessidade de um aumento agora.
“Não dá para garantir que não haverá”, disse ele à Folha nesta quarta­feira (1º). O aumento mais recente dos combustíveis foi em novembro de 2014 ­3% na gasolina e 5% no diesel nas refinarias.

Câmara aprova em 1º turno redução da maioridade penal em crimes hediondos

camara_votacao
Após nova votação, o Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, na madrugada desta quinta-feira (2), a redução da maioridade penal, de 18 para 16 anos, nos casos de crimes hediondos (estupro, sequestro, latrocínio, homicídio qualificado e outros), homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte.
O texto aprovado é uma emenda dos deputados Rogério Rosso (PSD-DF) e Andre Moura (PSC-SE) à proposta de emenda à Constituição da maioridade penal (PEC 171/93). Foram 323 votos a favor e 155 contra, em votação em primeiro turno. Os deputados precisam ainda analisar a matéria em segundo turno.
A emenda deixa de fora da redução da maioridade outros crimes previstos no texto rejeitado na quarta-feira, como roubo qualificado, tortura, tráfico de drogas e lesão corporal grave. O texto anterior era um substitutivo da comissão especial que analisou a PEC.

Popularidade de Dilma está menor do que inflação, ironiza Aécio

aecio dilma debate
O presidente do PSDB, Aécio Neves, ironizou nesta quarta-feira (1º) o resultado de pesquisa CNI-Ibope divulgada ontem (1º). De acordo com o levantamento, a presidente Dilma Rousseff atingiu o mais baixo índice de popularidade desde a redemocratização.
“Isso é o que temos no Brasil hoje: uma inflação que caminha para ser maior do que a popularidade da Presidente da República”, disse ele. A pesquisa indicou que 9% da população considera o atual governo bom ou ótimo -a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Desafio é evitar que alta de preços continue além de 2015

jurosO presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, afirmou nesta quarta-feira (1) que um dos desafios internos do Brasil hoje evitar que o efeito inflacionário do realinhamento que está ocorrendo nos preços relativos se propague além de 2015.
“O realinhamento benéfico para a economia e ocorre simultaneamente em duas dimensões: preços domésticos em relação aos internacionais e preços regulados em relação aos livres. Entretanto, o efeito no curto prazo desse processo uma forte alta da inflação no ano corrente”, disse, em evento com empresários em São Paulo.

Dilma deve vetar reajuste dos servidores do Judiciário

vetoA presidente Dilma Rousseff classificou o reajuste de até 78% a servidores do Judiciário como “insustentável”. Ela fez a declaração após visitar a sede da empresa norte-americana Google, no Vale do Silício, no último dia da visita oficial aos Estados Unidos.
“É insustentável, um país como o nosso, em qualquer circunstância, dar níveis de aumento tão elevados”, declarou a presidente, que ressaltou que os valores comprometeriam o ajuste fiscal. O reajuste escalonado foi aprovado nesta terça-feira (30/6), em votação no Senado.

Comissão do Senado aprova coeficiente eleitoral por partido

O Senado Federal começou a fazer a Reforma Política. A iniciativa ocorre antes da Câmara dos Deputados concluir as propostas para mudar a legislação eleitoral e dos mandatos eletivos. A comissão temática responsável pela Reforma Política no Senado aprovou ontem (1º) um projeto de lei que altera o critério de distribuição dos votos proporcionais para a eleição de deputados e vereadores.
A proposta segue com urgência para o plenário do Senado para votação. E se for aprovada, não valerá mais o somatório dos votos obtidos de todos os partidos da coligação para cálculo do chamado “coeficiente eleitoral”. O coeficiente determina quantas vagas os partidos terão direito na Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores.
A proposta aprovada estabelece que o coeficiente eleitoral será separado por partido. A medida impede que uma legenda com baixo desempenho eleitoral consiga eleger algum deputado ou vereador se beneficiando dos partidos mais votados na coligação.