17 de agosto de 2015

Receita Federal deposita terceiro lote de restituição do IRPF 2015

receitafederalA Receita Federal deposita nesta segunda-feira, na rede bancária, os valores referentes ao terceiro lote de restituições do Imposto de Renda Pessoas Física 2015. No lote, estão 1.742.112 contribuintes, totalizando mais de R$ 2,1 bilhões. Foram também liberadas declarações que estavam na malha fina dos exercícios de 2008 a 2014.
A consulta ao lote está disponível desde a semana passada na página da Receita na Internet ou por meio do Receitafone 146. A Receita disponibiliza ainda aplicativo para tablets e smartphones que permite a consulta às declarações do IRPF para os sistemas Android e iOS.

O que Lula acha de verdade da imprensa

Lula: da boca para foraO diálogo grampeado entre Lula e Alexandrino Alencar, que a Lava-Jato tornou público na sexta-feira passada, é ilustrativo de muitas coisas,. Além das que já foram ressaltadas, cabe chamar a atenção para mais uma. Lá pelas tantas, logo depois de Alexandrino contar a Lula sobre a palestra que Marcelo Odebrecht fez em São Paulo defendendo os empréstimos do BNDES, Lula vai ao que interessa, numa pergunta pertinente:
– E a imprensa tava lá?
Publicamente, Lula é o rei de descer a borduna na imprensa. Faz dos ataques à imprensa uma das pedras de toque de sua pregação. Mas em conversas reservadas, revela que o seu desprezo é da boca para fora.: na hora que importa, ele sabe a importância da cobertura feita pela imprensa.
Por Lauro Jardim

Inflação e desemprego contribuem para alta da indadimplência do consumidor

sem-dinheiroO número de pessoas que deixaram de pagar suas dívidas aumentou 0,6% em julho na comparação com junho, de acordo com o Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor. Na comparação com julho de 2014, o indicador teve alta de 19,4%. Ao comparar o acumulado do ano até julho com o mesmo período do ano anterior, o índice subiu 16,8%.
Segundo os economistas da Serasa Experian, o desemprego crescente, a inflação e os juros altos têm prejudicado a situação financeira do consumidor, dificultando o pagamento de seus compromissos em dia. A inadimplência não bancária (cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica, água etc.) foi a responsável pela alta do indicador, com elevação de 3,5% e contribuição de 1,6 ponto percentual. A elevação do índice mensal não foi maior, porque as dívidas com os bancos apresentaram queda de 2,2% e contribuíram negativamente com 1 ponto percentual.
O valor médio das dívidas não bancárias apresentou alta de 10% de janeiro a julho de 2015, na comparação com o mesmo período de 2014. O valor médio dos cheques sem fundos e da inadimplência com os bancos também cresceu, 10,4% e 0,9%, respectivamente. Já o valor médio dos títulos protestados registrou queda de 1,9%.

Empresário defende que Câmara de Brasnorte reduza salário de vereador para um mínimo e acabe com verba indenizatória

Clique aqui para ver mais fotos
 POR DORJIVAL SILVA

“Defendo a redução dos proventos que estão sendo pagos mensalmente aos vereadores de Brasnorte. Vereança não é profissão. Assim, defendo que se pagarmos um salário mínimo ou no máximo R$ 1 mil de salário mensal para o vereador já está de bom tamanho”. Essa fala foi proferida no Jornal da Amazônia, edição desta segunda-feira 17 pelo empresário e secretário-geral do PDT de Brasnorte, Marcelo Pietsch.

Para o empresário, a situação econômica vivida atualmente no município não é das melhores. E nessa linha de raciocínio, a Câmara Municipal de Vereadores poderia contribuir muito decretando cortes significativos em seus gastos.

“Não há necessidade de um vereador de Brasnorte perceber mensalmente R$ 4.700,00 e mais uma verba de gabinete no valor de R$ 3.450,00, isto é, R$ 8.150,00 todo mês. Isso, afora R$ 800,00 por diária quanto o vereador tiver que sair do estado para outro ente da federação”, opiniou Pietsch em entrevista ao Portal Gazeta do Noroeste MT.

O empresário também avalia como um valor muito alto o duodécimo repassado mensalmente pelo executivo para a Câmara. “Não há necessidade de se repassar R$ 2.049.263,00 anualmente para a Câmara. Os vereadores deveriam ter bom senso e estabelecer o recebimento máximo de 50% desse montante. O restante, ao invés do executivo mandar para o Legislativo, em comum acordo com os vereadores poderiam empregar, por exemplo, em melhorias na Saúde”, observou.

MOVIMENTO - Marcelo Pietsch poderá liderar um movimento junto as entidades da cidade para pressionar a Câmara a fazer a redução de seus gastos com parlamentares e ainda impedir que mais duas cadeiras sejam criadas no Parlamento para a próxima legislatura.

O que a imprensa internacional achou dos protestos anti-Dilma deste domingo

As manifestações populares contra o governo Dilma Rousseff e pedindo a saída da presidente ganharam as ruas pela terceira vez neste ano de 2015 – e também foram destaque no noticiário internacional. Diversos jornais pelo mundo destacaram a baixa popularidade da presidente em meio ao escândalo de corrupção na Petrobras e a recessão econômica. Veja o que a imprensa internacional falou sobre o protesto deste dia 16 de agosto:
The Guardian
guardian
“Centenas de milhares pedem o impeachment de Rousseff”, diz o jornal, que destaca que a presidente Dilma está “sob fogo”. De acordo com o jornal, os manifestantes somaram mais de meio milhão de pessoas.
O jornal ressalta que os pedidos de impeachment contra a presidente ocorreu em meio ao cenário de “economia em recessão e ao enorme escândalo de corrupção na Petrobras”.
ABC NEWS
A”ABC News”, rede de TV norte-americana, disse que os protestos “varreram as ruas do Brasil” “Analistas disseram que os atos deste domingo podem ajudar a determinar o rumo das manifestações no futuro”, disse em matéria no seu site.

BBC News

bbc
A agência britânica BBC destacou que manifestantes brasileiros pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff”. “Pessoas em passeata tomaram a praia de Copacabana, no Rio, e também protestaram em frente ao Congresso na capital Brasília. Muitos usavam as camisetas amarelas da seleção de futebol brasileira e cantavam o hino nacional, carregando cartazes que diziam ‘Fora Dilma’. “A tônica central foi a defesa do impeachment da presidente Dilma Rousseff, ainda que alguns grupos tenham saído às ruas com gritos pró-intervenção militar”, afirma a BBC.
Financial Times
O também britânico “Financial Times” destacou que ‘os manifestantes vociferaram sua raiva em torno de uma crescente recessão e um escândalo de corrupção que enfraqueceu o poder da presidente Dilma Rousseff”. Os manifestantes, muitos vestidos com o amarelo, verde e azul marcharam pelas ruas da cidade em todo o país no terceiro protesto em massa do ano, afirma a publicação. Apesar do descontentamento, o jornal avalia que a presidente teve um alívio na semana passada e que ela tem intensificado as suas aparições públicas, o que deve dar um cenário mais positivo para a presidente, pelo menos por enquanto.
Wall Street JournalA presidente Dilma foi o principal alvo dos protestos, noticia o Wall Street Journal, destacando que as manifestações foram pacíficas. O jornal ressalta que a presidente foi alvo em diversas cidades pelo Brasil inteiro, desde “a empobrecida Belém, no Pará, à glamourosa orla de Copacabana, no Rio de Janeiro”. Diversos cartazes pediam “Fora Dilma” e “Impeachment Agora”, conforme destaca o jornal americano.
O WSJ ainda dá destaque às manifestações, em número menor, pró-Dilma e a vigília feita por manifestantes na frente do Instituto Lula e em prol do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Bloomberg
A rede americana de notícias Bloomberg afirmou que as manifestações são fortes o suficiente para não serem ignoradas, mas não tão fortes para tornar o impeachment algo mais possível.
A Bloomberg destaca que mais de meio milhão de pessoas foram às ruas para protestar contra a corrupção e denunciar a má gestão da economia, mantendo a pressão sobre a presidente.

Governo viu manifestações dentro da normalidade democrática

protesto9
As manifestações deste domingo (16) foram vistas pelo governo como dentro da normalidade democrática, informou, por meio de nota, o ministro da Secretária de Comunicação Social (Secom), Edinho Silva. “O governo viu as manifestações dentro da normalidade democrática”, disse o ministro.
A nota foi divulgada pouco depois do início da reunião da presidenta Dilma Rousseff com vários ministros, no Palácio da Alvorada, para avaliar os acontecimentos do dia. Além de Edinho Silva, participaram da reunião os ministros da Casa Civil, Aloizio Mercadante, da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Defesa, Jaques Wagner.

Aécio Neves vai a protesto em Belo Horizonte e diz que o País despertou

O tucano foi à Praça da Liberdade, em BH
O protesto contra o governo Dilma e o PT reuniu 10 mil pessoas neste domingo, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, segundo a Polícia Militar, e 20 mil, segundo os organizadores. Em rápida passagem pelo local, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) defendeu o fortalecimento das instituições e disse que “não importa o tamanho da manifestação, porque a indignação hoje é enorme”. O tucano chegou a ser carregado e chamado de presidente por parte dos manifestantes.
“O Brasil vai encontrar o seu caminho pela força de sua gente, pelas manifestações que estão ocorrendo por toda a parte. Não importa o tamanho da manifestação, porque a indignação hoje é enorme, maior que na época das eleições, mas o Brasil é mais forte que tudo isso. Não sei se esse governo consegue superaravaliou durante entrevista à imprensa.

Juiz da operação Lava Jato vira herói nas manifestações contra o governo

moro
“Viva Sérgio Moro!”: um grito repetido nas manifestações deste domingo por todo o Brasil por quem apoia o trabalho do juíz que conduz com mão de ferro o julgamento do mega-escândalo de corrupção da Petrobras. Nos protestos convocados em várias cidades contra o governo, podiam-se ver dezenas de cartazes com mensagens como “Obrigado, Sérgio Moro”, “Je suis Sérgio Moro”, “Somos todos Moro” ou “Força, Sérgio Moro”.
“Juiz Sérgio Moro, o cidadão brasileiro está orgulhoso de você. Fora Dilma, fora PT”, dizia uma enorme bandeira que se estendeu pela Avenida Paulista. “Acompanhei todo o caso Lava-Jato e o juiz Moro é a salvação do país”, disse à AFP José Freitas, de 88 anos, que carregava o cartaz amarelo com letras pretas e vermelhas que dizia “Sérgio Moro, Brasil está contigo”. Moro, de 43 anos, é juiz federal em Curitiba e está à frente dos processos penais derivados da Operação Lava-Jato, que trouxe à tona uma complexa rede de corrupção na Petrobras.

Equipe da Globo foi impedida de trabalhar na manifestações do Rio

globo 2014Diante do recuou dado na cobertura do escândalo da Lava Jato, a TV Globo foi expulsa do protesto pelo impeachment da presidente Dilma, ontem, praia de Copacabana, no Rio, após gritos de “Fora Globo”puxados pelo carro de som do Revoltados Online e do Movimento Vem Pra Rua.
Uma minoria tentou apoiar o trabalho dos jornalistas, mas os profissionais, xingados, tiveram de ser escoltados pela PM para deixar o local. O repórter Paulo Renato Soares e outros quatro profissionais da Globo acabaram impedidos de realizar seu trabalho.

Serra: país gostaria que Dilma renunciasse

serra nova agoraUm dia após os protestos contra o governo, o senador tucano José Serra atribui ao ‘vácuo de poder’ na Presidência como a origem da crise atual. Segundo ele, é tal a fraqueza do governo, e a combinação da crise econômica, política e moral, que “se o fator militar estivesse presente hoje, como em 64, estaríamos tendo perturbações gravíssimas nessa área”, embora ressalte “que não estamos tendo perturbação militar e não vamos ter”.
Em entrevista ao Valor, Serra firma que “a renúncia é prerrogativa de Dilma”. “Não tenho dúvida que o pais gostaria que ela renunciasse. Mas ela não vai fazer isso”. Ele classifica ainda como “ativa e burra” a política de ajuste de Joaquim Levy e fala em “insanidade” da política monetária-cambial; alerta ainda que a ameaça de bomba fiscal no Congresso continua.
Embora afirme não ter planos de disputar a presidência, Serra gostaria que o vice Michel Temer assumisse o comando – neste desenho, ele seria eventual ministro da Fazenda, podendo tornar-se candidato ao Palácio do Planalto em 2018.

DEM e PSDB festejam queda de Lula no Nordeste

lulaptCongressistas de DEM e PSDB comemoravam o fato de o ex-presidente Lula ter sido foco dos protestos também no Nordeste, avalia Vera Magalhãe, na sua coluna da Folha de S.Paulo. Diziam que a Lava Jato fez com que o petista perdesse a condição de intocável que detinha na região.
Deputados insatisfeitos com a aproximação de Dilma com o Senado celebraram o tamanho dos atos. Dizem que eles mostraram que a “Agenda Renan” não foi suficiente para apaziguar as ruas. O clima na Casa deve permanecer instável.

FGTS e redução da maioridade penal terão prioridade na Câmara nesta semana

camara federal
As discussões do projeto que modifica as regras de correção dos depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e a votação, em segundo turno, da proposta de emenda à Constituição (PEC 171/93), que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos são os temas prioritários da semana na Câmara dos Deputados. Também constam das atividades da Casa depoimentos na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras e reuniões para apresentação e discussão de planos de trabalho de outras CPIS.
A proposta de mudança nas regras de correção dos recursos do FGTS poderá ser o primeiro item da pauta de votações, embora na terça-feira (18), antes da ordem do dia, os líderes partidários vão se reunir com o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para debater a pauta de votações da semana. Há resistência à aprovação do projeto do FGTS por parte do governo e de vários setores, porque isso poderá aumentar a taxa de financiamento de imóveis nos programas habitacionais de baixa renda.
Em sessão extraordinária, na noite de terça-feira, o plenário da Câmara deverá votar o segundo turno da PEC que reduz a maioridade penal. O tema é polêmico e deverá levar à Casa muitos manifestantes contrários à medida para pressionar os deputados a rejeitar a PEC. Se for aprovada, a proposta será encaminhada à discussão e votação no Senado. Para a aprovação da proposta são necessários os votos favoráveis de, no mínimo, 308 deputados. A proposta permite o julgamento de infratores entre 16 e 18 anos por crimes hediondos, tais como estupro e latrocínio, homicídio doloso ou lesão corporal seguida de morte.

FGTS e redução da maioridade penal terão prioridade na Câmara nesta semana

camara federal
As discussões do projeto que modifica as regras de correção dos depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e a votação, em segundo turno, da proposta de emenda à Constituição (PEC 171/93), que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos são os temas prioritários da semana na Câmara dos Deputados. Também constam das atividades da Casa depoimentos na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras e reuniões para apresentação e discussão de planos de trabalho de outras CPIS.
A proposta de mudança nas regras de correção dos recursos do FGTS poderá ser o primeiro item da pauta de votações, embora na terça-feira (18), antes da ordem do dia, os líderes partidários vão se reunir com o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para debater a pauta de votações da semana. Há resistência à aprovação do projeto do FGTS por parte do governo e de vários setores, porque isso poderá aumentar a taxa de financiamento de imóveis nos programas habitacionais de baixa renda.
Em sessão extraordinária, na noite de terça-feira, o plenário da Câmara deverá votar o segundo turno da PEC que reduz a maioridade penal. O tema é polêmico e deverá levar à Casa muitos manifestantes contrários à medida para pressionar os deputados a rejeitar a PEC. Se for aprovada, a proposta será encaminhada à discussão e votação no Senado. Para a aprovação da proposta são necessários os votos favoráveis de, no mínimo, 308 deputados. A proposta permite o julgamento de infratores entre 16 e 18 anos por crimes hediondos, tais como estupro e latrocínio, homicídio doloso ou lesão corporal seguida de morte.