16 de outubro de 2015

Polícia Civil apura 'golpe da gostosa' após denúncia de político

A Polícia Civil, em Campo Grande,  investiga um crime que ficou conhecido nacionalmente como o "golpe da gostosa". A farsa chegou ao conhecimento das autoridades após um político da cidade denunciar uma pessoa com quem ele estava trocando mensagens, tanto pelas redes sociais como o WhatsApp.

 Ao G1, o delegado responsável pelas investigações disse que, durante as buscas, diversas pessoas trocaram mensagens com a pessoa. No entanto, ainda não é possível definir se é um homem ou uma mulher que engana as vítimas.

"Ela ou ele sempre age da mesma maneira. Existe um perfil na internet, com fotos de mulheres deslumbrantes. Os homens então adicionam e ela fala que seria melhor conversar pelo WhatsApp. Quando elogiada, a mulher diz que é médica, recém separada e que possui um filho. Inclusive existem diversas fotos de supostos atendimentos médicos em seu perfil", afirmou o delegado.

Justiça: grupo "castigava" quem não participava de desvios na Assembleia Legislativa de Mato Grosso

A juíza Selma Arruda, da Vara de Combate ao Crime Organizado da Capital, afirmou que a organização criminosa investigada na Operação “Célula-Mãe” agia de modo a "castigar" aqueles funcionários da Assembleia Legislativa que não estivessem dispostos a compactuar com o esquema de fraudes na Casa.

Entre as penalidades estava, inclusive, a exoneração de servidores do Poder Legislativo.

 A informação consta na decisão da magistrada, que resultou na prisão do ex-deputado José Riva (sem partido) e dos servidores Geraldo Lauro, Maria Caramelo e Manoel Marques.

 A operação foi deflagrada na última terça-feira (13), por agentes do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

 Os desvios de dinheiro dos cofres da Assembleia, por meio das chamadas verbas de suprimentos, passam de R$ 1,7 milhão, segundo as investigações.

Projeto dá cadeia a infrator da Lei da Transparência

prisao especialConhecida como Lei da Transparência, a Lei Complementar 131/2009 foi uma reação do Congresso à farra das passagens, esquema de fraudes e mau uso da cota parlamentar de viagens aéreas. Revelado com exclusividade pelo Congresso em Foco, em 2009, o caso serviu para que a Câmara desengavetasse e aprovasse justamente o projeto que, apresentado em 2003 e aprovado no Senado no ano seguinte, só voltaria a tramitar cinco anos depois na Câmara – graças ao “escândalo” causado com a série de reportagens deste site sobre o assunto, como lembra o autor da proposição, senador João Capiberibe (PSB-AP). Agora, diante de casos de descumprimentos à legislação, Capiberibe quer enrijecer penas para os infratores, com possibilidade até de cadeia.
Com a Lei 131/2009, buscou-se normas sobre o emprego das finanças públicas com vistas à responsabilidade na gestão fiscal, com o objetivo de assegurar a transparência das informações sobre execução orçamentária e financeira da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. Mas, diante de casos de descumprimento da legislação, Capiberibe apresentou, em 31 de agosto, o Projeto de Lei do Senado 570/2015, que complementa o texto daquela lei e determina o acompanhamento, em tempo real, de todas as etapas de qualquer processo público que gere despesa para o contribuinte, com punição mais severa para os respectivos gestores.

Lava Jato: Cunha recebeu propina em dinheiro vivo, diz delator

lava_cunhaUm dos delatores da Operação Lava Jato, o empresário Fernando Baiano disse em depoimento ter repassado dinheiro vivo em propina ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para que fossem viabilizados contratos de construção de navios-sonda com a Petrobras.
Preso desde novembro e apontado como operador do PMDB no esquema de corrupção instalado na estatal, Baiano disse ter repassado ao escritório de Cunha no Rio de Janeiro, em outubro de 2011, entre R$ 1 milhão e R$ 1,5 milhão a uma pessoa identificada como Altair. As informações foram veiculadas na edição desta quinta-feira (15) do Jornal Nacional (TV Globo)

Ministro quer “renúncia coletiva” de Dilma, Temer e Cunha

marco aurelio melloO ministro Marco Aurélio Mello, do STF, defende uma forma “não traumática” para o país superar a crise: a “renúncia coletiva” da presidente Dilma Rousseff, do seu vice Michel Temer e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. “Falo isso como cidadão e em uma perspectiva utópica, já que seria algo impensável para os atuais detentores dos poderes”, diz ele. Para o ministro, “o mal maior, a crise econômica,” está sendo deixado “em segundo plano” por “interesses políticos”. A informação é de Natuza Nery, na sua coluna da Folha de S.Paulo
Enquanto isso, líderes da oposição falavam em tentar levar Baiano à CPI da Petrobras para fustigar Lula, mas hesitavam em um ponto: dar credibilidade ao delator significa validar também as denúncias feitas por ele contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Exército cassa condecorações de mensaleiros

Deu no Cláudio Humberto:
claudio humberto novo
Finalmente, três anos após serem condenados pelo Supremo Tribunal Federal, os mensaleiros José Genoino (PT), Roberto Jefferson (PTB) e Valdemar Costa Neto (PR) tiveram cassadas a Medalha do Pacificador, a mais alta condecoração do Exército Brasileiro. O ato é do general Vilas Boas, o atual comandante. O ex, general Enzo Peri, teve medo de irritar Dilma e não casou as medalhas, apesar de ser obrigado a isso pela legislação. Os mensaleiros já sumiram do Almanaque do Exército.

Número de homicídios só cresce em Mato Grosso


Mato Grosso é o 14º Estado do país com o maior número de homicídios dolosos em 2014 informou um levantamento do Ministério da Justiça. Conforme os dados, no último ano, 1.276 mato-grossenses foram mortos por pessoas dispostas a cometer o crime. 

O resultado divulgado ontem está no relatório Diagnóstico dos Homicídios no Brasil: Subsídios para o Pacto Nacional pela Redução de Homicídios. 

Foi apontado ainda que a taxa de homicídios por 100 mil habitantes é de 39,6 em Mato Grosso, sendo a maior taxa do Centro-Oeste, já que Goiás apresenta 24,1; Distrito Federal 23,9 e Mato Grosso do Sul 17,7%. 

No documento, a preocupação com a situação é evidente. Foi comparado ainda, no âmbito internacional, taxas de homicídios em países com histórico de guerra civil, como por exemplo, o Congo, onde o índice é de 30,8 mortes por 100 mil habitantes. 

A Colômbia, país onde o narcotráfico é predominante, o índice é de 33,4 por 100 mil. 

No entanto, no ranking, Goiás aparece antes de Mato Grosso, com 1.575 mortes. 

Na sequência vem o Distrito Federal (682) e Mato Grosso do Sul (463). 

Infelizmente, os números só crescem. Se comparado com o relatório de 2013, houve um aumento de 276 mortes. Em 2011, foram registrados 944 casos; 2012 fechou com 933 mortes e, 2013, 1 mil. 

VERBA DE SUPRIMENTO: Outros deputados estão sob investigação


O Ministério Público Estadual (MPE) de Mato Grosso já sabe que outros deputados estaduais também utilizaram a verba de suprimentos para desviar dinheiro da Assembleia Legislativa. 

Ao menos dez parlamentares da legislatura passada são alvo de investigação. 

A suposta fraude no benefício por parte de outros deputados foi identificada por meio de depoimentos colhidos pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) durante a primeira fase da Operação Metástase. 

Na ocasião, 22 pessoas foram presas temporariamente e liberadas após oitiva.

DELAÇÃO DETRAN: MPE quer que TJ investigue deputados


O Ministério Público Estadual (MPE) de Mato Grosso encaminhou na última quarta-feira (14), em caráter sigiloso, a abertura de inquérito policial para apurar a suspeita de que três deputados estaduais tenham se beneficiado de um esquema de corrupção no Detran (Departamento Estadual de Trânsito), durante o mandato dos ex-governadores Blairo Maggi (PR) e Silval Barbosa (PMDB). 

O processo tramita em segredo de Justiça e atendeu a uma exigência da Constituição Federal, pois deputados estaduais detém foro privilegiado na esfera criminal no Tribunal de Justiça, a quem compete autorizar ou não as investigações. 

Agora, o pedido será distribuído a um dos desembargadores para análise. 

A suspeita de um esquema de corrupção no Detran surgiu nas últimas semanas com a divulgação de que o ex-presidente da autarquia, Theodoro Lopes, o Dóia, teria firmado delação premiada com o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado). 

A revelação caiu como uma bomba no cenário político, pois culminou até em sua saída do cargo de secretário de Finanças da Prefeitura de Sinop. 

OPERAÇÃO BB-PAG: Grupo desviou R$ 85 milhões do Estado

A Polícia Civil de Mato Grosso prendeu ontem 34 pessoas acusadas de participação em um esquema que desviou R$ 85 milhões dos cofres do Estado. 

A Operação BB–Pag foi deflagrada pela Delegacia Fazendária e o nome faz referência ao sistema de pagamento que foi fraudado na Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda) no período de 2003 a 2011. 

A ação é um desdobramento da Operação Vespeiro deflagrada em 2012 que identificou pagamentos ilegais na ordem de R$ 16 milhões a 41 pessoas físicas, como servidores fantasmas. 

Só uma empregada doméstica que sequer tinha conhecimento de que seu nome estava na folha de pagamento do governo do Estado recebeu R$ 300 mil. No total, o prejuízo aos cofres públicos atinge R$ 101 milhões. 

Agora, os alvos na relação dos beneficiários ilegalmente com dinheiro público são a Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Profissionais de Contabilidade de Cuiabá (Coopercon), Associação dos Servidores do Indea (Assin), Associação dos Servidores do Intermat (Assinter). 

Ainda aparecem o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Oficial de Mato Grosso (Sitomat), Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário e Pecuário de MT (Sintap), Associação dos Usuários de Transporte Coletivo do Estado de Mato Grosso (Assut), Indatec, Instituto Bagari, LCA Fomento Mercantil, LD Fomento Mercantil, Siesc e Boa Fomento Mercantil.