24 de outubro de 2015

Procurador diz que ex-diretor e PP desviaram R$ 357,9 milhões da Petrobras

Em denúncia enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e o Partido Progressista (PP) receberam R$ 357,9 milhões de propina da Petrobras.
De acordo com as investigações da Operação Lava Jato, Costa atuava como operador do partido na Petrobras. Além de Meurer, o procurador também denunciou os dois filhos dele, por intermediarem o recebimento dos valores indevidos.
Na denúncia apresentada ao STF, Janot informou que a legenda recebeu R$ 62 milhões do esquema, que consistia em repasses por empresas fictícias operadas pelo doleiro Alberto Youssef. Conforme a acusação, o deputado Nelson Meurer recebeu, entre 2006 e 2014, R$ 29 milhões do total recebido pelo PP. Meurer faz parte da cúpula do partido.

Lava Jato freia contratação de Lula para dar palestras

lula-cerveja
Segundo levantamento da Folha de São Paulo, os efeitos da Operação Lava Jato atingiram os negócios do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, fazendo despencar suas palestras remuneradas. Num intervalo de 15 meses, de março de 2014, quando a investigação foi deflagrada, a junho de 2015, Lula foi contratado para apenas seis palestras – uma média de um evento pago a cada 75 dias.
Ao longo dos cinco primeiros meses de 2015, Lula foi remunerado por apenas uma palestra, bancada por uma cervejaria de Petrópolis (RJ). O quadro era muito diferente antes de 20 de março de 2014, quando foi preso pela Polícia Federal o ex­-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, dias após a deflagração da Lava Jato. De 2011 até aquela data, o ex-presidente havia proferido 64 palestras pagas, uma média de um evento remunerado a cada 18 dias.

TSE realiza primeira audiência pública para definir regras das Eleições 2016

tseO Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realizará, na próxima quinta-feira (29), a partir das 10 horas, no auditório 1, a primeira audiência pública para discutir três minutas de resoluções que irão reger as eleições municipais de 2016: reclamações e representações, pesquisas eleitorais e registro de candidato. As propostas poderão ser apresentadas por partidos políticos, entidades da sociedade civil, advogados e demais cidadãos interessados.
A minuta de reclamações, representações e pedidos de resposta, prevista na Lei nº 9.504/97 (Lei das Eleições), irá regulamentar os procedimentos relacionados às referidas ações no que diz respeito à sua apresentação na Justiça Eleitoral, prazos, tramitação, julgamento e recursos judiciais cabíveis. Por meio dessas ações, os candidatos, partidos políticos, coligações e o Ministério Público Eleitoral (MPE) poderão questionar eventuais irregularidades relacionadas às eleições, como pesquisa de intenção de votos, propaganda eleitoral, gastos em campanha política de candidatos e cumprimento dos prazos de julgamento por parte dos juízes eleitorais.
Outro tema em pauta será a minuta de resolução que trata das pesquisas eleitorais. O documento contém as orientações relativas ao registro e à divulgação de pesquisas de opinião pública, quanto aos candidatos ou pretensos candidatos aos cargos eletivos em disputa no pleito do próximo ano. A norma estabelece ainda os requisitos mínimos para o registro e divulgação das pesquisas eleitorais, bem como prazos, legitimidade para impugnar e penalidades.
Também integra os debates da audiência do próximo dia 29, a minuta sobre o registro dos candidatos. O dispositivo trata dos procedimentos que devem ser observados pelos partidos políticos e coligações quanto à escolha e apresentação do registro de candidatos à Justiça Eleitoral, estabelecendo, com base na Lei das Eleições, percentuais máximos de candidaturas por partido político/coligação, documentação exigida para o registro, prazos, tramitação, legitimados a impugnar a candidatura, julgamento do pedido de registro e os recursos judiciais cabíveis.

Pai perdoa-lhe (2): Lula compara petistas delatados a Jesus Cristo

lulaptJosias de Souza destaca que, em discurso feito na noite desta sexta-feira, em Salvador, Lula afirmou que o PT e os petistas sofrem um “processo de criminalização.” Queixou-se do que chamou de “vazamentos seletivos” de informações colecionadas pela força-tarefa da Operação Lava Jato. E construiu uma inusitada analogia entre o Brasil do petrolão e a Judeia do tempo de Jesus Cristo.
Sem citar nomes, Lula comparou os responsáveis pelos vazamentos a Herodes, aquele rei da Judeia que, ao receber a notícia de que o Messias viera ao mundo, ordenou aos seus guardas que matassem todos os meninos com menos de dois anos que encontrassem na cidade de Belém. Nessa versão bíblica do petrolão, os petistas fazem o papel de Cristo, que é crucificado no final.
“Eu lembro quando Herodes mandou marcar todas as crianças. E Maria e José tiveram que fugir com Jesus Cristo. Ele ficou 30 anos que a gente não sabe o que aconteceu na vida dele. Quando ele voltou, em três anos transformou a história da humanidade. E o que fizeram com ele? Crucificaram”, disse Lula.

Pizza sabor CPI da Petrobras

Pizza_BrasilO vice-líder da oposição na Câmara, Raul Jungmann (PPS) criticou duramente o relatório da CPI da Petrobras aprovado quarta-feira passada, que não citou nenhum político envolvido no esquema de corrupção e desvios na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato.
“O relatório é lamentável, um desrespeito à inteligência do cidadão brasileiro. Estou profundamente desapontado, envergonhado e espantado. É triste e revoltante ver tanto dinheiro e tempo investidos para que no final da CPI tenha-se um resultado tão decepcionante, frustrante”, afirmou.

Pedaladas: TCU detona governo Dilma

OLIVEIRA-180615-Face-580x373Vera Magalhães relata em sua coluna na Revista Veja que o clima no TCU para o julgamento das pedaladas é tão turbulento quanto o que havia quando o órgão, de forma inédita, recomendou a rejeição das contas de Dilma Rousseff de 2014.
O ministro Vital do Rêgo, que pediu vista de um recurso do governo contra um ponto do acórdão do ministro José Múcio –que manda quitar imediatamente a dívida com bancos públicos – recebeu um relatório duríssimo da Secretaria de Recursos do tribunal.
O texto é assinado pelo secretário Sérgio Mendes, que já foi chefe de gabinete de Ayres Britto no STF e do atual presidente do TCU, Aroldo Cedraz. Esse tipo de parecer costuma ter quatro páginas, em linguajar técnico. O de Mendes tem 30, e não deixa pedra sobre pedra das alegações de defesa do governo.

Emprego formal está em espiral de queda no Brasil, mostram dados do governo

tumblr_lrqpapi0Gx1qeg3bco1_5001
O Ministério do Trabalho divulgou na tarde desta sexta-feira (23/10) que o emprego formal caiu, pelo sexto mês seguido este ano. Os dados do Caged, de setembro de 2015, mostram que a redução foi de 95.602 empregos celetistas, equivalente à redução de 0,24% no estoque de assalariados com carteira assinada do mês anterior.
No acumulado do ano os dados mostram um decréscimo de 657.761 empregos (-1,60%). Nos últimos 12 meses verificou- se retração de 1.238.628 postos de trabalho, equivalente à perda de 2,96% no contingente de empregados formais do país.

Motoristas de Brasnorte bloqueiam MT – 170 para boicotar cobrança de pedágio realizada por indígenas na ponte do Rio Juruena

POR DORJIVAL SILVA
Momento tenso: motoristas desafiam indígenas a tentar passar para o lado de Brasnorte
Motoristas de caminhões e carretas trancaram na manhã deste sábado, 24, a MT – 170, a altura do Parque de Exposições saída de Brasnorte em direção a Juína, região noroeste de Mato Grosso. A ação é uma revanche aos indígenas da região que desde ontem trancaram a mesma rodovia, na passagem da ponte do Rio Juruena e estão cobrando pedágio de R$ 100 de todos os veículos que tentam passar pelo bloqueio.

Do lado de Brasnorte, há dezenas de caminhões atravessados na rodovia impedindo que veículos sigam viagem em direção a Juína. Os organizadores do bloqueio neste município estão tentando convencer os condutores de veículos a não seguir viagem com o objetivo de abortar o movimento encetado pelos indígenas.

Até agora está havendo essa compreensão por parte de todos que de forma ou de outra também discordam da cobrança abusiva praticada pelos indígenas da região.

Agora há pouco lideranças indígenas, em duas caminhonetes vieram até o local do bloqueio em Brasnorte e, de acordo com testemunhas, teriam tentado um enfrentamento com os donos de caminhões. Mas, como estavam em minoria,  recuaram depois de ouvirem palavras de ordem dos motoristas.

POLÍCIA - A Polícia Militar de Brasnorte esteve por poucos minutos no local. E não disse qual queria seu posicionamento em relação à situação. O clima tende a esquentar.

VEJA IMAGENS DO BLOQUEIO EM BRASNORTE




TODAS AS IMAGENS SÃO DO GAZETA DO NOROESTE MT