13 de dezembro de 2015

DEM ingressa com representação contra uso partidário do programa “A Voz do Brasil” pelo PT

a voz do brasilDiante das evidências de que o programa “A Voz do Brasil” está sendo usado de forma parcial e partidária pelo PT, o líder do Democratas na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE) encaminhou ao Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, um pedido de representação por crime de responsabilidade contra o ministro-chefe da secretaria de Comunicação Social, Edinho da Silva.
A medida tem como base a edição veiculada no dia 4 de dezembro, quando o programa fez franca propaganda a favor do mandato da presidente Dilma Rousseff/PT, dois dias depois de a Câmara dos Deputados dar início à análise do processo de impeachment contra a mandatária.
Mendonça Filho relata que a comunicação do fato – tramitação do impeachment – foi muito além da narrativa, prestando-se, muito mais, a aduzir teses em prol da Presidente da República, sem em qualquer momento dar voz a quem pensasse de maneira diversa.
“Todas as vozes ouvidas foram a favor de uma presidente que praticou o estelionato eleitoral, praticou as pedaladas fiscais e cujos erros são sentidos por todos os brasileiros, sufocados pela inflação de dois dígitos, pelo desemprego crescente e pela falta de perspectivas”, afirmou.

Lula usou o São Francisco para inventar a obra que vira ruína sem ter existido

lula mão na bocaGraças à prisão de quatro executivos de empresas que andaram pescando quilos de dinheiro às margens do São Francisco, a milagrosa transposição das águas acaba de transferir-se do cartório onde jaz o Brasil Maravilha para o noticiário político-policial. Agonizante desde os trabalhos de parto, o que deveria ser a obra do século é hoje o mais recente esqueleto do acervo acumulado pelo escândalo do milênio. A extravagância fluvial nem precisou ser inaugurada para transformar-se num portentoso símbolo da Era da Mediocridade. E numa prova de que, num momento infeliz da nossa história, o povo brasileiro desempenhou aplicadamente o papel de otário.
Em 2004, estacionado no Ceará, o palanque ambulante jurou que até 2006 seria materializado um dos grandes sonhos de Dom Pedro II (ou “Predo”, na pronúncia do Pedro III de botequim). “Muitas vezes a coisa pública foi tratada no Brasil como se fosse uma coisa de amigos, um clube de amigos, e não uma coisa pública de verdade”, ensinou Lula durante a discurseira ufanista. Como o gênio da raça descobrira que a coisa pública deve ser tratada como coisa pública, sobravam as verbas que sempre faltaram. “Dinheiro não vai faltar”, gabou-se o maior dos governantes desde Tomé de Souza.
Na campanha presidencial de 2006, o aspirante a um segundo mandato não pronunciou uma única e escassa palavra sobre a multiplicação das águas que continuavam onde sempre estiveram. A vitória nas urnas refrescou-lhe a a memória. Sem apresentar justificativas para os dois anos de atravo, avisou que ainda faltavam quatro para que o sertão virasse mar. “Em 2010, um nordestino pobre vai fazer o que nem um imperador conseguiu”, recomeçou a lengalenga. O vídeo abaixo mostra os capítulos seguintes da farsa.
Augusto Nunes – VEJA

Governo Federal diz que provavelmente não conseguirá repassar verba da Saúde

dinheiro saudeA transferência dos recursos federais aos Municípios para financiamento da Saúde de dezembro, possivelmente, não será feita integralmente. A informação é do Ministério da Saúde (MS) e foi levada à reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT). Em resumo, a pasta não conseguirá cumprir com mais essa obrigação, além de já vir atrasando alguns repasses.
No encontro ocorrido em Brasília, na segunda semana de dezembro, o secretário executivo do Ministério, Agenor Alvares, disse não haver novidades sobre os repasses de dezembro. “É certo que o repasse do dia 10 não será feito na data, os responsáveis estão trabalhando para que esse recurso saia neste mês”, esclareceu o representante do governo. Ele foi sarcástico ao dizer: “estamos em uma crise, não podemos fabricar dinheiro, temos que esperar notícias da Fazenda para afirmar qualquer coisa”.
Já o ministro da Saúde, Marcelo Castro, tem informado que os recursos de Média e Alta Complexidade (MAC) dos meses de dezembro e janeiro serão parcelados. De acordo com a Confederação Nacional de Municípios (CNM), tal medida tem causado situação danosas e estressantes aos gestores, aos profissionais de saúde e aos usuários.

Editorial da Folha de São Paulo: “Já chega” de Eduardo Cunha

folha
A presença do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara é um problema que não se limita aos veementes indícios de corrupção e às claras evidências de mendacidade que pesam contra ele.
As acusações reiteradas de que recebeu propina; a reincidência em práticas destinadas a intimidar adversários; a mentira flagrante em uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), negando ter contas bancárias no exterior –esse conjunto probatório já seria suficiente para justificar a cassação de seu mandato.
Há muito mais, contudo. Sua permanência à frente da Câmara dos Deputados assume características nocivas para a ordem institucional do país, e não só porque sua rede de manipulações bloqueia as atividades do Conselho de Ética encarregado de julgá-lo.
Valendo-se de métodos inadmissíveis a alguém posicionado na linha de sucessão da Presidência da República, o peemedebista submeteu a questão do impeachment de Dilma Rousseff (PT) a um achaque em benefício próprio.
Seus expedientes infames conspurcam o processo em curso, que parece encarar como vendeta pessoal. Exacerbam-se com isso as paixões em um tema extremamente explosivo; alimenta-se a falsa versão de que tudo não passaria de lamentável confronto entre ele e Dilma Rousseff.
Já chega. O personagem que Eduardo Cunha representa, plasmado em desfaçatez e prepotência, está com os dias contados –ele próprio sabe disso. É imperativo abreviar essa farsa, para que o processo do impeachment, seja qual for seu desenlace, transcorra com a necessária limpidez.

Datafolha: 68% dos brasileiros não veem melhoras após 13 anos de PT

estrelas PTPesquisa divulgada neste sábado pelo Datafolha mostra que apenas 31% dos brasileiros acham que sua vida melhorou após 13 anos de governo do PT. Para 68% não houve melhora significativa: 26% alegaram que a situação, inclusive, piorou, e 42% consideraram que ela ficou igual. A pesquisa foi feita com 3.541 entrevistados em 185 municípios nos dias 25 e 26 de novembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais. No período de PT no poder, todas as faixas sociais tiveram aumento de renda. Os 10% mais pobres passaram a ganhar 129% mais. Entre os 10% mais ricos, o aumento real da renda (acima da inflação) foi de 32%.
Segundo analistas ouvidos pelo jornal “Folha de S.Paulo”, o conjunto crise econômica aguda, denúncias de corrupção, prisões de petistas e fragilidade política levou à queda no prestígio do PT captada pela pesquisa. Isso ocorreu mesmo com o ganho social que o partido promoveu, comparável ao dos países europeus que optaram pela social-democracia após a Segunda Guerra Mundial. Só 24% veem o partido na Presidência como algo ótimo/bom. Para 35%, a legenda na presidência é “ruim ou péssima”. Para 40%, é regular.

Se o Delcídio soltar a língua, tem ministro do STF preocupado

delcidio_presoAs afirmações do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) sobre seu bom trânsito com ministros do STF podem ter consequência. Juristas acreditam que Teori Zavascki, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Edson Fachin devem se declarar impedidos de julgar o caso, o que geraria confusão.
A Polícia Federal indiciou nesta sexta-feira (11/12) o pecuarista José Carlos Bumlai, preso como alvo central em mais uma fase da operação “lava jato”. O empresário responde por crimes de corrupção passiva e gestão fraudulenta. Ele é amigo do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Governo corta R$ 10 bilhões da Educação e ninguém reclamou

O corte de quase R$ 70 bilhões (R$ 69,9 bilhões) na Lei Orçamentária da “Pátria Educadora” atingiu em cheio o Ministério da Educação, que perdeu R$ 9,42 bilhões. Esse corte foi maior que o dos ministérios de Cidades e de Saúde. Esse cancelamento de recursos é considerado o mais duro golpe à Educação na nossa História recente, mas entidades ligadas à área educacional nem sequer esboçaram qualquer protesto.

Substância promete cortar o efeito do álcool no organismo

graphicImagine se fosse possível beber e não ter ressaca no dia seguinte. Relaxar tomando um drinque no almoço – e trabalhar o resto do dia sem embriaguez. Ou beber e voltar para casa dirigindo, mas com os reflexos perfeitos e sem nenhum álcool no sangue.
Tudo graças a duas enzimas, que se chamam álcool oxidase e catalase, e são produzidas naturalmente pelo organismo. Elas agem lentamente (em média, o corpo metaboliza apenas uma dose de bebida por hora), fazendo com que o álcool se acumule no sangue da pessoa e ela fique bêbada.
Mas cientistas da Universidade da Califórnia criaram uma versão artificial dessas enzimas, que foram combinadas numa nanocápsula e fornecidas a ratos que tinham ingerido álcool. Uma hora e meia depois, a quantidade de álcool no sangue deles havia caído 31,8%. E isso porque os ratos estavam muito ébrios (todos dormiram 20 minutos após a ingestão do álcool). Se a bebedeira tivesse sido menor, a redução poderia ter sido maior, chegando à eliminação do álcool.

Exclusivo: Abin espiona Michel Temer

temer_maldade
O Antagonista soube de fontes insuspeitas que Michel Temer está sendo espionado pela Agência Brasileira de Inteligência, a mando de Ricardo Berzoini, ministro da Secretaria de Governo. Ricardo Berzoini é Dilma Rousseff.
O objetivo, evidentemente, é monitorar os movimentos políticos do vice-presidente da República, que se articula para suceder a petista dentro das regras democráticas.
É um escândalo que a presidente da República, por meio de um ministro, espione o seu vice. É um escândalo que a presidente da República use uma agência estatal, sustentada com dinheiro público, em benefício pessoal. É um escândalo que a presidente da República transforme o Estado de Direito em Estado policial.
O Brasil não pode continuar assim.
Do Antagonista