10 de fevereiro de 2016

Confira 5 dicas para te ajudar a enfrentar este novo ano com calma e resiliência

O ano de 2016 acaba de despontar no horizonte e já nos mostra que será tão nebuloso quanto 2015 – pelo menos no que se refere à nossa economia. Em vista de todos esses obstáculos à prosperidade e à paz interior, é primordial que encontremos o antídoto contra uma das consequências desta desaceleração: o estresse.

Segundo estudos publicados pela revista Psychological Science, o estresse é um dos grandes vilões à sensatez no momento de tomar decisões importantes. Isso se dá porque quando estamos sob seu efeito, ignoramos as desvantagens que as circunstâncias podem nos oferecer – agimos sob uma espécie de anestesia que nos priva da nossa própria capacidade de discernimento.

Neste sentido, este transtorno pode ser mais nocivo do que aparenta – ele causa distúrbios nos sistemas muscular, vegetativo e mental. Ao atuar no sistema muscular, o estresse pode causar cansaço excessivo, tensão, dores pelo corpo e tremor nas pálpebras, por exemplo. Já no sistema vegetativo, ele se manifesta por meio de palpitações; dificuldades digestivas e intestinais; náuseas; dificuldade de respiração e transpiração abundante. Mentalmente, o estresse altera o humor de modo severo e provoca descontroles emocionais, distúrbios do sono, apatia, desânimo, dificuldade de tomar decisões e esgotamento físico e emocional.

Mas, em meio a tanto pessimismo, será que podemos mudar esta sina?

Eliminar todo o estresse é praticamente impossível e igualmente nocivo já que ele é o grande motor da evolução da espécie humana. O estresse é a força que possibilita elevar performances e gerar crescimento – o problema é quando os sujeitos apresentam níveis excessivos dele, e é isso que deve ser combatido. Para impedir seu acúmulo e ter um 2016 melhor do que as previsões é preciso elaborar um plano de ação e definir metas com clareza.

Confira abaixo 5 dicas para te ajudar neste processo:

Recomposição cognitiva

É preciso reencontrar o equilíbrio cognitivo. Isso se dá através de uma recuperação das próprias crenças positivas, que ficam enfraquecidas em momentos de estresse. Reserve alguns minutos para harmonizar-se.

Recomposição física

Como vimos anteriormente, o estresse pode causar inúmeros problemas de ordem física, portanto, é de extrema importância que você elabore um programa de exercícios físicos e alimentação saudável. Monitore-se!

Recomposição emocional

O estresse pode desencadear intensos transtornos emocionais, a depender do organismo de cada indivíduo. Por isso, procure formas de lidar com os próprios estados emocionais. Desenvolva sua resiliência ao trazer à consciência formas de defesa contra pensamentos e sentimentos negativos.

Recomposição de consciência

Algumas atividades específicas são particularmente eficazes para tratar problemas de ordem física e emocional. A meditação, o ioga, o tai-chi-chuan e a sincronização de ondas cerebrais podem ser adotadas e praticadas com frequência para restabelecer o funcionamento saudável da mente e do corpo.

O estresse e os líderes

Segundo o jornal inglês The Guardian, 70% dos líderes levam uma vida estressante e experimentam o que é chamado de “estresse do poder”. Neste caso, é necessário verificar como o estresse tem impactado você e os colaboradores em geral. Lembre-se de que um líder estressado dissemina estresse pela equipe, o que pode ocasionar diversos tipos de perdas. Preste atenção na sua conduta!


Flora Victoria escreve mensalmente para o Site Abilio Diniz. É fundadora e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Coaching e presidente da SBCoaching Empresas.

Gilmar Mendes na presidência do TSE ameaça mandato de Dilma

gilmar-mendes-10abrUm dos pesadelos do PT está próximo de se tornar realidade. Daqui a pouco menos de três meses o ministro Gilmar Mendes deverá ser empossado na presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em substituição ao ministro Dias Toffoli. Matéria publicada no El País lembra que isso só não ocorrerá se houver uma reviravolta interna e os outros seis ministros da Corte romperem a tradição de indicar o atual vice-presidente no lugar do presidente. Na última semana, Mendes manteve o seu posto no foro eleitoral por indicação do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele dependia desse aval para continuar no cargo.
Considerado um bastião da oposição no Judiciário brasileiro, Mendes é um ferrenho crítico do PT. Já chegou a dizer que, diante do esquema de desvios bilionários da Petrobras, o mensalão petista deveria ter sido julgado por um tribunal de pequenas causas. É comum ouvi-lo fazer comentários como esse nos julgamentos STF ou em palestras que profere frequentemente pelo país.

Com Olimpíadas e eleições, Dilma tem poucos meses para aprovar medidas

dilma_reforma
De acordo com análise do Correio Braziliense, o tempo é o principal adversário do governo federal para aprovar no Congresso a agenda anunciada como indispensável à estabilidade fiscal e retomada do crescimento econômico. Como o ano legislativo só se iniciará de fato em 15 de fevereiro, serão apenas três meses (março, abril e maio) para passar várias medidas de difícil articulação e consenso, num ano atípico, que será interrompido em agosto pelos Jogos Olímpicos e pelas eleições municipais; em julho pelo recesso parlamentar; e em junho pelas festas juninas, que tradicionalmente mobilizam os 151 parlamentares da bancada do Nordeste.
A agilidade necessária para aprovar as medidas de ajustes esbarra também na travessia de um mar revolto, que volta a balançar o cenário político agora, com o fim do carnaval. Nesse barco, estão os debates em torno do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o processo de cassação e o pedido de afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acusado de ter recebido propina do esquema de corrupção na Petrobras. Somados a isso, decisões e depoimentos no âmbito da Operação Lava-Jato devem continuar assombrando Brasília.

TRE alerta para as principais data no calendário eleitoral

binoculo urnaPassada a folia do Carnaval, as atenções no setor político são voltadas para o pleito eleitoral deste ano. O calendário das Eleições Municipais 2016, aprovado pelo Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em novembro do ano passado, incorpora as modificações introduzidas pela Lei 13.165, aprovada pelo Congresso Nacional em 29 de setembro de 2015. O calendário contém as datas do processo eleitoral a serem respeitadas por partidos políticos, candidatos, eleitores e pela própria Justiça Eleitoral.
Conforme o previsto na Constituição Federal, a eleição será no dia 2 de outubro, em primeiro turno, e no dia 30 de outubro, nos municípios onde houver segundo turno. Os eleitores vão eleger os prefeitos, vice-prefeitos e vereadores dos municípios brasileiros. É importante estar atento aos novos prazos e datas. 

Candidatos tem correr contra o tempo se quiserem disputar a eleição de 2016

tempo-plataoQuem quiser concorrer aos cargos eletivos deste ano deve correr contra o tempo, já que o prazo máximo para se filiar a um partido político é até o dia 2 de abril de 2016, ou seja, seis meses antes da data das eleições.