13 de fevereiro de 2016

Não tem jeito! Dilma vai ser pega na Lava-Jato

dilma_presa
A Operação Lava Jato investiga repasses feitos pela empreiteira Odebrecht ao marqueteiro João Santana, responsável por campanhas do PT e da presidente Dilma Rousseff. A apuração verificou contas em nome do publicitário em diferentes países, incluindo a Suíça.
Os dados sobre a movimentação financeira de Santana integram o pacote de documentos enviados ao Brasil pela promotoria suíça em acordo de cooperação. A PF encontrou na casa do lobista Zwi Skornicki, ligado ao estaleiro asiático Keppel Fels, uma carta de Mônica Moura, mulher do publicitário, que indicava as contas de Santana no exterior.
Santana recebeu R$ 88,9 milhões da campanha de Dilma em 2014.

Em 2020, haverá mais pessoas com celular que com luz e água

celular internetOs dispositivos móveis estão ganhando a batalha: sua proliferação no mundo foi tal que em 2020 o número de pessoas que terá pelo menos um deles será maior que o que contará com eletricidade, água potável e automóveis, segundo as últimas previsões da empresa de tecnologia Cisco.
Os usuários de dispositivos móveis, incluindo os “phablets” (híbrido entre telefone e tablet), chegarão naquele ano aos 5,4 bilhões, 70% da população estimada para esse ano, indica o estudo “Visual Networking Index – Global Mobile Data Traffic Forecast”, publicado recentemente pela empresa da Califórnia (Estados Unidos).
O número é superior às projeções internacionais sobre o acesso a alguns serviços públicos, como eletricidade (5,3 bilhões) e água potável (3,5 bilhões), ou de outros bens de consumo como os automóveis (2,8 bilhões), segundo a companhia.

Empregadores domésticos poderão deduzir até R$ 1.182,20 no Imposto de Renda

2015-821852050-03domes2-_20150603O patrão que teve uma doméstica com carteira assinada entre dezembro de 2014 a novembro de 2015 poderá deduzir de sua declaração anual de Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) de 2016 o valor de contribuições previdenciárias feitas em nome da empregada. O teto de restituição ou dedução informado pela Receita Federal será de R$ 1.182,20.
— O valor diz respeito aos 12% de INSS, referente à parte do empregador (contribuição patronal), recolhidos durante os meses de dezembro de 2014 a setembro de 2015, mais 8% dos meses de outubro e novembro de 2015 (quando a alíquota foi reduzida, em virtude da mudança na legislação), desde que o contribuinte use o modelo completo de declaração. Os empregadores que optarem pelo desconto simplificado não poderão fazer esta dedução. Portanto, é importante, antes de optar um ou outro, fazer uma simulação, para ver qual a opção mais vantajosa (em termos de restituição total de IR) — explicou o presidente do Instituto Doméstica Legal, Mário Avelino.
A estimativa do portal Doméstica Legal é que 620 mil patrões — dos 1,5 milhão de empregadores que têm domésticas com carteiras assinadas — restituam aproximadamente R$ 732 milhões. A plataforma vai lançar, na próxima quarta-feira, uma calculadora para auxiliar os contribuintes.

Menino que mudará de gênero e nome faz planos: 'Quero ter marido e 3 filhas'

Vestida como menina e cercada de casinhas e bonecas, a criança de 9 anos que conseguiu na Justiça o direito de realizar a mudança de gênero e de nome no documento afirma que já projeta o futuro e diz que pretende ter um marido e ter três filhas. A menina, que mora com a família em Sorriso, município a 420 km de Cuiabá, revela que tem medo que as amigas não aceitem sua condição.

A família da menina conseguiu o direito à alteração dos documentos  com base numa sentença dada pelo juiz Anderson Candiotto, da 3ª Vara da Comarca de Sorriso, no dia 28 de janeiro. O magistrado entendeu que a decisão “foi dada para garantir que a criança, assim como ela se vê na sua individualidade e na sua orientação feminina, seja respeitada e tratada de forma como é”. A decisão é inédita no Brasil.

Todo o processo de mudança foi acompanhado por psicólogos e especialistas. Antes de ingressar na Justiça, a família levou a menina para acompanhamento com especialistas do Ambulatório de Transtorno de Identidade de Gênero e Orientação Sexual do Núcleo de Psiquiatria e Psicologia Forense do Instituto de Psquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Na unidade, os médicos psiquiatras constataram o transtorno de identidade sexual.

A menina gosta de pintar as unhas, usar saias, vestidos e sapatilhas. Ela conta que não se sentia bem quando era tratada como menino. “Eu não gostava. Não me sentia bem. Ficava muito triste”, relata. Ela diz que não sentia bem com as atividades esportivas da escola porque, entre outras coisas, não gostava de futebol.

Entre os sonhos dela está trabalhar em um canal de televisão e cursar design. A criança fala até sobre a vontade de constituir uma família, que será composta pelo “esposo e três filhas meninas. Os nomes delas serão Sofia, Camile e Priscila”.

Ela diz ter ficado feliz com a decisão judicial porque a mudança dos documentos lhe trará menos problemas e constrangimentos. “Eu gostei bastante. Foi muito interessante porque não vai dar aquela correria quando eu chego no postinho [de saúde]. Minha mãe chega lá e ela tem que falar que esqueceu a identidade e que eu sou transexual”, lembra.

A menina diz que prefere que as amigas mais próximas não descubram sua condição, pois tem receio do que pode acontecer com as amizades. “Tenho medo de quando elas descobrirem. Eu tenho medo de que elas não queiram mais serem minhas amigas”, afirma.

Em entrevista ao Jornal Nacional, a psicóloga Cristiane Isabel Guerra, que acompanhou o caso desde o começo, explica que a mudança e o trabalho em relação à adequação da criança ao gênero ao qual ela pertence, não foi feita de maneira precipitada.

“Não é cedo demais porque não foi algo que aconteceu da noite para o dia. Foram feitos estudos e acompanhamentos. Foi avaliado o desconforto e o constrangimento que ela passava em algumas situações. Talvez com outra criança acontecesse em outro momento. Mas com ela aconteceu no momento necessário”, defende.

Cristiane ainda aponta que existe uma confusão sobre o conceito de transexualidade entre o público em geral. “São três questões, na verdade. Existe o conceito de sexo, que é como você nasce e é a biologia que te dá. Você tem sua orientação, que é ligada ao afeto e à atração que você tem por outras pessoas. E existe o transexual que é o sujeito que tem um gênero que não corresponde ao seu sexo biológico”, afirma.

Caso

A mãe da menina, que pediu para não ter a identidade divulgada, conta que desde pequena a criança apresentava comportamentos que não correspondem ao gênero em que nasceu.

“Desde bem pequena, ela tinha gestos femininos, apontava para objetos cor de rosa na TV, tirava o tênis do pé na escola para calçar as sandálias das colegas. Não aceitava vestir roupa de menino. Tirava o short e ficava de camiseta para ficar parecida com um vestido”, conta.

Em uma das situações mais complicadas, a mãe conta que a criança já tentou cortar o pênis com uma tesoura. “Ela saiu do banho, passou perto de uma máquina de costura e pegou uma tesoura. [Ela] sentou e falou que queria cortar o “piu piu“ porque queria ser menina”, relata.


A menina deve ser submetida a uma cirurgia para a troca de sexo quando completar 18 anos. E, com a decisão judicial que permite a troca do nome e gênero nos documentos de identidade da criança, para a família, a cirurgia será a única mudança necessária para, de fato, o menino se tornar menina.

Larvicida pode ser causa de surto de microcefalia

piri
Estudo da PCST, organização argentina de médicos especialistas em pesquisas sobre o uso de agrotóxicos em plantações, aponta o larvicida pyriproxyfen como causa do surto de microcefalia no Brasil. O produto químico é inibidor de crescimento usado para incapacitar, e às vezes destruir, a larva do Aedes aegypti e é usado em reservatórios de água potável no Brasil desde 2014. O pyriproxyfen é produzido pela Monsanto, gigante dos transgênicos.
NÃO ERA GRAVE
Segundo os pesquisadores do PCST, o zika vírus sempre foi tido como “benigno” e nunca havia sido associado a defeitos congênitos.
REAÇÃO QUÍMICA
Segundo a PCST, a introdução do pyriproxyfen em 2014 coincide com o surto de microcefalia no Brasil. O zika pouco teria a ver com isso.

Mudança de Lula entregou 37 caixas de bebidas no sítio de Atibaia

Documentos obtidos por VEJA mostram que, logo após deixar o governo, pertences do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de sua família foram levados para o sítio em Atibaia comprado em nome de sócios do filho mais velho do petista e reformado às expensas de empreiteiros acusados de participar do petrolão.
As notas fiscais e ordens de serviço de uma das transportadoras contratadas pelo governo federal para fazer o serviço comprovam que, a mando do Palácio do Planalto, parte da mudança de Lula foi remetida para a propriedade que o ex-presidente nega ser sua.
O sítio é o mesmo que virou alvo da Operação Lava-Jato e de uma investigação do Ministério Público de São Paulo, que apura a suspeita de que Lula tentou ocultar patrimônio, além de ter sido beneficiado por favores das empreiteiras envolvidas no escândalo da Petrobras.
Mais de 200 caixas com pertences da família do ex-presidente foram levadas de Brasilia até o o sítio em Atibaia — 37 delas eram caixas de bebidas, conforme registraram, cuidadosamente, os funcionários encarregados de fazer a mudança.
Os documentos com o registro da mudança estão arquivados na Presidência da República. A entrega em Atibaia se deu em 8 de janeiro de 2011, dois meses após a compra do sítio, feita em nome dos empresários Jonas Suassuna e Fernando Bittar, sócios do filho mais velho de Lula. No sítio, a carga foi recebida por um ex-assessor especial de Lula.
birita