10 de abril de 2017

Conselheiro Antônio Joaquim profere palestra em Juína


Por Dorjival Silva

O presidente do Tribunal de Contas de Mato Grosso, conselheiro Antônio Joaquim, esteve em Juína na semana passada para uma palestra direcionada a servidores públicos de várias cidades da região noroeste.

Em sua palestra, Antonio Joaquim destacou que é preciso parar de esperar por um "salvador da Pátria" e que a situação do município, estado ou país, só irá se transformar quando a sociedade mudar, lutar por seus direitos, mas também assumir seus deveres de cidadãos.


O Consciência Cidadã faz parte do ciclo de capacitações que o TCE-MT vem realizando em algumas cidades polos do estado e tem por finalidade orientar, além dos cidadãos, vereadores, por meio do Democracia Ativa, e servidores do Executivo, com o Gestão Eficaz.

Expedição Pró-Estradas começa hoje em Campo Novo do Parecis

Por Dorjival Silva

A Expedição Pró-Estradas, do Governo de Mato Grosso, percorre entre hoje e amanhã aproximadamente 700 quilômetros de rodovias estaduais, para conferir de perto o andamento de obras rodoviárias e dialogar com a sociedade sobre as ações na área de infraestrutura. 

O trajeto começará em Campo Novo do Parecis, passando por Brasnorte e Juara, com chegada em Alta Floresta nesta terça-feira. Na viagem serão feitos anúncios de ações para melhoria de rodovias e pontes.

 As obras fazem parte do programa Pró-Estradas idealizado pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra). 

Participam da Expedição o vice-governador Carlos Fávaro, o secretário Marcelo Duarte (Infraestrutura e Logística), lideranças políticas, engenheiros, além de representantes do setor produtivo e da sociedade civil organizada.

Assassinos de indígena idoso são condenados 28 anos após o crime

Por Dorjival Silva

A justiça federal em Juína condenou a 18 anos de prisão em regime fechado, Sadi Francisco Tremea e Antônio Lopes da Silva por homicídio doloso qualificado contra o indígena de 70 anos Yaminerá Suruí, ocorrido em 16 de outubro de 1988, na Reserva Indígena Zoró, localizada no Município de Aripuanã.

Esse crime praticado há mais de 28 anos em Aripuanã já tinha praticamente caído no esquecimento da população. Mas, como dizem que a justiça tarda mais não falha, finalmente chegou o dia dos réus enfrentarem o peso da lei.

A morte desse indígena idoso em 16 de outubro de 1988 teve a ver com brigas entre índios e fazendeiros na região noroeste por disputa de terra.

A sentença foi lida pelo juiz federal Francisco Moura Júnior, que presidiu a sessão. Mas, o detalhe é que os dois condenados se encontram foragidos desde o crime, como disse, há 28 anos. Bom, pelo menos a Justiça fez sua parte.