29 de maio de 2019

Professores estaduais ganham mais que o dobro dos educadores da rede particular, aponta governo


Diz o Olhar Direito que a remuneração média paga pelo Governo de Mato Grosso aos professores da rede estadual é mais que o dobro da paga aos professores da rede particular de ensino, é o que aponta o governo do Estado. 

Um professor em Mato Grosso ganha em média R$ 5,8 mil para uma carga horária de 30 horas semanais, enquanto na rede particular o salário médio é de R$ 2,2. Ainda de acordo com as informações esse é o 3º melhor salário do segmento no país. Leia mais AQUI

Seduc deve cortar ponto e destituir comissionados, diz PGE

O procurador-geral do Estado Francisco de Assis,
que assina o ofício

O Mídia News informou nesta manhã que o procurador-geral do Estado Francisco de Assis da Silva Lopes encaminhou um ofício a secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk, elencando as medidas que ela deve tomar em razão da greve dos profissionais da Educação, entre as quais o corte de ponto dos servidores que aderiram ao movimento.

O documento é da última terça-feira (28), um dia após os profissionais darem início à paralisação.

No ofício, o promotor diz que a medida segue uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de 2016, que estabeleceu o corte de ponto assim que os servidores se ausentarem do seu expediente em razão de greve. Leia mais AQUI


Greve dos profissionais da educação é apenas por pirraça a Mendes e Bolsonaro

Por que greve se o salário já é um dos três melhores do país para a categoria?

Reportagem da revista Nova Escola, especializada em Educação, mostra que o salário pago pelo Estado aos professores de Mato Grosso é o terceiro melhor do País.  O levantamento (veja AQUI) mostrou que Mato Grosso paga R$ 4.350 aos profissionais, para jornada de 30h semanais. Na frente de Mato Grosso estão apenas Maranhão (R$ 5.751) e Mato Grosso do Sul (R$ 5.553), que possuem regime de 40h semanais. Proporcionalmente, se Mato Grosso trabalhasse em regime de 40h semanais, o salário saltaria para R$ 5.799.
Vale lembrar que o piso nacional estabelecido pelo Ministério da Educação (MEC) para este ano é de R$ 2.557.74.

Desta forma, Mato Grosso tem pago 70,1% a mais que o piso nacional de 40h, mesmo os professores tendo uma jornada de 30h.

Apenas nos últimos quatro anos, houve ganho real de 31,53% no salário dos professores do Estado. A remuneração saltou de pouco mais de R$ 2,9 mil em 2015 para R$ 4,35 mil em 2018, gerando um custo adicional de R$ 530,6 milhões aos cofres públicos, como demonstrado no quadro abaixo:

DESPESA ANUAL COM OS SALÁRIOS DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA
2013
R$ 1.415.516.164,48
2014
R$ 1.606.772.808,75
2015
R$ 1.846.833.245,05
2016
R$ 2.185.343.532,36
2017
R$ 2.067.484.628,57
2018
R$ 2.409.104.325,16

Para este ano, a estimativa é que o Estado gaste R$ 2.428.017.914,70 a título de remuneração aos profissionais da Educação.

Ou seja, 93% do orçamento da Seduc será destinado a custear a folha salarial.
Esta despesa está em evolução crescente e o impacto poderá ser ainda maior caso sejam concedidos os reajustes requeridos pelo Sindicato dos trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep), como se observa na tabela abaixo.

ESTIMATIVA DE DESPESAS ANUAIS COM OS SALÁRIOS DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

SEM O GANHO REAL
COM O REAJUSTE
2019
R$ 2.428.017.914,70
R$ 2.621.371.210
2020
R$ 2.467.157.180,05
R$ 2.678.650.495
2021
R$ 2.551.736.405,27
R$ 2.783.071.600
2022
R$ 2.567.988.541,43
R$ 2.821.027.141
2023
R$ 2.572.546.850,81
R$ 2.849.325.026

Desta forma, de 2013 a 2023 o salário dos professores da Educação Básica terá um aumento de 81% e, na hipótese de concessão do reajuste, este percentual saltaria para 101%.

Somada a folha de pagamento com o custeio básico da Educação, não sobrará nenhum valor para a Seduc investir em manutenção, adequação e infraestrutura das 753 escolas estaduais.

Estes dados explicam a dificuldade do Estado em conseguir melhorar a estrutura das unidades escolares, vez que a quase totalidade da fatia do orçamento é destinada para custear salários e despesas básicas.

Confira o ranking salarial dos Estados:
ESTADO
RANKING DE MAIOR SALÁRIO
SALÁRIO BASE DO PROFESSOR PARA 40H SEMANAIS
MARANHÃO
R$ 5.750
MATO GROSSO DO SUL
R$ 5.390
MATO GROSSO
R$ 4.350 30h e R$ 5.799 se fosse 40h, proporcionalmente
TOCANTINS
R$ 4.236
PARÁ
R$ 4.187
AMAZONAS
R$ 3.900
DISTRITO FEDERAL
R$ 3.858
AMAPÁ
R$ 3.513
PARANÁ
R$ 2.831
PIAUÍ
10º
R$ 2.663
SÃO PAULO
11º
R$ 2.585
GOIÁS
12º
R$ 2.470
RIO GRANDE DO SUL
13º
R$ 2.455
ESPÍRITO SANTO
14º
R$ 2.455
SANTA CATARINA
15º
R$ 2.455
BAHIA
16º
R$ 2.446

Ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro volta à prisão

Arcanjo de volta à cadeia
O ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro, condenado já por vários crimes, foi preso novamente na manhã desta quarta-feira (29), em Cuiabá. Ele e outros presos foram encaminhados para a sede da GCCO.

Mais informações no decorrer do dia.