25 de agosto de 2019

Bolsonaro diz ao STF que não quis ofender pai do presidente da OAB


O presidente Jair Bolsonaro enviou ofício ao Supremo Tribunal Federal (STF) dizendo que não teve a intenção de ofender ou de acusar de crime o militante Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira quando falou publicamente sobre seu desaparecimento durante a ditadura militar.

A manifestação foi feita em resposta a um pedido de esclarecimento feito pelo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, filho do militante. A fala de Bolsonaro que suscitou a polêmica foi: “Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade. Conto pra ele. Não é minha versão. É que a minha vivência me fez chegar nas conclusões naquele momento. O pai dele integrou a Ação Popular, o grupo mais sanguinário e violento da guerrilha lá de Pernambuco e veio desaparecer no Rio de Janeiro”.

No ofício enviado ao STF, Bolsonaro esclareceu que atribuiu a violência ao grupo de esquerda, e não a Fernando Santa Cruz. “Como se percebe, não imputei qualquer crime ao pai do interpelante (não tendo sido apontado qualquer ato específico de violência por ele praticado) ou ao próprio requerente, sendo certo que a característica negativa a que me referi dirigia-se ao grupo e não à pessoa do pai do interpelante”.

STF nunca teve ministro processado ou afastado por crime comum ou de responsabilidade


Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) foram alvos de 33 pedidos de impeachment nos últimos dez anos no Senado, segundo levantamento feito pela Folha, mas nenhuma das denúncias seguiu adiante.

Das três principais casas da Praça dos Três Poderes, em Brasília (Presidência, Congresso e STF), o Supremo é a única que nunca perdeu um integrante a partir de uma denúncia de crime comum ou de responsabilidade.

As delações da Odebrecht arquivadas pelo STF


Levantamento feito pelo Estadão mostra que 54 dos 80 procedimentos relacionados ao acordo de colaboração premiada fechado pela Odebrecht e que permaneceram sob a guarda do STF foram arquivados pela Corte.

Segundo o jornal, escassez de provas é o motivo mais comum para o arquivamento.

Manifestações em 83 cidades contra Lei de Abuso de Autoridade


O Vem Pra Rua e outros movimentos convocaram para este domingo manifestações em todo o país contra a Lei de Abuso de Autoridade.

São 83 cidades com atos programados, segundo levantamento da Gazeta do Povo.

Mais da metade dos suplementos usados para emagrecer é ineficaz


O Brasil, 53% das pessoas estão acima do peso, e 19,8% chegam à obesidade, segundo o Ministério da Saúde. Quem quer ou precisa emagrecer e pensa em recorrer aos suplementos alimentares pode se decepcionar.

É que um levantamento atualizado neste ano pelos Institutos Nacionais de Saúde (NIH, na sigla em inglês) norte-americanos mostra que 13 entre as 24 (58,3%) substâncias mais comuns nesses produtos têm mínimo ou nenhum efeito sobre o emagrecimento.

Foram avaliados 240 estudos. A conclusão é que suplementos à base de cafeína, por exemplo, famosos pelo efeito de acelerar o metabolismo, até podem levar a uma “possível redução modesta de peso”, mas é o máximo que atinge, já que não é consenso científico que qualquer uma das substâncias seja eficiente. Seis substâncias enquadram-se nessa categoria – o que representa 25%.