17 de dezembro de 2019

A CUT sem dinheiro para o pão e a mortadela


A situação está ficando mais preta para o presidiário Lula da Silva, que não tem dinheiro para bancar as suas andanças pelo Brasil, em razão da CUT, que sem o Imposto Sindical, não tem recursos financeiros para bancar o “pão com mortadela” para os bagunceiros do MST, em razão da entidade ser obrigado a reduzir de 20% a 25% a sua jornada de greves e dos salários dos seus funcionários.

O PT já quer Coutinho solto antes de ser preso

Youtuber lésbica defensora de Bolsonaro sofre agressão homofóbica brutal. Isso a Globo não mostra. Agora se fosse do PT…




A youtuber Karol Eller, conhecida por ser defensora do governo Bolsonaro, foi alvo de um ataque homofóbico que deixou seu rosto desfigurado.

Segundo o colunista Leo Dias, do Jornal de Brasília, a agressão ocorreu no último domingo (15) em um quiosque na Praia da Barra da Tijuca. Ela estava acompanhada pela namorada quando foi agredida a socos e pontapés. Chegou inclusive a desmaiar diante da brutalidade da ação, segundo o relato do jornalista.

Karol Eller se pronunciou sobre o caso em sua página no Instagram. Escreveu que estava sem condições de falar sobre o assunto.

Câmara aprova PEC que aumenta repasse de recursos aos municípios


O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (17) por 343 votos a 6, em primeiro turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 391/17, que aumenta em 1 ponto percentual os repasses de alguns tributos da União para as cidades por meio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

A PEC, oriunda do Senado, estabelece um aumento de 1% escalonado em quatro etapas ao longo dos próximos quatro anos, a partir de 2020: 0,25% no primeiro e no segundo ano, 0,5% no terceiro e 1% a partir do quarto. O relator da PEC na Câmara, calcula que a mudança deve liberar quase R$ 60 bilhões para os municípios nos próximos 10 anos.

Donos da Telexfree são presos em operação da Polícia Federal no Espírito Santo



Os donos da Telexfree, Carlos Costa e Carlos Wanzeler, foram presos nesta terça-feira (17), durante a Operação Alnilam da Polícia Federal, que investiga a suposta ocultação de valores obtidos com as atividades da empresa no Brasil. A prisão foi confirmada pelo advogado deles, Rafael Lima. Ao G1, ele disse que não entende a decisão.

A operação contou com a participação de 15 policiais federais, para o cumprimento de três mandados de busca e apreensão, além dos dois mandados de prisão. Carlos Costa e Wanzeler foram presos nas casas deles, que ficam em Vila Velha e Vitória.

As investigações indicaram que valores obtidos com as atividades da Telexfree no Brasil teriam sido ocultados para não serem alcançados pela Justiça.

A suspeita é de que imóveis foram adquiridos em nome de outras pessoas, com recursos diretamente ligados à atividade da Telexfree. Além disso, esses imóveis depois eram alugados, gerando renda para os investigados.