Tristeza e estresse não aumentam risco de morte, segundo estudo inglês

triste
Tristeza ou estresse não aumentam o risco de morte, segundo um estudo inglês realizado na Universidade de Oxford, em parceria com a ONG Cancer Research. A pesquisa foi feita com mais de um milhão de mulheres britânicas com mais de 50 anos, durante dez anos. Estudos anteriores sugeriam que o grau de felicidade poderia prever a duração da vida, e que alterações de hormônios e estresse aumentaria risco de morte. O estudo, que foi publicado na revista médica The Lancet, mostra que esses estudos falharam. Então, um milhão de mulheres tiveram que avaliar a saúde, felicidade e níveis de estresse regularmente.
Os resultados mostraram que as diferenças do estado de espírito não tiveram impacto nas chances de morte, além de fatores como saúde e tabagismo. De acordo com uma das pesquisadoras do projeto, Bette Liu, doenças deixam pessoas infelizes, porém a infelicidade não deixa ninguém doente. Um dos autores da pesquisa, Richard Peto, afirmou que fumantes sociais tinham o dobro de chances de morrer durante o estudo, e cresceu mais três vezes no caso de tabagismo regular, e que a felicidade não interferia em nada disso. Segundo ele, estresse não causa problemas cardíacos, isso é apenas um mito. Porém, é conveniente, para que as pessoas não se estressem.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os cinco traficantes presos neste domingo pela Polícia Federal em Tangará da Serra

Sábado com acidente fatal na BR 364 próximo a Diamantino

Cecilia Gabriella,15 anos, é morta com 22 facadas em Campo Novo do Parecis