23 de novembro de 2014

Líder do PT no Senado teria recebido R$ 1 milhão, diz jornal

humberto costaO ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou em depoimento à Justiça que o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), recebeu R$ 1 milhão do esquema de fraudes envolvendo a estatal, informa a edição deste domingo (23) de “O Estado de S. Paulo”, que está nas bancas.
Segundo o jornal, a citação foi feita em depoimento sigiloso que integra a delação premiada assinada pelo ex-diretor, por meio da qual ele espera ter sua pena reduzida. O jornal afirma que, segundo Paulo Roberto, o dinheiro a Costa foi solicitado pelo empresário Mário Barbosa Beltrão, presidente da Associação das Empresas do Estado de Pernambuco (Assimpra).
Paulo Roberto teria dito que o dinheiro saiu da cota de 1% do PP. Segundo o jornal, o ex-diretor não soube informar como ocorreu o repasse do dinheiro, mas declarou que o empresário lhe confirmou o pagamento. Humberto Costa negou ao “Estado” ter recebido dinheiro não contabilizado.

89% dos brasileiros consideram as escolas públicas violentas

Levantamento feito pelo instituto de pesquisa Data Popular revela que a falta de segurança e a violência nas escolas são os principais problemas apontados pela população para uma educação de qualidade. Em seguida, a sociedade aponta a necessidade da valorização dos professores e funcionários. A pesquisa foi apresentada nesta sexta-feira na Conferência Nacional de Educação (Conae).
A pesquisa foi encomendada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) em parceria com o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp). Ela foi realizada em setembro deste ano, com 3 mil pessoas de mais de 16 anos, nas cinco regiões do país. O levantamento mostra que para 89% dos entrevistados existe muita violência nas escolas públicas brasileiras. Os entrevistados entram em consenso quando o assunto é valorização dos professores, já que 98% avaliam que a profissão deveria ser mais valorizada

Pequeno investidor da Petrobras encara queda de 65% nos últimos cinco anos

queda bolsaQueridinha do mercado de ações há seis anos, quando seus papéis bateram a casa dos R$ 51, a Petrobras hoje é sinônimo de dor de cabeça para pequenos investidores que precisam lançar mão dos recursos neste momento. A estatal — que vive a maior crise de sua história com as investigações sobre contratos superfaturados e pagamento de propina — viu suas ações desvalorizarem 50%, em apenas dois meses e, hoje, o valor é de pouco mais de R$ 14. Na sexta-feira, fechou a R$ 14,30. Nos últimos cinco anos, o preço médio dos papéis caiu 64,37%.

Punição a empreiteiras da Lava Jato não poria obras públicas em risco

lava jato PF
O pânico espalhado por advogados e agentes públicos de que o país pode parar caso empreiteiras denunciadas na Operação Lava Jato da Polícia Federal sejam declaradas inidôneas é, por números e lógica, pouco racional. Segundo a Folha de São Paulo, a estratégia do medo foi lançada no fim da semana passada pelo advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que trabalha para algumas das envolvidas. Ao longo da semana, o discurso foi repetido até pela presidente Dilma Rousseff.
Quando uma empresa é declarada inidônea, ela pode ficar até cinco anos proibida de contratar com qualquer órgão público. Mas a lei e o bom senso permitem que as obras que estão em andamento sigam normalmente. Somente quando comprovado que um contrato tem preços acima do mercado, é possível renegociá-los. Em geral, as empresas concordam com essa repactuação e seguem na construção. Em alguns casos, o órgão público e a companhia levam a questão à Justiça sem parar a ob

‘É impossível responder qual é o maior caso de corrupção’, diz cientista político

corruoção $Em meio às últimas denúncias de desvio de verbas na Petrobras, investigadas pela Operação Lava Jato da Polícia Federal, o doutor em Ciência Política e professor da Universidade de São Paulo José Álvaro Moisés defende que é preciso cautela ao comparar diferentes casos de corrupção. “As pessoas dizem que é o maior escândalo do país. Diziam isso na época do mensalão e agora está se dizendo isso na Lava Jato. Agora, eu não sei dizer”, reconhece Moisés, em entrevista ao Poder Online. “Nós não sabemos, porque pode ter havido, em outras épocas da vida do país, outros fenômenos maiores de corrupção e nós não estamos devidamente informados”
O cientista político também apresenta ressalvas quanto ao discurso petista de que um fortalecimento da autonomia dos órgãos de investigação nos últimos anos teria possibilitado a vinda à tona desses casos. “É impossível responder qual o maior caso de corrupção. Como você deve saber, não existe uma notícia clara para saber qual é maior ou menor. A sociedade não teve informação em nenhum dos dois casos. No primeiro caso, do Mensalão, quando apareceu, a razão pela qual as pessoas consideravam que era o maior escândalo é porque envolveu desvio de algo em torno de R$ 170 bilhões”.

Lava Jato já supera em muito o mensalão diz MP

20141122040200_cv_DUCCCIIimagesCA7YW09J_gdePela primeira vez, o Ministério Público Federal comparou o esquema de desvio de recursos públicos e pagamento de propina revelado pela ‘lava jato’ ao escândalo do mensalão. Segundo o levantamento, a operação já superou o que é considerado o maior caso julgado no Supremo.
Segundo o jornal Estado de S.Paulo, a comparação foi utilizada para justificar a manutenção das prisões preventivas de alguns dos executivos das empreiteiras envolvidas no caso.

Não é meu nem teu, então libera e vamos gastar

20141122042814_cv_DUCCCUUUimagesCA4SP55P_gdeA Câmara dos Deputados decidiu ignorar o Supremo Tribunal Federal, que determinou o corte de remuneração acima do teto, e autorizou rendimentos superiores a R$ 29,4 mil por mês a servidores. O Estado de Minas apurou que o presidente da casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), liberou o pagamento dos super-salários no contracheque de novembro com direito até o retroativo pelo que os funcionários deixaram de receber no mês anterior.
O presidente alega que acatou o recurso da Associação dos Consultores Legislativos e de Orçamento da Câmara (Aslegis) à Casa.

Revista Veja “bate” mais uma vez em Dilma

images-cms-image-000405518
A cada semana, a revista Veja, da Editora Abril, prcoura um novo mote para bater contra a presidente Dilma Rousseff. Depois de ser condenada a publicar um direito de resposta em pleno dia de votação, por tentar, segundo a Justiça, manipular a opinião pública, Veja atacou novamente, neste fim de semana.
A ‘bomba’ é um email de Paulo Roberto Costa para a então ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, em que o ex-diretor da Petrobras trata de restrições do Tribunal de Contas da União às obras da Refinaria Abreu e Lima. Na mensagem, Costa propõe que o tema passe pelo Congresso. Segundo Veja, naquele momento, Dilma poderia ter feito parar o chamado ‘petrolão’.
Em nota, o Palácio do Planalto reagiu. ‘Depois de tentar interferir no resultado das eleições presidenciais, numa operação condenada pela Justiça eleitoral, Veja tenta enganar seus leitores ao insinuar que, em 2009, já se sabia dos desvios praticados pelo senhor Paulo Roberto Costa, diretor da Petrobras demitido em março de 2012 pelo governo da presidenta Dilma’, diz o texto. ‘As práticas ilegais do senhor Paulo Roberto Costa só vieram a público em 2014, graças às investigações conduzidas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público.’

Projeto de Lei quer proibir ligações com números bloqueados

numero privadoA Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) tem reunião marcada para as 9h de terça-feira (25). Entre outras propostas, o colegiado pode votar Projeto de Lei do Senado do senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) que torna obrigatória a identificação do código de acesso originador das chamadas telefônicas.
O objetivo, segundo Vital, é evitar a prática de crimes por meio das redes de telefonia e coibir abusos nas práticas dos serviços de telemarketing e de cobranças. De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o código de acesso é o conjunto de números que permite a identificação de assinante, de terminal de uso público ou de serviço a ele vinculado.

Candidato do PMDB à Câmara ganhou ao apelido de “Meu Malvado Favorito”

cunha gru
No Palácio do Planalto, Dilma e assessores o apelidaram do pré-candidato do PMDB à presidência da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), “Meu Malvado Favorito”, pela frequência com que se posiciona contra os interesses do governo. É uma referência a uma animação em 3D cujo personagem principal, Gru, quer tornar-se o maior vilão da história, mas acaba se redimindo.
A força desse carioca malvado vem de uma bancada particular, que ele lidera e manobra, com pelo menos 50 fiéis seguidores, alguns de outros partidos. Rumo a seu quarto mandato na Câmara, Cunha cultiva essa lealdade com favores de todo tipo. De ingressos para jogos de futebol no Rio a ajuda financeira para campanhas dos aliados.

Propaganda eleitoral deve ser retirada das ruas até a terça (25)

tseCandidatos, partidos políticos e coligações que disputaram a eleição no segundo turno têm até a próxima terça-feira, 25 de novembro, para retirar das ruas todas as propagandas eleitorais. É o que determina a Resolução 23.404/2014, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que em seu artigo 88 estabelece que a propaganda eleitoral deve ser removida até 30 dias após a eleição.
O mesmo dispositivo estabelece que se o bem em que a propaganda foi fixada tiver sido danificado, este deverá ser restaurado. O prazo de retirada da propaganda eleitoral para quem concorreu no primeiro turno terminou no dia 4 de novembro. De acordo com resolução do TSE, o descumprimento dessas regras sujeita os responsáveis às consequências previstas na legislação comum aplicável. A abrangência da regra permite a aplicação de legislações comuns variadas, como as leis de posturas municipais – conjunto de normas que regula a utilização do espaço e o bem-estar público do município – bem como normas ambientais e de direito administrativo.

Avaliação da alfabetização começa a ser aplicada em escolas de todo o país

590014.TIFEstudantes do 3º ano do ensino fundamental de escolas públicas de todo o país começaram a responder às questões da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA). O objetivo é avaliar o aprendizado dos alunos no final do ciclo da alfabetização. Esta é a segunda vez que o exame é aplicado nacionalmente. O processo é feito pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e segue até sexta-feira (28).
As questões, na área de leitura, escrita e matemática, são divididas em dois dias de aplicação. “A segunda aplicação será bem importante para as escolas que receberam este ano os resultados de 2013. Trata-se de um diagnóstico importante, que só era feito a partir do 5º ano [com a Prova Brasil]”, explica a coordenadora-geral do Todos Pela Educação, Alejandra Meraz Velasco. Ao final dos três anos do chamado ciclo da alfabetização, espera-se que o estudante tenha um nível de autonomia para continuar o aprendizado no 4º e 5º ano – momentos de consolidação da habilidade já desenvolvida, acrescenta ela.

Cruzeiro pode ser campeão brasileiro neste domingo (23)

time cruzeiro
O Cruzeiro está a uma vitória do tetracampeonato Brasileiro. E por isso promete todas as forças no duelo contra o Goiás, marcado para este domingo (23), às 17h, no Mineirão, em Belo Horizonte, pela trigésima sexta rodada da competição. Na última rodada, o Cruzeiro foi a Porto Alegre e venceu o Grêmio, de virada, por 2 a 1, num resultado que praticamente garantiu o título Nacional. O time chegou aos 73 pontos ganhos – contra 66 do São Paulo, vice-líder. Já o Goiás vem de derrota para o Corinthians, por 1 a 0, o que o manteve em décimo segundo, com 44.
Caso vença, o Cruzeiro conquistará o quarto título Brasileiro. O segundo seguido da Raposa, que nas duas últimas temporadas mostrou competência em seu planejamento e confiou no trabalho do técnico Marcelo Oliveira. Vale lembrar que neste ano o time ainda pode ser campeão da Copa do Brasil – final contra o Atlético Mineiro.

22 de novembro de 2014

Diretor afirma que pagou US$ 40 milhões em propina para intermediar negócio com a Petrobras

dinheiro (1)Em depoimento de delação premiada à Justiça, um diretor da empresa Toyo Setal afirmou que pagou U$ 40 milhões ao empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, para intermediar a compra de sondas de perfuração para a Petrobras. No depoimento, Júlio Gerin de Almeida Camargo declarou que o valor foi repassado para Soares por meio de contas offshore indicadas por ele no Uruguai e na Suíça.
No termo de delação, Camargo afirmou que em 2005 atuou como agente da empresa Samsung para vender para a Petrobras duas sondas de perfuração de águas profundas na África e no Golfo do México. Para fechar o negócio, o delator disse que procurou Soares “pelo sabido bom relacionamento” dele na área internacional e de abastecimento da empresa, dirigidas à época por Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa, respetivamente. Para tratar do negócio, o delator disse que participou de uma reunião na sala de Cerveró, na sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, onde também estavam presentes o então gerente executivo da área internacional Luiz Carlos Moreira, o então vice-presidente da Samsung Harrys Lee e o gerente da Mitsui no Rio de Janeiro, Ishiro Inaguage.
Para fechar a compra, Camargo disse que se reuniu com Fernando Soares para acertar os valores do negócio. “Fernando Soares disse que precisaria ser paga a quantia de US$ 15 milhões de dólares para que ele ‘pudesse concluir a negociação em bom ‘êxito’ junto à Diretoria Internacional; (…) que isso revelava que Fernando Soares mantinha um ‘compromisso de confiança’ com o diretor internacional Nestor Cerveró. (…) que acabou concordando em pagar os US$ 15 milhões, pois era o único jeito de fechar o negócio; que o declarante fez um acordo com Fernando Soares”, diz a delação.

O eleitor consciente não sabia

mala dolar

Os eleitores progressistas de Dilma Rousseff estão radiantes. Foi muito importante a esquerda ganhar a eleição no Brasil. O candidato burguês da elite branca jamais celebraria o Dia da Consciência Negra como o fez a presidente mulher e oprimida. Devota de Zumbi (o que fica claro pelo estilo do seu governo), Dilma exaltou um Brasil que “se orgulha da sua cor”.
Se você não sabia, eleitor derrotado da direita capitalista, agora ficou sabendo: o Brasil tem uma cor. E não é a sua, seu branco azedo. Aí você perguntaria: se o Brasil de Dilma é negro, não seria melhor ela entregar logo a Presidência a Joaquim Barbosa e se exilar na Argentina?
Pronto, lá vem a elite branca com a sua vocação golpista. É bem verdade que também há brancos entre os eleitores conscientes que salvaram o Brasil, garantindo mais quatro anos ao PT. Mas é só aparência. São todos negros por dentro. Negros como o petróleo viscoso que jorrou nas contas bancárias do PT e aliados nos últimos dez anos.
O eleitor progressista do bem votou na candidata do povo já sabendo o que tinha acontecido com a Petrobras. Desde o início do ano a Operação Lava-Jato da Polícia Federal veio mostrando, como numa novela de Aguinaldo Silva, capítulo por capítulo da privatização da maior empresa brasileira pela maior quadrilha brasileira — instalada na diretoria da estatal com as inconfundíveis digitais petistas.
Nada disso abalou o eleitor de esquerda, porque ele sabe que privatização perigosa é a dos neoliberais. Se o PT e sua gangue tomam posse do que é do povo, isso é socialismo. No máximo na próxima encarnação você recebe a sua parte.
O que talvez tenha chateado um pouco o eleitor antenado de Dilma foi um detalhe desagradável do caso Petrobras. Só depois de passada a eleição, ele ficou sabendo o nome da empresa offshore do ex-diretor de serviços Renato Duque — um dos prepostos petistas no esquema, que está preso.
A empresa depositária das propinas no exterior se chama “Drenos”. Isso magoa um progressista. Mensalão, petrolão, enfim, drenar o dinheiro do povo por 12 anos, prorrogáveis por mais quatro, tudo bem. Mas fazer piada interna com isso é demais. Os companheiros Valério, Delúbio e Vaccari jamais fariam isso. Parece até coisa da elite branca.
Os desvios criados pelo PT nesses três mandatos do governo popular sempre foram coisa séria — dinheiro sujo para financiar a revolução limpa e gloriosa (e os charutos do Delúbio, que ninguém é de ferro). Enfim, roubaram sem perder a ternura.
O eleitor progressista e libertário do Rio de Janeiro — que junto com Minas Gerais decidiu a eleição em favor de Dilma — sabia de tudo isso, e explodiu de orgulho do seu voto no PT. Só não sabia que, no meio de toda a sucção revolucionária de dinheiro público, havia um engraçadinho batizando uma offshore do esquema de Drenos.
Como assim? Como um companheiro do bem que ama o Nordeste, os negros e os pobres faz uma coisa dessas? Será que ele confundiu socialismo com drenagem?
Vamos acalmar o eleitor de Dilma que livrou o Brasil da direita careta que adora Miami: está tudo bem. Não vá entrar em crise de consciência agora, que tudo deu certo. Quem sabe até “Drenos” seja o nome de um deus grego que simboliza a igualdade entre os homens — uma espécie de Hugo Chávez do Olimpo.
Bem, seja qual for o significado de drenagem no novo dicionário da revolução companheira, o que importa é que Dilma e Lula já anunciaram que vão trabalhar duro para “resgatar a imagem” da Petrobras. E nem será preciso trabalhar tão duro assim: com a fortuna do petrolão, dá para comprar toneladas de batom, rímel e blush. A Petrobras vai ficar linda.
Falando em maquiagem, a contabilidade criativa do governo popular precisará ser aprimorada. Com toda a perícia no embelezamento dos números, o déficit público estourou. Os companheiros estão tentando dar o seu jeito, propondo retirar a palavra “superávit” da norma de metas fiscais.
É uma solução interessante, altamente progressista. Se der certo, poderá ser estendida a outras áreas — retirando, por exemplo, a palavra “corrupção” do Código Penal. Aí a elite vermelha poderá tocar a sua drenagem revolucionária em paz, sem a chateação dessa imprensa burguesa que odeia o povo.
A gasolina aumentou, a energia vai aumentar muito, o teto da meta de inflação virou piso e os juros voltaram a subir. O que pensam disso os eleitores conscientes e solidários, magnetizados pelo carisma de Dilma Rousseff?
Eles não têm dúvida: isso certamente foi alguma maldade neoliberal do Armínio Fraga uns 15 anos atrás. Valha-nos, ó soberano Drenos, e livrai-nos desses conservadores desalmados, filhotes da ditadura. Esquerda unida jamais será vencida, caminhando e cantando e seguindo o cifrão.
Manifestações contra o petrolão são coisa da direita, alertam os progressistas. Dilma fará a mudança. Sendo assim, que o frete não demore, e ela não esqueça suas apostilas no palácio.
Guilherme Fiuza – Jornalista de O Globo

Agente da Lei Seca que multou juiz é sondada pela Playboy

tamburini
Luciana Tamburini, a agente que foi condenada a pagar indenização após autuar um juiz numa blitz da Lei Seca no Rio, é uma forte candidata a estampar a edição de Natal da revista masculina “Playboy”. O nome da morena surge como uma forma de resgatar uma tradição da revista em convidar anônimas que viraram notícias através de polêmicas, como aconteceu com Denise Rocha, a ex-assessora parlamentar que ficou conhecida no escândalo da CPI; e Mônica Veloso, que se envolveu com o presidente do Senado Renan Calheiros.
Segundo o jornal Extra, aaso as negociações com Luciana não avancem, outro nome forte para a edição natalina é o de Nicole Bahls, que já posou nua para a mesma revista em 2010. A modelo Veridiana Freitas, que viveu um affair com o cantor Gusttavo Lima em 2012, posou para a edição de janeiro deste ano da “Playboy”, como uma das três belas da praia, surge como uma terceira opção para a capa de dezembro.

Procurador defende prisões e diz que esquema na Petrobras é ‘gigantesco’

pastanaO procurador regional da República em Porto Alegre Manoel Pastana defendeu a manutenção da prisão de nove executivos e do ex-diretor da Petrobras Renato Duque. Eles recorreram ao TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região para obter habeas corpus contra a decisão do juiz responsável pela Operação Lava Jato, Sérgio Moro, de Curitiba. A informação foi divulgada pela Folha de São Paulo.
Em seus pareceres, o procurador escreveu que o escândalo revelado pela Lava Jato é “gigantesco, sem precedente na história do país, fazendo o mensalão parecer pequeno”. Nessa semana, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes também fez comparação entre os dois casos. “O nível de corrupção no país chegou a índice tão elevado, que o caso do mensalão, que se pensou tratar-se do maior esquema de corrupção de todos os tempos, foi superado por este”, afirmou Pastana.

Polícia paraibana divulga vídeo de adolescente atirando na ex-namorada

Uma estudante de 14 anos morreu depois de ser baleada dentro da sala de aula, em João Pessoa (PB). Maria Beatriz Santana foi atingida pelo ex-namorado, um adolescente de 15 anos, que se recusava a aceitar o fim do relacionamento, segundo informações da Polícia Militar.
O crime aconteceu na Escola Municipal Violeta Formiga, no bairro de Mandacaru, na periferia da capital paraibana, por volta das 9h30 de ontem. A jovem recebeu três tiros na barriga, sendo atendida pela Polícia Militar e encaminhada para o centro cirúrgico do Hospital de Trauma. Mas não resistiu.
Confira o vídeo divulgado pela PM da Paraíba:

Superfaturamento de R$ 43 milhões na transposição

TCU (Tribunal de Contas da União) julgou nesta quarta-feira (19) um processo que aponta superfaturamento de R$ 42 milhões em trechos das obras de transposição do Rio São Francisco. O montante representa 4,7% do orçamento de R$ 895 milhões do projeto. Trata-se da construção de um canal com 112,5 quilômetros, cruzando 13 cidades da Paraíba. O empreendimento foi financiado com recursos federais do Ministério da Integração Nacional e administrados pelo governo do Estado da Paraíba.
Além das suspeitas sobre os valores, os ministros do tribunal encontraram irregularidades na licitação organizada pela Secretaria de Meio Ambiente paraibana, em 2010. A pasta, ainda segundo o TCU, também não aprovou os projetos básicos apresentados pelas empreiteiras.

Quatro filmes brasileiros podem concorrer ao Oscar 2015

oscarO curta-metragem O Caminhão do Meu Pai é um dos finalistas ao Oscar 2015. Dirigido pelo paulista Mauricio Osaki, o filme concorre com outras nove produções ao prêmio de Melhor Curta-Metragem.
Na categoria Documentário, disputam uma vaga as produções Elena, de Petra Costa, e This Is Not a Ball, do artista plástico Vik Muniz, e, na categoria Melhor Filme Estrangeiro, Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro. No caso dos três últimos, os finalistas ainda não foram divulgados.