Por que o Brasil vota Hillary

h e t
Que a eventual eleição de Donald Trump seria ruim para o Brasil e para a América Latina parece tão óbvio que a esmagadora maioria dos latino-americanos votaria por Hillary Clinton, se pudesse.
É o que mostra pesquisa de meses atrás da Ipsos Public Affairs com 393 líderes de opinião de 15 países do subcontinente.
No Brasil, o resultado é 90% para Hillary e apenas 4% para Trump.
Em quatro países, Trump marca zero: Bolívia (91% para Hillary), Argentina e México (94% para a democrata) e Equador (95% votariam na adversária do republicano).
Permito-me uma dúvida: será que, se a pesquisa fosse feita com o público em geral, em vez de apenas com os chamados “líderes de opinião”, os resultados seriam parecidos?
A rejeição mais ou menos universal aos políticos do establishment (e Hillary é uma das mais representativas deles) sugere que a imagem (falsa) de “outsider” que Trump cultiva talvez fizesse sucesso também na América Latina.
Mas, à falta de dados científicos a respeito, fiquemos com a opinião dos “líderes”, que, ademais, parece extremamente sensata ao rejeitar Trump.
Primeiro porque é razoável supor que o preconceito contra os mexicanos, publicamente manifestado uma e outra vez, estender-se-á aos demais latinos. Não creio que Trump faça distinção entre mexicanos e brasileiros, entre guatemaltecos e colombianos e por aí vai.
Para ele, todos somos “hombres malos” (e mulheres loucas para serem agarradas pela vagina).
Preconceito não é a melhor maneira de conduzir o relacionamento diplomático. Só tende a reforçar o anti-norte-americanismo que está (ou estava) se tornando residual no subcontinente.
O presidente do Banco Central mexicano, Agustín Carstens, já está prevendo um “vendaval” sobre a economia do país, se Trump vencer. Afetará inexoravelmente toda a Aliança do Pacífico que o México integra com Chile, Peru e Colômbia e da qual o Mercosul está tentando se aproximar.
Outro elemento objetivo a considerar: a vitória de Trump sinalizará o congelamento dos acordos comerciais globais, multilaterais ou bilaterais. É verdade que Hillary também está se manifestando contra eles, mas ela é mais flexível e pragmática.
Para o Brasil, é um péssimo sinal porque ocorre justamente quando o país (e toda a região) ensaia dedicar-se aos acordos comerciais que não conseguiu fechar ou nem sequer começar a negociar nos últimos muitos anos.
Se já não bastassem esses estorvos diretos há, sempre no âmbito comercial, uma ameaça global: impor sobretaxas às importações chinesas, como Trump promete, equivale a uma declaração de guerra a que os chineses certamente responderão com idêntica agressividade.
Em um cenário econômico global já complicado, tudo de que o mundo não precisa é de um conflito entre as duas grandes potências econômico/comerciais do planeta —e que, de quebra, são os dois maiores parceiros do Brasil.
O pior é que não há nada que o Brasil possa fazer salvo torcer para que Trump não seja eleito ou, se o for, que esqueça tudo o que disse na campanha.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os cinco traficantes presos neste domingo pela Polícia Federal em Tangará da Serra

Sábado com acidente fatal na BR 364 próximo a Diamantino

Cecilia Gabriella,15 anos, é morta com 22 facadas em Campo Novo do Parecis