Maquiavelismo, narcisismo e psicopatia ainda prosperam na sociedade

tumblr_ly0sboeaAJ1qeb44so1_500Quanto o ambicioso Frank Underwood, protagonista do seriado House of cards, interpretado por Kevin Spacey, quanto a manipuladora Cersei Lannister, retratada em Game of thrones pela atriz Lena Headey, possuem uma característica que é, geralmente, abundante nos vilões mais memoráveis: o maquiavelismo. Somados a esse, outros dois traços costumam vir no pacote, formando a chamada tríade negra: conjunto de características altamente aversivas que engloba também o narcisismo e a psicopatia.
Ainda que aversivos, esses três aspectos de personalidade prosperaram na sociedade e, por isso, são alvo de estudos há décadas. O conceito de maquiavelismo, por exemplo, nasceu nos anos 1960, tendo como inspiração o estrategista italiano Niccolo Machiavelli, autor da clássica obra política O príncipe. Desde então, o termo descreve uma tendência pessoal à insensibilidade e ao afastamento da moralidade convencional, permitindo que o indivíduo busque enganar e usar os outros. Na época, os psicólogos sociais Richard Christie e Florence Geis desenvolveram uma escala que media o grau de maquiavelismo a partir de itens que apontavam, por exemplo, uma visão cínica de mundo e um espírito de manipulação.
“O maquiavelismo costuma ser normal entre os narcisistas, que manipulam para conseguir o que querem, geralmente admiração e superioridade, coisas mais subjetivas. O psicopata, ao contrário, quer vantagens materiais. São problemas difíceis de entender e diagnosticar porque não existe uma alteração biológica por trás desses transtornos, o que significa que também não existem medicamentos próprios para eles”, explica Helena Moura, membro da Sociedade Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os cinco traficantes presos neste domingo pela Polícia Federal em Tangará da Serra

Sábado com acidente fatal na BR 364 próximo a Diamantino

Cecilia Gabriella,15 anos, é morta com 22 facadas em Campo Novo do Parecis