Morcego é preso sob acusação de assassinar pecuarista em Juara

Fonte: Aparício Cardozo
A Polícia Judiciária Civil de Juara prendeu na manhã desse sábado (06), em Tangará da Serra, Sidney da Silva, 29 anos, conhecido pela alcunha de Morcego,  acusado de matar com um tiro na nuca, o pecuarista Carlos Macedo, em 25 de setembro de 2015, em plena luz do dia, na Rua Sorocaba, Calçadão da Sorocaba, em Juara.

Sidney da Silva foi capturado pela equipe comandada pelo Dr. Carlos Henrique Engelmann, de Juara, na cidade de Tangará da Serra, já que a justiça havia decretado a prisão preventiva dele e de seu comparsa Carlos Alexander da Silva Bueno, 34 anos, que teria sido o homem que deu suporte para o assassino de Carlos Macedo, tendo se hospedado em outo hotel no mesmo dia do crime, ter passado no local do assassinato logo depois do acontecido e ter sido ele quem passou pelo hotel em um veículo gol, para pegar os pertencer do assassino.

Segundo o delegado Carlos Henrique, Sidney disse que teria cometido o crime por vingança, já que, em uma determinada oportunidade, teria sido agredido por Carlos Macedo em um rio, na presença de testemunhas, que não soube precisar as quais seriam.

Sidney teria tentado inocentar o comparsa Carlos Alexander (fpto ao lado), dizendo que ele não teria nenhum envolvimento no crime, porém, para o delegado, não fica a menor dúvida da sua participação no crime, por isso ele está com a prisão preventiva decretada e está sendo procurado pela polícia, já que é considerado foragido da justiça.


O delegado Carlos Henrique destacou para a imprensa, que foram usados todos os dispositivos possíveis, como câmeras de monitoramento da rua, depoimentos de envolvidos e em 05 de dezembro de 2015, foi decretada a prisão preventiva de Sidney da Silva e Carlos Alexander de Carvalho Bueno, culminando com a prisão de Sidney e fuga de Carlos Alexander, já que alguma comunicação entre ambos, fez com que ele foragisse da justiça.

Segundo o delegado, Sidney disse que quem o acompanhava era o Carlos Alexander e que teria usado uma pistola ponto 40 para autoria do crime. Ele apresentou outra história para a motivação do crime, porém, a polícia trabalha com a hipótese de homicídio de mando, pistolagem.

Carlos Henrique disse que ainda não pode divulgar todos os elementos que possui, mas já tem a certeza de que existem pessoas por trás desse crime, que tinham interesse na morte de Carlos Macedo.

Os motivos do crime ainda não podem ser divulgados pela polícia, mas o delegado garante que muito breve terá os nomes dos envolvidos e que deverão ter as prisões solicitadas pelo delegado.

Carlos Alexander está foragido, mas a polícia espera contar com a ajuda da população, ligando para o 197 de qualquer delegacia, denunciando o paradeiro do mesmo, para que possa ser preso e prestar contas para a sociedade, pelo crime cometido.


RELEMBRE O CASO

Juara: Pecuarista é assassinado com vários tiros


25/09/2015

Policiais civis e militares estão neste momento atrás de dois atiradores acusados de tirar a vida de Carlos Macedo, pecuarista na região. Os tiros foram efetuados por dois homens que estavam em uma moto Honda Bros, de cor preta. A vítima foi atingida enquanto andava no calçadão da Rua Sorocaba, no centro de Juara.
Carlos não resistiu e morreu antes de receber atendimento. Populares ouviram pelo menos quatro disparos que acertaram o pecuarista e depois viram os atiradores fugindo. Cápsulas de uma pistola .40, usada pelas forças armadas, foram encontradas no local. Os disparos acertaram a cabeça do pecuarista.
Diligências iniciaram para tentar identificar e deter o assassino. A Polícia Civil deve utilizar o sistema de vídeo monitoramento e as câmeras de segurança das empresas do calçadão da Rua Sorocaba.
A Politec está no local para colher as cápsulas encontradas no chão e realizar coletas de dados o que apontam como o pecuarista morreu. A Polícia Civil trabalha para identificar se o pecuarista teria recebido algum tipo de ameaça.
Fonte: Éder Seger

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os cinco traficantes presos neste domingo pela Polícia Federal em Tangará da Serra

Sábado com acidente fatal na BR 364 próximo a Diamantino

Cecilia Gabriella,15 anos, é morta com 22 facadas em Campo Novo do Parecis